Guia da Semana

Crítica: “Qualquer Gato Vira-Lata 2” leva triângulo amoroso ao Caribe

Filme não consegue fugir dos clichês machistas, mas compensa com história leve e alto astral

Cleo Pires, Malvino Salvador e Dudu Azevedo estão de volta ao velho triângulo amoroso em “Qualquer Gato Vira-Lata 2”, sequência da comédia de 2011 que chega aos cinemas no dia 4 de junho. Desta vez, os encontros e desencontros acontecem num hotel paradisíaco na Riviera Maia, onde um pedido de casamento se transforma num desastre completo.

Cleo Pires é Tati, uma mulher que viaja com o namorado Conrado (Salvador) para acompanhá-lo num congresso sobre seu livro “Qualquer gato vira-lata tem uma vida sexual mais sadia que a nossa”. Ele não sabe, mas ela já programou tudo para pedi-lo em casamento na frente de toda a família e amigos.

Na maioria das comédias românticas, o pedido vem no final, mas, como este acontece logo no começo, já sabemos que alguma coisa não dará certo – e é tiro e queda. Conrado pede para pensar, desestabilizando a companheira e instigando o ex-namorado dela a aproveitar a “oportunidade”.

É claro que a premissa é absurda e que o filme não pretende se levar a sério, mas existe um sexismo enraizado nessa história que incomoda. De fato, a protagonista toma a iniciativa, mas essa atitude não apenas é ridicularizada, como é neutralizada pelo pedido de um homem ao final da trama – normalizando as coisas, digamos assim. Além disso, surge mais tarde a personagem de Rita Guedes, que parece representar uma psicóloga feminista, mas tem seu discurso justificado como “recalque” e “vingança”.

Para completar, a mãe de Conrado (Stella Miranda) dá um sermão bem-intencionado que sai pela culatra. “Os homens são frágeis e as mulheres têm poder”, diz à nora. “Use o seu com cuidado”. O problema é que, com estas palavras, ela está culpando a mulher por um erro do homem, sugerindo que ela engula a humilhação e pare de pressioná-lo para se desculpar – mantendo assim os estereótipos e as frustrações de ambos os lados.

Questões de gênero à parte, a comédia segue uma linha “feel good”, com uma criança no elenco e um final feliz para todos os personagens. Numa cena que remete à vida real, Fábio Jr. faz uma participação especial, reatando laços com a filha (interpretada por Pires, sua filha de verdade).

O filme deve agradar a quem procura uma história romântica bem leve e com belas paisagens. Apesar de não ter sido filmado realmente no Caribe, o longa encontrou o cenário perfeito num resort baiano. A direção é de Roberto Santucci e Marcelo Antunez e o roteiro, de Paulo Cursino (ambos de “De Pernas Pro Ar” e “Até Que a Sorte Nos Separe”).

Atualizado em 3 Jun 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas