Guia da Semana

Crítica: “Virando a Página” vai fazer você sair do cinema com um sorriso no rosto

Comédia romântica do criador de “Letra e Música” mostra um roteirista em crise

Nunca subestime o poder de uma comédia romântica. Em tempos de super-heróis, naves espaciais e outras ousadias cinematográficas, podemos nos esquecer de como é revigorante assistir a um filme com o pé no chão, simples e bem escrito como “Virando a Página”.

O novo longa do diretor e roteirista Marc Lawrence, do também ótimo “Letra e Música”, parte de um tema bastante próximo (o protagonista é um roteirista de Hollywood) para contar uma história universal de crise e reinvenção profissional na meia-idade. Na verdade, o tema parece se restringir cada vez menos à faixa etária e não seria surpresa se que muitos jovens de vinte-e-tantos anos também se identificassem com a situação.

Num aceno às comédias românticas dos anos 90 e numa gigantesca piada interna um pouco menos explícita que a de Michael Keaton em “Birdman”, Hugh Grant é o  ator escolhido para viver o papel principal. Ele é Keith Michaels, um roteirista de um único sucesso que, rejeitado pelos estúdios, aceita trabalhar como professor residente numa universidade em Binghamton, uma cidadezinha americana bem distante e bem diferente de Los Angeles.

Grant revive aqui alguns de seus maiores sucessos: seu Keith, prepotente e mulherengo, lembra o Daniel Cleaver de “O Diário de Bridget Jones” ou mesmo o Alex Fletcher de “Letra e Música”. A referência é claramente proposital, já que o ator vive um momento semelhante ao do seu personagem, sendo lembrado apenas pelos antigos sucessos, enquanto aprende que Hollywood pode ser uma mãe infiel.

O longa não se acanha em questionar a indústria do cinema e lança provocações muito oportunas: numa cena, por exemplo, dois representantes de um grande estúdio sugerem a Keith que escreva uma aventura com uma heroína forte e guerreira, pois é isso que é “fresco e novo”. Aham, nós entendemos: fresco, novo e muito lucrativo.

Confiante de que ainda voltará ao estrelato, Keith não leva a sério o trabalho de professor, o que rende alguns momentos bem divertidos – como a seleção dos alunos e a primeira aula. Aos poucos, porém, ele vai percebendo que esta é a sua nova realidade e que, se ele se esforçar um pouco, talvez consiga ensinar alguma coisa àqueles alunos.

Quem o ajuda nessa jornada de renovação é a estudante tardia Holly (Marisa Tomei), talvez a personagem mais surpreendente do filme, além do vizinho Jim (Chris Elliott) e do supervisor Dr. Lerner (J.K. Simmons). Allison Janney também ganha momentos hilários na pele da professora Mary, responsável pelo Comitê de Ética da faculdade e inimiga de Keith desde o primeiro dia.

Ao contrário do que poderia acontecer numa comédia mais rasa, grande parte dos personagens são bem desenvolvidos e não preenchem apenas funções pontuais na evolução do protagonista. Tomei, por exemplo, não é só o par romântico mais óbvio para Keith, mas também é uma mãe solteira que está estudando para realizar um sonho, enquanto trabalha em pelo menos dois empregos diferentes. Sua personalidade é positiva e extrovertida, mas seus conselhos são sensíveis e experientes, o que ajuda o protagonista a compreender a própria maturidade.

“Virando a Página” é uma comédia inteligente que chega no momento certo, provocando reflexões necessárias a uma geração que precisa repensar seus conceitos de talento, fama e carreira. A crítica não vem como um tapa na cara, mas sim com uma linguagem lúdica e otimista, garantindo que você saia do cinema uma tonelada mais leve e com um sorriso no rosto. Coisas assim, só uma boa comédia romântica consegue fazer.

Atualizado em 24 Jun 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

“Paixão Obsessiva”: suspense trash com Katherine Heigl estreia nesta quinta

Heigl interpreta uma ex-mulher determinada a eliminar a atual

“Paterson” - Adam Driver é um poeta do cotidiano em novo filme de Jim Jarmusch

Filme conta a história de um motorista de ônibus que escreve poemas nas horas vagas

Cinemark exibe “...E O Vento Levou” na próxima terça-feira

“2001: Uma Odisseia no Espaço” e “O Mágico de Oz” serão os próximos clássicos na programação

Serviço permite ir ao cinema todos os dias por mensalidade fixa

Assinaturas do Primepass variam de R$ 39,90 a R$ 139,90