Guia da Semana

Diretor e elenco falam sobre o filme “De Onde Eu Te Vejo”

Luiz Villaça, Denise Fraga e Domingos Montagner comentam a produção que estreia nesta quinta-feira

Comédia romântica ou drama? Ou nada disso? Seja como for, a curiosa história de um casal que se separa, mas continua morando em apartamentos vizinhos em São Paulo, tem conseguido arrancar gargalhadas e lágrimas dos espectadores desde as primeiras sessões de “De Onde Eu Te Vejo”, novo longa de Luiz Villaça que estreia nesta quinta-feira.  O Guia da Semana conversou com o diretor e com os protagonistas Denise Fraga e Domingos Montagner e descobriu algumas curiosidades sobre a produção.

“Esse negócio de classificar eu acho uma tragédia” – começou Villaça, quebrando o gelo com sua sinceridade. Bem-humorado (talvez pelas críticas positivas que lera antes da entrevista), ele explicou que não pensa em categorias fechadas, mas sim em algo que se relacione com o público. “Devia ser ‘classificação vida’”, reflete. “Chaplin falava que um drama de perto pode ser uma grande comédia de longe. Então eu acho que o filme tem um pouco disso, que é a zona que eu mais gosto de trabalhar: você ri chorando e chora rindo”.

Fraga, que interpreta a arquiteta Ana, concorda que o filme não se encaixa nos gêneros estabelecidos e sugere outra classificação, cunhada pelo roteirista Rafael Gomes: “é uma comédia sentimental”. De fato, sentimentos não faltam: a atriz, que também é esposa de Villaça, sabe o quão identificável é a história para quem já viveu um relacionamento sério.

O filme traça um paralelo entre a dinâmica da cidade – sempre mutável, em constante demolição e renovação – e a do casamento. “Acho que isso é uma das coisas mais lindas do filme”, derrete-se. “O Luiz [Villaça] queria muito falar dessa coisa do casamento que é a construção... Essa coisa de você ver uma parede cair, mas há que remendar. A Ana vê a mudança e acha que é um sinal de que eles têm que se separar, porque não são mais os mesmos – mas não ser mais os mesmos faz parte de todos nós, de todas as histórias”.

Montagner, que interpreta o marido de Ana, Fábio, acha a relação do casamento com o entorno uma “grande sacada do roteiro” – especialmente para seu personagem, que é jornalista. “O filme coloca essa perspectiva de que a vida muda o tempo inteiro, então ele relaciona com a cidade, com o emprego... E sua profissão mudou significativamente”.

Profissão, essa, que não foi escolhida por acaso. Villaça é um entusiasta do jornalismo e até brinca (com um fundo de verdade) que “não sabe por que não virou jornalista até hoje”. No filme, ele retrata a crise que a categoria vive no momento: “Isso que está acontecendo é muito importante. Estamos vivendo uma mudança, as redações vão sofrendo ao mesmo tempo em que vão sendo abertas outras... Talvez há sei lá quantos anos a gente não estaria aqui” – comenta, referindo-se aos jornalistas presentes na mesa, todos de veículos online.

 

“Tem uma democratização. Mas existe uma reestruturação que, no caso do personagem dele, caiu como uma luva: um cara que dedicou a vida àquele jornal e que agora sabe que vai haver demissões e ele vai ter que se virar”. Villaça ressalta, porém, que a visão do longa não é saudosista. “É apenas a constatação da mudança. Que é uma coisa que acontece com o cinema também. Até dois mil e poucos você só tinha película e, hoje, tem um filme que estava em cartaz que foi feito em celular [Tangerine, de Sean Baker]. É demais, não é?”.

"De Onde Eu Te Vejo" trabalha muito com esse conflito entre passado e presente, entre as memórias afetivas e a renovação. Além do tema do jornalismo, também há reflexões sobre os cinemas de rua (que, Villaça defende, podem muito bem existir lado a lado com as novas redes de shoppings), sobre a independência dos filhos (no momento de entrada na universidade) e sobre um novo tipo de casal: aquele que também é amigo. 

 

“Eu acho essa ideia de morar perto um sintoma de modernidade”, analisa Fraga. “O próprio fato de os casamentos poderem ser dissolvidos é uma evolução. Dizem que não existe mais casamento como antigamente, mas eu digo que não existe mais submissão feminina como antigamente! É essa a questão”, constata, satisfeita. A atriz ainda compara a relação entre Ana e Fábio através das janelas com as relações mantidas nas redes sociais. “Hoje a gente tem janelas abertas o tempo todo... Não precisa nem morar em frente!”.

Essa “pegada contemporânea” está, também, na trilha sonora, que opta por algo mais simples e de valor emocional. Executada toda no violão, ela surgiu de um dedilhado despretensioso do filho do diretor. “Ouvi meu filho tocando e soube que queria aquilo no filme. Foi uma coisa muito estranha e muito legal para a minha vida, que o filme vai carregar para sempre”.

Tão familiar na concepção quanto no resultado, “De Onde Eu Te Vejo” promete tocar os sentimentos do público a partir do dia 7 de abril, nos cinemas de todo o país. Antes de assistir, aproveite e leia a crítica do Guia da Semana.

Atualizado em 6 Abr 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Ator de “Power Rangers” faz homenagem à Chapecoense durante a CCXP 2016

Elenco do filme participa da terceira edição da feira de cultura pop em São Paulo

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017