Guia da Semana

Crítica: “Corrente do Mal” se distancia dos outros filmes de terror pela sutileza e tensão

Filme aborda tema tradicional do gênero com olhar fresco e juvenil

Não é de hoje que o cinema de horror gosta de explorar a culpa dos adolescentes em relação ao sexo, lançando maldições sobre jovens casais e preenchendo a tela com mortes e perseguições. Em “Corrente do Mal” (no original, “It Follows”, algo como “a coisa segue”), não é diferente, mas a sutileza com que o tema é tratado faz do filme de David Mitchell uma peça rara.

“Corrente do Mal” é um daqueles filmes levemente supervalorizados, que ganharam pontos extras pelo boca-a-boca antes de chegar aos cinemas. Mas nem tudo é exagero e existe, realmente, algo que faz esta obra muito mais interessante do que qualquer horror com espíritos que tenha estreado nos últimos anos.

Em primeiro lugar, a história é bem simples e não há grandes mistérios para desvendar: depois de transar com um garoto, Jay (Maika Monroe) descobre – de forma bastante sinistra – que ele era perseguido por “algo” e que ela, agora, será perseguida até que “passe” a maldição ao próximo. Vocês sabem como.

Esse “algo” toma a forma de diferentes pessoas, frequentemente seminuas, que andam em linha reta encarando o amaldiçoado. Nenhuma outra pessoa consegue vê-las e, caso encostem na vítima, podem matá-la (num processo bastante sugestivo que só reforça a ideia da culpa).

Em segundo lugar, muito pouco é realmente mostrado. Ao contrário dos seus companheiros de gênero, “Corrente do Mal” nunca mostra seu vilão (é um espírito? É uma força emanada por alguém? Ele tem uma forma? Jamais saberemos) e quase nunca mostra os resultados de sua vilania – os mortos e feridos são raríssimos. O foco, aqui, é na tensão que sua existência provoca; no estresse de se sentir observado e caçado após um ato sexual. Pior: o ato se torna uma violência quando a vítima sabe que está passando a “maldição” ao parceiro. Como lidar com essa responsabilidade?

Paralelamente ao terror, uma segunda trama se desenrola em torno de Jay, envolvendo suas relações com a irmã, os amigos e alguns amores platônicos. Se encararmos a “entidade maligna” como uma metáfora, essa história secundária se torna a principal, mostrando as oscilações da vida amorosa da protagonista e seu distanciamento da infância. 

Um dos grandes acertos do filme é a trilha sonora de Rich Vreeland, que dá um ar retrô à composição e faz pensar em clássicos como “A Profecia” e “Halloween”. A referência aos antigos filmes de terror se reforça na direção, que explora a sugestão no lugar do choque e do susto – há sempre a iminência de algo, mas nunca a certeza.

Como resultado, “Corrente do Mal” não é tão assustador de imediato, nem tão impressionante para quem está acostumado a muito mais sangue e efeitos. Este, porém, é um filme que permanece muito tempo após a sessão... Como nos velhos tempos.

Atualizado em 26 Ago 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas