Guia da Semana

Crítica: “Truque de Mestre – O 2º Ato” é um espetáculo grandioso e vazio

Filme sobre ilusionismo estreia no dia 9 de junho

Os Quatro Cavaleiros estão de volta para mais uma performance grandiosa. No dia 9 de junho, estreia nos cinemas “Truque de Mestre – O 2º Ato”, sequência do sucesso de 2013 com Jesse Eisenberg, Woody Harrelson, Dave Franco, Mark Ruffalo e Morgan Freeman. Isla Fisher, que interpretara a ilusionista Henley no primeiro filme, é substituída agora pela consideravelmente mais expressiva Lizzy Caplan, no papel da nova “cavaleira”, Lula (especialista em mortes falsas).

O filme se passa cerca de um ano após os acontecimentos do longa anterior: os Cavaleiros estão vivendo escondidos, aguardando novas instruções do “Olho”; Thaddeus (Freeman) está preso e Dylan Rhodes (Ruffalo) continua no FBI, alimentando pistas falsas sobre o paradeiro dos mágicos. Enfim, uma nova missão aparece.

Seguindo o padrão criado no primeiro filme, o grupo organiza mais um grande espetáculo para desmascarar um poderoso – mas, desta vez, o show é sabotado e o quarteto, sequestrado. O responsável é um jovem milionário e excêntrico chamado Walter (Daniel Radcliffe), que havia sido dado como morto um ano antes e, agora, recruta o grupo para roubar um cartão capaz de acessar informações de qualquer computador no mundo.

O absurdo dessa premissa (um cartão todo-poderoso que vai roubar a privacidade de todos – como se dados pessoais não fossem usados todos os dias para direcionar campanhas publicitárias) se alinha com a identidade do filme como um todo: uma grande e espalhafatosa performance sem muito a oferecer sob a superfície.

Uma cena resume bem essa ideia: depois de roubarem o cartão (encaixado numa carta de baralho), os Cavaleiros são revistados por seguranças e precisam esconder o objeto. Para isso, fazem todo o tipo de manobras com as mãos e os corpos, deixando o cartão sempre fora da visão dos guardas – mas, ao invés resolverem o problema com uma única pessoa, revezam o volume entre si, sendo obrigados a repetir o procedimento várias vezes até que todos os protagonistas tenham mostrado suas habilidades. 

Não que o filme não tenha bons momentos. Na verdade, o último ato é até bem divertido, começando com pequenos truques individuais e culminando na apoteose que o público espera de uma sequência de “Truque de Mestre” – previsível, talvez, mas empolgante. Até isso perde a graça, porém, quando começam as explicações excessivamente didáticas sobre “como a mágica foi feita”. Convenhamos, nada daquilo tem uma explicação verossímil senão o fato de que é um filme, cheio de efeitos visuais.

Para tentar aparentar profundidade e escapar do rótulo de “puro entretenimento”, o longa explora alguns dramas pessoais: novamente remoemos o passado de Rhodes, filho de um mágico que morreu em cena; conhecemos a relação problemática de Merritt (Harrelson) com o irmão-gêmeo, ridiculamente caricato; e devemos nos surpreender com um segredo de Thaddeus, que já poderíamos ter adivinhado no primeiro filme.

Nada disso funciona, é claro. O que o público quer é a mágica, é o espetáculo, e isso só vem mesmo no final – o que é um bom truque. Deixar o melhor para o fim faz com que o espectador tenha a ilusão de ter se divertido durante todo o tempo. Mas será mesmo? Olhe de novo.

Atualizado em 7 Jun 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

15 Filmes para ver em streaming e curtir o feriado no sofá

Neste Dia do Trabalho, assista aos melhores filmes em cartaz nos serviços de streaming

“La La Land” chega ao streaming para deixar seu feriado mais perfeito

Filme com Emma Stone e Ryan Gosling estreia no Looke, Now, Vivo Play e Google Play.

10 Filmes da seleção de Cannes que você vai querer ver em 2017

Biografia de Godard e novos filmes de Michael Haneke e Roman Polanski são destaques no festival

Filmes exibidos em Cannes têm desconto no streaming no mês de maio

Now e ITunes fazem promoção cinéfila para acompanhar o festival

26 remakes ou reboots que você nem acredita que estão nos planos de Hollywood

"Os Pássaros", "A Mosca" e "Eu Sei O Que Vocês Fizeram No Verão Passado" estão entre os filmes que podem ganhar novas versões nos cinemas

“Corra!” – terror sobre preconceito racial é uma das melhores coisas que você verá nos cinemas neste ano

Filme de Jordan Peele estreia no dia 18 de maio nos cinemas