Guia da Semana

Diferenças do Robocop original para o remake

O Guia da Semana comparou o clássico dos anos 80 ao remake de José Padilha e aponta as principais diferenças para você

Há dois tipos de fãs de cinema: aqueles que cultuam o original e que sentem arrepios à simples menção de um remake; e aqueles que nunca se cansam de seus ídolos, acompanhando todos os spin-offs, sequências e até fanfics que tenham alguma relação com o título inicial.

+ Leia a resenha de "RoboCop" (2014)
+ Confira salas e horários para assistir ao filme
+ Relembre as aberturas de desenhos dos anos 80

Agora que RoboCop chega novamente às telas pela direção do brasileiro José Padilha, os ânimos dos dois grupos parecem mais exaltados do que nunca. Seja qual for o seu time, o Guia da Semana preparou um dossiê com as principais diferenças entre o RoboCop de 1987, de Paul Verhoeven, e o de 2014. Confira:

 

Violência

 

Em 1987, mostrar um membro decepado, um rosto desfigurado ou um litro de sangue falso em cena não era tão incomum quanto nos dias de hoje. Politicamente incorreto, o RoboCop de Verhoeven tinha classificação “R” (17 anos com acompanhamento dos pais) e entregava a seus fãs imagens explícitas de violência.

Já a versão de Padilha (mais por exigência do estúdio do que pelo diretor) se mantém “clean”, com muito metal amassado, câmeras afastadas e takes com a perspectiva do tiro – e não da vítima. Sua classificação, para a decepção de alguns fãs, é de 13 anos (EUA).

 

Consciência

 

No RoboCop original, Alex Murphy passa meses num laboratório acompanhando a vida à sua volta, mas sem saber quem é. Sua busca por identidade será um dos objetivos principais do filme, conquistada durante a solução do próprio crime.

Já em 2014, o policial acorda de um sonho pensando que ainda tem um corpo normal – mas desespera-se ao descobrir que está enclausurado numa armadura. Sua busca pelo controle dessa carapaça é o que conduzirá a história.

 

Família

 

Depois da violência, a família no novo Robocop é uma das maiores diferenças em relação ao original. 27 anos atrás, Alex Murphy guardava apenas lembranças de sua esposa e filho, que o esqueceram e “seguiram a vida” após pensarem que ele estava morto.

Na nova versão, a mulher do agente (Abbie Cornish) é uma das grandes pedras no sapato da OmniCorp, ameaçando contar para a imprensa que a corporação está manipulando a mente de seu marido e exigindo de Murphy que volte a ver seu filho.

 

Conflitos-chave

 

Ao ser transformado no policial mais incorruptível da cidade (mas, ao mesmo tempo, impossibilidado de prender os verdadeiros corruptos), RoboCop travou uma guerra com seus criadores e com a própria polícia, que o rejeitou.

Agora, quase três décadas depois, o conflito entre o agente e a corporação continua, mas a polícia deixa de ser tão relevante para entrar em cena o médico (Gary Oldman), que representa o dilema ético da manipulação da consciência.

 

Televisão

 

Quem roubou a cena no clássico oitentista foram os comerciais bizarros de TV, que incitavam a violência – como o de um carro comparado a um dinossauro, ou o de uma espécie de batalha naval capaz de explodir seus familiares – além de uma sátira dos sitcoms americanos, que banalizava o entretenimento e a sexualidade.

No novo filme, o destaque fica por conta do personagem de Samuel L. Jackson, que representa a manipulação da mídia – ele é um apresentador que tenta convencer os espectadores a aceitarem os policiais robóticos (influenciando, assim, as votações do congresso), mas o faz promovendo debates tendenciosos.

Além disso, a própria imagem do RoboCop ganha um peso midiático que não tinha no primeiro filme – há um novo personagem responsável exclusivamente pelo marketing, que tem a função de tornar RoboCop um garoto-propaganda da campanha pró-robôs nos EUA.

 

Política e ética

 

Nos anos 80, o reaganismo era a questão do momento nos EUA: o presidente Reagan vinha favorecendo o controle privado de órgãos públicos, desagradando a população. Essa situação aparece no filme, onde uma empresa assume o controle da segurança pública e propõe inserir robôs no lugar de policiais em Detroit.

Como consequência disso, outro problema quente da época vem à tona: a ameaça de greve dos policiais, que temem perder seus empregos com a privatização.

Nos anos 2010, as empresas deixaram de ser demonizadas e a questão que domina a década é pós-industrial: “o que fazer com a tecnologia, agora que podemos substituir praticamente qualquer parte humana por uma máquina?”

Esse problema se divide em dois focos – o uso de robôs para continuar as práticas imperialistas sem sacrificar mais soldados americanos; e a manipulação da mente de um ser humano específico (RoboCop) até que ele se aproxime de uma máquina.  

Atualizado em 19 Fev 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

10 Motivos para ver a animação “Sing – Quem Canta Seus Males Espanta”

Filme chega aos cinemas no dia 22 de dezembro

“Pets” tem sessão gratuita para incentivar a adoção de animais

Cine Matilha exibe a animação em sessão aberta para cães e seus donos

7 Fatos sobre “Fallen” que você precisa saber antes de ir aos cinemas

Adaptação do primeiro livro da saga adolescente estreia no dia 8 de dezembro

4 Motivos para ver “A Qualquer Custo” nos cinemas

Filme com Chris Pine e Jeff Bridges chega aos cinemas em janeiro

"50 Tons Mais Escuros" ganha trailer inédito; confira

Novo vídeo do longa está mais caliente do que nunca!

Clássico de Chaplin tem sessão gratuita no Auditório Ibirapuera

Exibição encerra a programação do centenário de Paulo Emílio Sales Gomes