Guia da Semana

Crítica: “Virando a Página” vai fazer você sair do cinema com um sorriso no rosto

Comédia romântica do criador de “Letra e Música” mostra um roteirista em crise

Nunca subestime o poder de uma comédia romântica. Em tempos de super-heróis, naves espaciais e outras ousadias cinematográficas, podemos nos esquecer de como é revigorante assistir a um filme com o pé no chão, simples e bem escrito como “Virando a Página”.

O novo longa do diretor e roteirista Marc Lawrence, do também ótimo “Letra e Música”, parte de um tema bastante próximo (o protagonista é um roteirista de Hollywood) para contar uma história universal de crise e reinvenção profissional na meia-idade. Na verdade, o tema parece se restringir cada vez menos à faixa etária e não seria surpresa se que muitos jovens de vinte-e-tantos anos também se identificassem com a situação.

Num aceno às comédias românticas dos anos 90 e numa gigantesca piada interna um pouco menos explícita que a de Michael Keaton em “Birdman”, Hugh Grant é o  ator escolhido para viver o papel principal. Ele é Keith Michaels, um roteirista de um único sucesso que, rejeitado pelos estúdios, aceita trabalhar como professor residente numa universidade em Binghamton, uma cidadezinha americana bem distante e bem diferente de Los Angeles.

Grant revive aqui alguns de seus maiores sucessos: seu Keith, prepotente e mulherengo, lembra o Daniel Cleaver de “O Diário de Bridget Jones” ou mesmo o Alex Fletcher de “Letra e Música”. A referência é claramente proposital, já que o ator vive um momento semelhante ao do seu personagem, sendo lembrado apenas pelos antigos sucessos, enquanto aprende que Hollywood pode ser uma mãe infiel.

O longa não se acanha em questionar a indústria do cinema e lança provocações muito oportunas: numa cena, por exemplo, dois representantes de um grande estúdio sugerem a Keith que escreva uma aventura com uma heroína forte e guerreira, pois é isso que é “fresco e novo”. Aham, nós entendemos: fresco, novo e muito lucrativo.

Confiante de que ainda voltará ao estrelato, Keith não leva a sério o trabalho de professor, o que rende alguns momentos bem divertidos – como a seleção dos alunos e a primeira aula. Aos poucos, porém, ele vai percebendo que esta é a sua nova realidade e que, se ele se esforçar um pouco, talvez consiga ensinar alguma coisa àqueles alunos.

Quem o ajuda nessa jornada de renovação é a estudante tardia Holly (Marisa Tomei), talvez a personagem mais surpreendente do filme, além do vizinho Jim (Chris Elliott) e do supervisor Dr. Lerner (J.K. Simmons). Allison Janney também ganha momentos hilários na pele da professora Mary, responsável pelo Comitê de Ética da faculdade e inimiga de Keith desde o primeiro dia.

Ao contrário do que poderia acontecer numa comédia mais rasa, grande parte dos personagens são bem desenvolvidos e não preenchem apenas funções pontuais na evolução do protagonista. Tomei, por exemplo, não é só o par romântico mais óbvio para Keith, mas também é uma mãe solteira que está estudando para realizar um sonho, enquanto trabalha em pelo menos dois empregos diferentes. Sua personalidade é positiva e extrovertida, mas seus conselhos são sensíveis e experientes, o que ajuda o protagonista a compreender a própria maturidade.

“Virando a Página” é uma comédia inteligente que chega no momento certo, provocando reflexões necessárias a uma geração que precisa repensar seus conceitos de talento, fama e carreira. A crítica não vem como um tapa na cara, mas sim com uma linguagem lúdica e otimista, garantindo que você saia do cinema uma tonelada mais leve e com um sorriso no rosto. Coisas assim, só uma boa comédia romântica consegue fazer.

Atualizado em 24 Jun 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Animação francesa “A Bailarina” é opção para as férias

Filme mostra uma menina que sonha em ser bailarina, mas, para isso, terá que aprender lições importantes de vida

Rita Repulsa, Zordon e Alpha 5 estão no novo trailer dos "Power Rangers"; assista

Remake da série dos anos 90 estreia em março

“xXx: Reativado” – terceiro filme da franquia estrelada por Vin Diesel estreia nesta quinta

Longa traz Nina Dobrev no elenco e tem participação de Neymar Jr.

“Não há nada que ela não possa fazer”, diz Ryan Gosling sobre Emma Stone em entrevista exclusiva

Atores trocaram elogios na pré-estreia de “La La Land” em Los Angeles

Confira o novo (e lindo) pôster de "A Bela e a Fera"

Novo live-action da Disney estreia no dia 17 de março

Pixar lança vídeo mostrando que os seus filmes estão realmente conectados; vem ver!

Brinquedos de "Toy Story" em "Monstros S.A." e outras conexões!