Guia da Semana

Faroeste Caboclo faz retrato crítico da juventude dos anos 70

Filme recria tragédia musical com doses equilibradas de violência, romance e crítica social

“Meu pai teria adorado este filme”, garantiu Giuliano Manfredini, filho de Renato Russo, minutos após a primeira exibição em São Paulo de Faroeste Caboclo. Com um elenco excepcional e a direção cuidadosa de René Sampaio, o longa-metragem inspirado na canção mais famosa do líder do Legião Urbana consegue alcançar a mesma intensidade dramática da música, com violência e sexo em doses altas, porém amenizadas pela câmera. As críticas sociais, ponto forte da composição, se expandem e arriscam tocar em pontos inexplorados pelo cantor – na época, empenhado em denunciar os “playboys” de Brasília e a injustiça sobre o povo pobre, para o qual João de Santo Cristo é herói, ou santo. Mas René parece discordar do músico num ponto essencial.

+ Confira as estreias da semana

Na versão do diretor, João não é nenhum herói. Interpretado com garra pelo estreante Fabrício Boliveira, o negro que cresce na roça não vai a Brasília falar com o presidente. Ele foge de uma mãe falecida e um futuro de morte certa para buscar abrigo junto ao primo Pablo - o traficante que lhe dá a Winchester 22. É lá que ele conhece Maria Lúcia (Ísis Valverde), a garota rica, filha de senador e estudante de arquitetura, que fuma maconha diariamente e se encanta pelo bandido numa sequência graciosa de encontros na janela.

Bandido, digamos, porque na ocasião ele fugia da polícia. Mas é difícil, aqui, separar os corretos dos fora-da-lei. São os jovens ricos que consomem a maconha traficada por João, Pablo e Jeremias. Pablo mata por cobrança, João por vingança e Jeremias por poder, mas são todos criminosos ao seu modo. Por outro lado, os policiais e políticos também são corruptos e a ditadura militar vive seus últimos dias, agitando uma juventude perdida entre o rock n’ roll e as drogas fáceis. Neste ponto, Faroeste Caboclo mostra a realidade “feia” que Somos Tão Jovens, outro filme sobre Renato Russo e os anos 70/80, preferiu esconder.

Talvez por isso – por abranger questões maiores sem tentar tomar partido - o resultado seja tão atual, relevante para o público jovem e adulto e nem um pouco restrito aos fãs de Renato Russo. “Num momento em que pessoas como Marco Feliciano vêm pregar a intolerância, é muito bom ter esse espaço para movimentar o que está estabelecido demais”, alfinetou Boliveira, lembrando a todos de que o preconceito ainda está aí, transbordando por debaixo do tapete.

 

Faroeste Caboclo estreia no dia 30 de maio, com pré-estreias no dia 29.

Atualizado em 6 Jun 2013.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Logan” e “A Bela e A Fera” são os filmes mais vistos nos cinemas em 2017; confira os números

Veja o balanço completo das bilheterias mundiais em 2017

15 Filmes que dão uma aula sobre preconceito racial

Títulos como “Moonlight” e “Estrelas Além do Tempo” têm colocado o tema no centro das atenções

Marvel Studios divulga pôsteres incríveis de "Guardiões Galáxia Vol 2"

Filme estreia nos EUA em 27 de abril

10 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em abril

"Joaquim" e "Guardiões da Galáxia Vol. 2" estão entre os destaques do mês

Pennywise está assustador em nova foto de "It: Uma Obra-Prima do Medo"

Adaptação do livro de Stephen King estreia em setembro

Aquaman rouba a cena em novo teaser de "Liga da Justiça"; assista

Filme estreia no dia 16 de novembro