Guia da Semana

Crítica: identidade cultural é colocada em cheque no drama francês “Aliyah”

Pio Marmaï interpreta um traficante judeu que vive na França e decide tentar uma nova vida em Israel

Pio Marmaï (“Beijei Uma Garota”) e Adèle Haenel (“Amor à Primeira Briga”) tinham tudo para ser o casal perfeito do cinema francês, ambos versáteis, talentosos e queridinhos do momento. A oportunidade passou, porém, e Elie Wajeman, com seu “Aliyah”, não a enxergou. Ao invés de explorar a relação potencialmente explosiva entre os personagens dos dois atores, o filme se concentra numa história de temperatura morna sobre autodescobrimento, religião e identidade cultural.

“Aliyah” chega ao Brasil com três anos de atraso, tendo estreias previstas para o dia 9 de julho no Rio e 16 de julho em São Paulo. O filme ganhou impulso no Festival Varilux 2015, que trouxe a várias cidades brasileiras uma retrospectiva do trabalho de Marmaï, junto com uma seleção de estreias francesas.

O ator-galã interpreta Alex, um judeu que mora na França, ganha a vida como traficante e não mantém grandes ligações com suas origens. Quando seu primo retorna da guerra com uma proposta de emprego em Tel Aviv, ele decide jogar tudo para o alto e recomeçar.

A tarefa, porém, não será tão simples assim. Para ser aceito em Israel, ele precisará fazer um procedimento chamado “Aliyah” (uma espécie de cursinho para atestar a autenticidade e a motivação do judeu imigrante) além de resolver as pendências com o irmão (Cédric Kahn), a ex-namorada (Sarah Lepicard) e um novo amor (Haenel).

O filme tem trilha sonora composta por Rodriguez, músico biografado no documentário vencedor do Oscar em 2013 “Searching for Sugar Man”, mas é, em geral, uma obra bastante silenciosa e introspectiva. É interessante como a família e os amigos do protagonista falam de Israel como um lugar inalcançável para Alex, um lar onde ele jamais se sentiria confortável ou acolhido, talvez por conhecerem seu desprendimento com a religião.

“Aliyah” se destaca de outros filmes de mesmo tema pelo realismo, questionando o exército, os costumes e as burocracias israelenses pelo ponto de vista de um jovem que já conheceu outro mundo e, mesmo assim, escolhe retornar. O longa, porém, não vai fundo o suficiente em nenhuma dessas críticas e acaba formando um retrato um pouco superficial de seu protagonista.

Sem conhecer suas motivações mais profundas nem sentir toda a intensidade de suas paixões (a relação com a personagem de Haenel é pouco desenvolvida), não conseguimos torcer por Alex, nem para que ele mude de vida, nem para que permaneça na mesma. Assim, quando a decisão finalmente chega, é tarde demais: percebemos que não nos importamos mais.

Atualizado em 7 Jul 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Logan” e “A Bela e A Fera” são os filmes mais vistos nos cinemas em 2017; confira os números

Veja o balanço completo das bilheterias mundiais em 2017

15 Filmes que dão uma aula sobre preconceito racial

Títulos como “Moonlight” e “Estrelas Além do Tempo” têm colocado o tema no centro das atenções

Marvel Studios divulga pôsteres incríveis de "Guardiões Galáxia Vol 2"

Filme estreia nos EUA em 27 de abril

10 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em abril

"Joaquim" e "Guardiões da Galáxia Vol. 2" estão entre os destaques do mês

Pennywise está assustador em nova foto de "It: Uma Obra-Prima do Medo"

Adaptação do livro de Stephen King estreia em setembro

Aquaman rouba a cena em novo teaser de "Liga da Justiça"; assista

Filme estreia no dia 16 de novembro