Guia da Semana

Em "Amar, Beber e Cantar", Alain Resnais deixa o seu último legado

O novo e último filme do diretor francês chega aos cinemas brasileiros nesta quinta

Responsável por grandes clássicos do cinema, como "Hiroshima Meu Amor" e "Medos Privados em Lugares Públicos", aos 91 anos, Alain Resnais deixa o seu último legado. Em março, depois de mais de 50 filmes no currículo e passagens em festivais como Cannes e Veneza, o diretor morreu na França, mesmo país em que nascera. "Amar, Beber e Cantar" estreou no Festival de Berlim deste ano, levando o prêmio Alfred Bauer, aquele que contempla novas perspectivas no cinema de arte. No Brasil, o filme chega às salas na próxima quinta, 24 de julho. Misturando narrativas, o filme mescla a 7ª arte ao teatro, além de contar com ilustrações de Blutch, um dos cartunistas favoritos de Resnais.

Durante as quase duas horas de longa, acompanhamos a divertida jornada de dois casais que, em meio a ensaios para uma peça amadora, recebem a notícia de que seu grande amigo George está terrivelmente doente, restando-lhe apenas alguns meses de vida. Após o alarde geral, Kathryn, Colin, Tamara e Jack tentam encontrar a melhor maneira de fazer com que a nova realidade não interfira em suas vidas. Acontece que o galanteador George (que não aparece na tela um segundo sequer) acaba gerando uma verdadeira guerra entre Kathryn e Tamara, além de sua ex-esposa Monica. Cientes da situação, o trio de mulheres briga pela atenção do doente, gerando conflitos não só entre as três, como também em seus relacionamentos atuais.

A inovação do filme aparece já na primeira cena: as locações externas são dispensadas, dando lugar a cenários artificiais - impossível não lembrar do icônico "Dogville", de Lars Von Trier. Desprovido de ação e centrado nos diálogos, o longa parece mais com uma peça teatral; a atenção é dada ao humor do roteiro e a interpretação dos apenas seis atores em cena. Aqui, Resnais faz jus ao seu título de mestre, provando que para fazer um bom cinema é preciso apenas de, literalmente, uma câmera na mão e uma ideia na cabeça.

Ao lado de Godard e Truffaut, Resnais foi responsável pela revolução do cinema francês na Nouvelle Vague dos anos 1960. Com uma filmografia diversificada, sua carreira dedicou-se a conquistar fãs das mais diversas esferas. "Amar, Beber e Cantar" mostra-se, no final, uma história sobre lealdade, amizade e os devires da vida: um prato cheio para o público cinéfilo. Para aqueles que (ainda) não são fãs, um laboratório talvez seja preciso. "Ervas Daninhas" e "Amores Parisienses" são necessários para se apaixonar. Seja na comédia ou no drama, no cinema de arte ou no documentário, Alain Resnais deixa a vida com um privilégio para poucos: o de fazer parte de nossas memórias para sempre. 

ASSISTA SE VOCÊ:

- É fã ou já conhece o trabalho de Alain Resnais 
- Gosta de filmes em diferentes formatos e narrativas
- Quer se divertir com um filme leve e despretensioso  

NÃO ASSISTA SE VOCÊ:

- Não é fã ou não conhece o trabalho de Resnais
- Prefere filmes convencionais 
- Espera um filme engraçadíssimo e empolgante 

Atualizado em 24 Jul 2014.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentadores erram e dão Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil