Guia da Semana

Encantador como poucos

Filme francês apresenta roteiro simples e cativante, com resultado acima da média



Não há problema nenhum com a tecnologia. Interação, 3D, animações cada vez mais primorosas... Aliás, gosto muito. No entanto, quando me deparo com um filme simples, apenas de atuações, em que o lirismo invade a tela, eu tiro o chapéu.

O Pequeno Nicolau é um desses tesouros. Feito para crianças, fisga todos aqueles que não se limitam a enquadramentos etários. A história é simples: Nicolau desconfia que a mãe está grávida. Baseado na imaginação de um amigo, acredita que, assim que o rebento nascer, será abandonado na floresta. Aflito, recorre aos amigos de escola, todos na faixa dos 7/8 anos, para solucionar o problema. Some ao seu cotidiano dramas e comédias protagonizados por pais amorosos, representantes da típica classe média francesa dos anos 60. Pronto, o enredo está feito. 

A identificação com a obra se dá justamente por ela transpor uma fase pela qual todos nós passamos. Quem nunca teve sua turminha quando criança? Como na minha, na sua deveria ter o CDF, o distraído, o abastado. Ainda há a menina bonita e a timidez do garoto, sugerindo o primeiro amor, o sentimento afetuoso dos pais, o quarto de criança, a escola e a professora de primário...

Com elementos tão próximos, é difícil não bater aquele - inevitável - saudosismo ao assistir as peripécias de Nicolau. Criado em 1959 pelo ilustrador Jean-Jacques Sempé e pelo escritor René Goscinny - também criador de Asterix -, o garoto francês ganhou os rolos de cinema com uma obra de primeira linha. O diretor Laurent Tirard declarou que a filha de Goscinny, Anne, só venderia os direitos do livro do pai para virar um filme, caso este se tornasse uma obra-prima. É uma pena que o quarto filme mais visto em 2009 na França encontre espaço somente em salas de São Paulo e Rio de Janeiro. Fica a dica - ou ordem - para resgatar essa preciosidade assim que for para as locadoras.

Leia  a coluna anterior de Alessandro Fiocco:

A saga continua

Quem é o colunista: Alessandro Fiocco.

O que faz: Jornalista e dublê de várias outras funções.

Pecado Gastronômico: Louco por pastéis. Mas também apreciador de um bom risoto e de uma boa massa.

Melhor lugar do mundo: O centro de São Paulo desvendado a pé; minha casa para ficar jogado.

Fale com ele: alefiocco@gmail.com.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas