Guia da Semana

Crítica: “O Conto da Princesa Kaguya” adapta conto tradicional japonês com simplicidade e a melancolia

Animação concorreu ao Oscar e chega aos cinemas no dia 16 de julho

Filmes do estúdio Ghibli sempre impressionam o público ocidental, pouco acostumado à animação artesanal. De fato, trabalhos como “Meu Vizinho Totoro” (1988) e “O Mundo dos Pequeninos” (2010) são obras de arte feitas de milhares de quadros pintados à mão, mas há muito mais nas entrelinhas do cinema japonês do que suas belas imagens.

O Conto da Princesa Kaguya” é o quarto filme do estúdio a receber uma indicação ao Oscar de Melhor Animação, depois de “A Viagem de Chihiro” (2001), que foi vencedor, “O Castelo Animado” (2004) e “Vidas ao Vento” (2013). Diferente desses três, porém, “Kaguya” exalta a simplicidade dos traços, oferecendo um produto audiovisual que mais parece um livro ilustrado, com contornos expressionistas que acompanham o estado de espírito da protagonista.

O filme adapta uma fábula tradicional japonesa, conhecida como “o conto do cortador de bambu” (Taketori Monogatari), de forma quase literal. A protagonista é Kaguya, uma espécie de espírito encontrado num broto de bambu, que se transforma numa criança e cresce muito rapidamente sob os cuidados de um cortador de bambu e sua esposa.

À medida que Kaguya cresce, ela se revela uma criança alegre e cheia de energia, apaixonada pelas plantas e animais. Seu pai adotivo, porém, tem outros planos e, depois de encontrar ouro e tecidos nobres em outros bambus mágicos, ele decide comprar para a filha um título de princesa e treiná-la como tal, condenando a jovem a uma vida de silêncio e submissão longe das florestas.

O filme, assinado por Isao Takahata, passa longe do otimismo multi-colorido das animações norte-americanas, mas também não chega ao nível de olhos inchados de seu longa mais importante, “O Túmulo dos Vagalumes” (1988). “O Conto da Princesa Kaguya”, pelo contrário, assume um tom melancólico e reflexivo, explorando os dilemas insolúveis de uma protagonista que não pode ter controle sobre seu futuro, ora sendo guiada pelas vontades do pai, ora pelas de seus verdadeiros criadores.

A animação, que estreia no dia 16 de julho, não é apenas para o público infantil, mas pode ser mostrada às crianças sem preocupações, já que é bastante educativa. Para os adultos, ela desabrocha como uma obra complexa e poética, e ajuda a lembrar que nem só de comédia e ação vive o cinema animado.

Atualizado em 16 Jul 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“It”: terror baseado em obra de Stephen King ganha trailer sinistro

Filme com ator de Stranger Things estreia em setembro nos cinemas

“A Vigilante do Amanhã – Ghost in the Shell”: tudo o que você precisa saber sobre o filme que estreia nesta quinta

Longa com Scarlett Johansson é um espetáculo visual e um remake fiel – mas as discussões filosóficas já não impressionam mais

Novo trailer de “Valerian e A Cidade dos Mil Planetas” mostra a exuberância de seu universo fantástico

Filme de Luc Besson chega aos cinemas no dia 10 de agosto

Infância de Pharrell Williams será retratada em musical de Hollywood

"Atlantis" terá produção da FOX e direção de Michael Mayer

12 Filmes, séries e mangás de ficção científica para conhecer depois de “A Vigilante do Amanhã”

Obras como “Matrix” e “Paprika” dialogam diretamente com os temas do filme com Scarlett Johansson

Novo trailer de "Homem-Aranha: De Volta ao Lar" mostra cena estrelada pelos Vingadores

Nova fase do herói nas telonas estreia no dia 6 de julho