Guia da Semana

Crítica: Diretor e atriz travam um duelo de poder em “A Pele de Vênus”

Novo filme de Roman Polanski se inspira em romance sado-masoquista

Jogos de poder e repressões sexuais em ambientes minimalistas não são novidade para Roman Polanski. Conhecido por obras como “Repulsa ao Sexo”, “O Bebê de Rosemary” e, mais recentemente, “Deus da Carnificina”, o cineasta se lança agora ao metalinguístico “A Pele de Vênus”, adaptação da peça homônima de David Ives que, por sua vez, é uma interpretação do romance de Leopold Von Sacher-Masoch – cujo nome, como se pode notar, inspirou o termo “masoquismo”.

O longa segue à risca a visão de Ives, mas traz nas entrelinhas a essência do diretor polaco. No palco (diante das câmeras), estão sua esposa e colaboradora fiel, Emmanuelle Seigner, e Mathieu Amauric, de aparência e postura não muito distantes das suas próprias. Amauric interpreta um diretor de teatro que procura uma atriz para viver sua “Vanda”, a aristocrática dominatrix do século XVIII que também se revela a reencarnação de Vênus/Afrodite. Já Seigner é a candidata improvável que surge no meio da tempestade e, enquanto tenta convencê-lo de que é a pessoa certa para o papel, inverte a situação e se coloca no comando.

O filme inteiro se passa dentro de um velho teatro e é embalado pelo diálogo entre os dois. Usando apenas palavras, diretor e atriz se revezam no poder e tentam moldar um ao outro, de forma cada vez mais literal. O interessante é que, no meio da leitura do texto, Vanda (a atriz leva o mesmo nome da personagem) quebra a ilusão para fazer comentários como “isso é tão sexista que me faz querer gritar”.

A linha entre atores e personagens (ambos personagens, na realidade) vai se desfazendo aos poucos, até que não sabemos mais o que é roteiro, improviso ou opinião pessoal. A tensão cresce, acompanhada pela chuva e por figurinos que Vanda não para de materializar de dentro de sua enorme mala, preparando o terreno para um final triunfante.

Esse final, porém, talvez seja o ponto fraco da adaptação. Fora do teatro, certas alegorias parecem não funcionar tão bem e o que poderia ser expressivo no palco se torna mau gosto na tela. Sob uma trilha cômica, a sequência que encerra o duelo parece fora de lugar.

Além disso, Polanski se contradiz ao repudiar, de início, uma frase do livro de Masoch (“Deus o puniu e o entregou às mãos de uma mulher”), para depois resgatá-la como uma tese comprovada. Essa ideia maniqueísta rompe com toda a estrutura do filme, que trabalha com a provocação de que o submisso estaria manipulando o dominador tanto quanto o contrário.

“A Pele de Vênus” estreia no dia 24 de setembro nos cinemas e é mais um capítulo polêmico na filmografia do cineasta, que promete dividir opiniões. Vale a pena conferir.

Atualizado em 22 Set 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentadores erram e dão Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil