Guia da Semana

Crítica: “Chocolate” discute preconceito racial e arte na França do início do século XX

Omar Sy interpreta o primeiro artista circense a trabalhar nos teatros franceses

Biografias de artistas são um gênero encantador, mas quase sempre caem na mesmice de obedecer a um dos seguintes formatos: ascensão e queda por excessos com drogas ou obsessões; ou apenas a ascensão, de quem não tinha nada para quem dominou (ou mudou) o mundo, mesmo que, no caminho, tenha perdido um pouco de tudo. Não é assim com “Chocolate”: o longa francês que chega ao Brasil na semana que vem pelo Festival Varilux traz algo diferente e surpreendentemente mais humano.

O filme conta a história do primeiro artista circense negro a conquistar os teatros de Paris, na virada do século XX, que assumiu o nome artístico de “Chocolate”. O interessante, e que torna sua história muito mais complexa, é que ele não fez isso sozinho: ele tinha um parceiro branco e, juntos, eles foram pioneiros no dueto “Branco e Augusto”, formado por um palhaço mais atrapalhado e outro mais sério, em cujas rotinas, em geral, um agredia o outro.

Omar Sy (“Intocáveis”), novo queridinho do cinema francês, é quem carrega o papel principal, dando ao personagem uma transparência assombrosa. Seu Chocolate não é o artista ambicioso que sonha com um mundo mais igualitário, nem o coitado talentoso que é explorado pelos mais fortes – ele é algo no meio, mais inseguro e inconstante.

Nascido escravo e incorporado ao circo como um “canibal africano”, ele faz o que é preciso para ganhar seu sustento e ajudar sua trupe, entretendo o público com o que lhes agradar mais sem se incomodar com isso. Um dia, ele é abordado pelo palhaço Footit (James Thierrée), que lhe propõe a parceria, e os dois fazem tanto sucesso que são contratados pelo dono de um grande teatro parisiense.

A relação entre Chocolate e Footit é intrigante e foge de todo o tipo de estereótipos: ao mesmo tempo em que Footit escolhe trabalhar um humor baseado na opressão do negro, fora do palco ele trata o companheiro como igual, dividindo igualmente o salário (pelo menos no início), respeitando seus vícios (Chocolate é um mulherengo e gasta todo o seu dinheiro em jogos de azar) e lutando para que os dois sejam vistos como uma dupla – e não como “Footit e seu negro”, como a imprensa às vezes os chamava.

Por outro lado, Footit tem uma frieza natural que faz com que o espectador se questione, o tempo todo, se realmente existe um sentimento de amizade entre os dois, ou se a parceria é meramente profissional. Um outro lado do personagem é sugerido brevemente, instigando outras interpretações para o seu comportamento.

A consciência racial de Chocolate começa a se expandir no auge do sucesso da dupla, quando ele é preso por falta de documentos. Na cela, o artista conhece outro negro, mais politizado, que o provoca lembrando que ele só é amado pelo público porque se deixa apanhar de um branco todas as noites. Não seria a hora de provar seu valor como mais do que um palhaço?

“Chocolate” é um filme baseado em fatos reais e, como tal, retrata a sociedade francesa do início do século como o que ela era: preconceituosa e lenta em suas mudanças. Apesar de se passar num momento muito específico do passado, entretanto, a história ainda ressoa na atualidade, encontrando paralelos na questão dos imigrantes na Europa, nos diversos tipos de preconceito social e na discussão dos limites do humor e da publicidade.

O filme será exibido no Festival Varilux de Cinema Francês entre os dias 8 e 22 de junho, em 50 cidades brasileiras, e entrará em cartaz no dia 21 de julho. 

Atualizado em 2 Jun 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

15 Filmes para ver em streaming e curtir o feriado no sofá

Neste Dia do Trabalho, assista aos melhores filmes em cartaz nos serviços de streaming

“La La Land” chega ao streaming para deixar seu feriado mais perfeito

Filme com Emma Stone e Ryan Gosling estreia no Looke, Now, Vivo Play e Google Play.

10 Filmes da seleção de Cannes que você vai querer ver em 2017

Biografia de Godard e novos filmes de Michael Haneke e Roman Polanski são destaques no festival

Filmes exibidos em Cannes têm desconto no streaming no mês de maio

Now e ITunes fazem promoção cinéfila para acompanhar o festival

26 remakes ou reboots que você nem acredita que estão nos planos de Hollywood

"Os Pássaros", "A Mosca" e "Eu Sei O Que Vocês Fizeram No Verão Passado" estão entre os filmes que podem ganhar novas versões nos cinemas

“Corra!” – terror sobre preconceito racial é uma das melhores coisas que você verá nos cinemas neste ano

Filme de Jordan Peele estreia no dia 18 de maio nos cinemas