Guia da Semana

Crítica: “Jimmy’s Hall” mostra a repressão a um centro comunitário na Irlanda dos anos 30

Filme de Ken Loach estreia nos cinemas no dia 6 de agosto

James Gralton é um daqueles personagens históricos que facilmente passariam despercebidos, se não fosse pelo olhar de Ken Loach. Sua rebeldia, afinal, foi feita com livros e jazz, e sua luta nem teve o desfecho heroico merecedor de Hollywood – mas suas ideias deixaram uma lição preciosa.

Jimmy’s Hall” não conta exatamente a trajetória de James (Barry Ward), mas sim a do salão que ele construiu duas vezes: um centro comunitário no interior da Irlanda onde as pessoas podiam estudar dança, canto, pintura, boxe, literatura ou o que mais pudessem imaginar, desde que houvesse alguém disposto a ensinar. Tudo de graça.

A experiência estava algumas décadas adiantada, porém, e a Igreja não a viu com bons olhos. Seus bailes foram interpretados como uma apologia ao prazer e suas aulas, como uma iniciativa comunista. Daí para uma perseguição militar, foi um pulo.

O que distancia “Jimmy’s Hall” de outros filmes sobre repressão é a forma como Loach explora o contexto: James não teria construído o salão se não fosse uma necessidade de toda a comunidade; o padre talvez não o condenasse tanto se não estivesse sob pressão política. Em torno desses personagens pequenos e rurais, está em jogo um conflito histórico muito maior entre Irlanda e Inglaterra, do qual uma das consequências é o apego às raízes e a rejeição de influências externas – especialmente americanas, como o jazz.

“Jimmy’s Hall” se esquiva do melodrama e da violência que poderiam vir com o tema e segue por um caminho mais leve e romântico, dando atenção especial à música e ao figurino. É uma boa opção para quem gosta de jazz, História ou apenas quer conhecer um pouco melhor o passado recente da Irlanda. 

Atualizado em 5 Ago 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Robert Downey Jr. será "Doutor Dolittle" em novo filme do personagem

"The Voyage of Doctor Dolittle" ainda não tem data de estreia

Novo “Power Rangers” equilibra nostalgia e modernidade e foca no público adolescente

Filme aposta no desenvolvimento dos personagens e trabalha a diversidade

"A Bela e a Fera" é a maior estreia do ano - e a sétima da história dos EUA!

Filme estreou na última quinta-feira soma faturamento de US$ 350 mi ao redor do mundo

“T2 Trainspotting” – como o original, sequência também é um espelho do seu tempo

Longa se passa 20 anos depois do clássico e traz de volta o mesmo elenco

"Viva - a Vida é uma Festa", nova animação da Pixar, ganha primeiro trailer

Com dublagem de Gael García Bernal, filme estreia em janeiro de 2018

A Bela e A Fera, antes e depois: comparamos o filme de 2017 com o clássico de 1991

Produções são quase idênticas na trama, mas detalhes fazem a diferença