Guia da Semana

Crítica: "Vai Que Cola - O Filme" ou a tristeza cômica do humor brasileiro

Liderada por Paulo Gustavo, adaptação do seriado estreia nesta quinta

De "A Grande Família" a "Os Caras de Pau", não são poucos os sucessos da televisão brasileira que acabam por parar nas telonas. A novidade da vez é "Vai Que Cola - O Filme", seriado queridinho do Multishow, liderado pelo sempre afiado Paulo Gustavo. No longa, vemos os mesmos personagens da TV, desta vez sob o fôlego de uma trama maior. A qualidade do humor, entretanto, vem menor do que nunca.

Paulo Gustavo é Valdomiro Lacerda, tipão metido a malandro, encarnação fajuta do "jeitinho brasileiro". Em meio às falcatruas, perde sua fortuna e deve encarar o maior pesadelo da classe média carioca: render-se às "baixarias" do subúrbio. Leia-se, a pensão de Dona Jô, cenário do já conhecido seriado. 

Quando um ex-sócio o procura com um plano para recuperar a tão almejada cobertura no Leblon, é claro que ele aceita. Com ele, porém, muda-se o resto da "ralé", em uma apocalíptica invasão às intocáveis areias da Zona Sul. Samantha Schmütz, na pele da "piriguete"; Marcus Majella, o "afeminado"; Cacau Protásio, a "gorda"; Emiliano d'Avila, o "machão-cabeça-oca"; Fiorella Mattheis, a "loira-burra" e, por fim, Fernando Caruso, o "malucóide". E o show de esteriótipos começa. 

Há momentos em que a leviandade da trama leva a um riso discreto, como que uma rendição à grave problemática que o filme carrega. Os responsáveis são o próprio Paulo Gustavo (controverso, porém ainda um pouco engraçado) e a ótima Samantha Schmütz, dona de algumas das melhores cenas do longa. Completando, a trilha sonora traz hits das rádios brasileiras que disfarçam toda a agressividade do roteiro.

É interessante que o filme apareça ao mesmo tempo em que a gentrificação no Rio de Janeiro é pauta flamejante nas redes sociais. Propósito ou coincidência? Não há como saber. A única certeza é que a cada lançamento da dita comédia comercial (sempre capitaneada pela Globo Filmes), consta-se a tristeza cômica do humor brasileiro: rir para não chorar. 

Atualizado em 3 Out 2015.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Ator de “Power Rangers” faz homenagem à Chapecoense durante a CCXP 2016

Elenco do filme participa da terceira edição da feira de cultura pop em São Paulo

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017