Guia da Semana

"Ela" narra história de amor entre homem e um sistema operacional

Romance e carências na sociedade hiper-conectada são temas do novo filme de Spike Jonze

Não se engane: o futuro é previsível. Desde as primeiras obras de ficção científica, grandes autores vêm sonhando com ele e, por mais diferentes que sejam suas visões, estamos olhando para a mesma ideia, repetida em incansáveis variações: o homem quer criar humanidade. É sobre essa ideia que se debruça o novo filme de Spike Jonze – um filme simples com um nome singelo: “Ela”.

+ Confira salas e horários para assistir ao filme
+ Veja as apostas do Guia para o Oscar 2014
+ Conheça outros filmes sobre a relação homem-máquina 

“Ela” é Samantha (com a voz de Scarlett Johansson), integrante do primeiro grupo de Sistemas Operacionais conscientes desenvolvidos para uso pessoal. Como uma secretária, ela organiza os arquivos e compromissos de seu “patrão” Theodore (Joaquin Phoenix), mas também tem acesso a todo o seu histórico de e-mails e navegação, pode ler a tensão em sua voz, interagir e aprender com ele.

“Aprender” é o que faz de Samantha tão parecida com um humano, mas também é o que a fará diferente – afinal, sua capacidade de armazenamento é infinitamente maior que a de seus criadores. Apesar de reforçar o mesmo ponto de outras ficções (computadores tendem a superar os homens), “Ela” não segue pelo mesmo caminho apocalíptico, mas oferece uma reflexão sobre a imaterialidade e a “vida” num oceano de zeros e uns.

Mais do que futurista, o longa é atemporal e dialoga com dilemas atuais, entre roupas e cenários retrô. Enquanto Samantha e Theo estão vivendo seu conto de fadas, o resto do mundo vive uma epidemia de carência afetiva, causada e suprida por seus acessórios eletrônicos. Tudo, naquele universo, parece feito para compensar essa carência – o design “de vovó”, os jogos interativos de video-game, as cartas que Theo é pago para escrever. Nota: as cartas, vendidas como “escritas à mão”, são na verdade ditadas para o computador.

O interessante – e talvez diferente do que imaginamos para o futuro – é que existem muitos momentos “offline”. É compreensível: se o próprio Sistema Operacional tem personalidade, então talvez Theo não queira sua presença 24 horas por dia. Talvez não queira compartilhar um encontro íntimo com a ex-mulher ou com sua melhor amiga. Isso o obriga, também, a dedicar total atenção a essas pessoas, reforçando os laços e repensando sua situação de outras perspectivas.

A pergunta essencial do filme (“Pode haver amor entre um homem e uma máquina?”) provavelmente continuará sem resposta, mas podemos aprender algumas coisas com essa dupla. Samantha, afinal, é tão viciante quanto o celular que você guarda no bolso. E, como ela, a internet não suprirá sua necessidade de diálogo e aconchego.

Como Theo, todos perdemos a conta de quantas vezes preferimos nos esconder nas vidas dos outros (expostas na televisão, nas redes sociais, em fofocas) a encarar nossos próprios problemas. Mas também podemos aprender que amar é deixar que o outro mergulhe em seus documentos mais secretos. E pode ser tão simples quanto uma carta escrita à mão.

Assista se você:

- Procura um filme romântico para ver a dois
- Gosta de ficções futuristas
- Gostou dos outros filmes de Spike Jonze

Não assista se você:

- Procura um filme para não pensar muito
- Não se interessa pelo futuro da inteligência artificial 
- Não gosta de filmes românticos 

Atualizado em 13 Fev 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017

Cahiers du Cinéma elege os melhores filmes de 2016

O brasileiro "Aquarius" aparece em quarto lugar na lista