Guia da Semana

Crítica: Kevin Costner vive anti-herói perturbado em “Mente Criminosa”

Filme chega aos cinemas no dia 14 de abril

Nem todo filme precisa ser cabeça. Mas um filme despretensioso pode ter, simplesmente, as doses certas de ação, drama e suspense para manter o espectador interessado até o fim. “Mente Criminosa”, que estreia no próximo dia 14, é assim.

O filme dirigido por Ariel Vromen (“O Homem de Gelo”) traz Kevin Costner no papel principal, como um anti-herói que lembra os valentões de Liam Neeson (um pouco como Costner já fizera em “3 Dias Para Matar”), mas com uma atuação consideravelmente mais compromissada.

O ator interpreta Jericho, um sociopata que passou a maior parte da vida na prisão, porque um acidente na infância fez com que ele perdesse completamente a empatia e as noções de certo e errado (o que, somado às circunstâncias desse acidente, transformaram-no em um assassino).

Essa deficiência, porém, torna-o o candidato perfeito para uma ação desesperada da CIA: a replicação das memórias de um agente morto em seu cérebro. O espectador pode questionar a base científica para tal operação, mas o pouco de explicação que o filme coloca é suficiente para que se “compre” a história e siga sem problemas.

Passado o estranhamento inicial, o público logo se verá hipnotizado pela evolução de Jericho – que passa a ter os dois personagens dentro de si, numa convivência conflituosa que rende ótimos momentos. Vale notar que o criminoso nunca deixa de ser ele mesmo (ele não “reencarna” o agente, como seria a opção mais charlatã), mas “agrega” um pouco dos sentimentos e conhecimentos do outro em sua própria personalidade.

Além de Costner, o longa também traz no elenco nomes como Gal Gadot, Ryan Reynolds, Tommy Lee Jones, Gary Oldman e Michael Pitt. Gadot, que recentemente roubou a cena em “Batman vs Superman” como a Mulher Maravilha, não tem aqui um papel tão empoderador – ela é, afinal, “a esposa” e “a mãe” que precisa ser resgatada em algum momento –, mas, ainda assim, é uma personagem forte que não vai decepcionar o público feminino.

Se o elenco é um dos pontos altos do filme, o ponto baixo é a dupla de vilões formada por Antje Traue e Jordi Mollà, cujas motivações são mostradas apenas vagamente e cujas personalidades se resumem a estereótipos de “chefão calmo e violento” e “capanga devota e ineficiente”.

“Mente Criminosa” é um filme médio que acaba ganhando o espectador por acertar no tom: há um pouco de humor, romance e suspense e um tanto de drama, mas o foco nunca deixa de ser a ação. Despretensioso, mas bem feito, este é aquele filme que poderia passar na televisão no meio da tarde – e você assistiria até o último minuto sem mudar de canal.

Atualizado em 10 Mai 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"

"Guardiões da Galáxia Vol. 2" tem o trailer mais assistido da história da Marvel

Continuação do longa de 2014 chega aos cinemas em abril de 2017

"Sully - O Herói do Rio Hudson" ganha nova data de estreia no Brasil

Filme em que Tom Hanks evita acidente aéreo teve lançamento adiado após tragédia com Chapecoense

Apresentador Jimmy Kimmel comandará o Oscar 2017

Notícia foi confirmada pela revista Variety

Assista à nova prévia de "Tamo Junto", comédia estrelada por Sophie Charlotte

Longa apresenta humor repleto de referências da cultura pop

Bertolucci revela que houve estupro em cena de "Último Tango em Paris" e revolta Hollywood

"Queria sua reação como garota, não como atriz", disse o diretor