Guia da Semana

Hayao Miyazaki recebe Oscar Honorário após anunciar aposentadoria

Primeiros prêmios do Oscar 2015 foram entregues durante o Governor’s Awards

O diretor japonês Hayao Miyazaki, conhecido pela complexidade de suas animações e pelo fato de ainda trabalhar com desenhos à mão, recebeu o Oscar Honorário durante o Governor’s Awards no último dia 8 de novembro. Na mesma noite, foram homenageados Maureen O’Hara, Jean-Claude Carrière e Harry Belafonte.

Miyazaki anunciara sua aposentadoria no final do ano passado, quando se preparava para lançar “Vidas ao Vento”, seu último longa-metragem e o mais autobiográfico até então. Para os fãs inconsoláveis, correm boatos de que o artista já esteja trabalhando num mangá e que continuará produzindo curtas-metragens – a aposentadoria foi dos cinemas e da neurose com bilheterias.

No evento que aconteceu em Hollywood, quem entregou o Oscar ao mestre japonês foi seu “sucessor” norte-americano: John Lasseter, da Pixar. Lasseter ressaltou a importância dos filmes de Miyazaki em sua formação como cineasta e comparou-o a Walt Disney, por mostrar que “a animação realmente é para todos”.

Hayao Miyazaki recebe Oscar Honorário

Em troca, Miyazaki alfinetou a indústria digital de animação (da qual Lasseter é um ícone) ao se dizer sortudo “por poder ter participado da última era em que se podia fazer filmes com papel, lápis e película”.

Maureen O’Hara, atriz irlandesa que atuou em clássicos como “O Corcunda de Notre Dame” (1939) e “Como Era Verde o Meu Vale” (1941), também recebeu um Oscar Honorário, entregue por Clint Eastwood, que recordou a ocasião em que fizera uma ponta num filme com O’Hara – a primeira estrela de Hollywood que teria conhecido.

O roteirista francês Jean-Claude Carrière (“A Insustentável Leveza do Ser”, “A Bela da Tarde”) também teve sua obra reconhecida pelo Oscar e aproveitou a oportunidade para valorizar seus colegas de profissão, normalmente ocultos pelo brilho de diretores e atores na indústria do cinema.

Jean-Claude Carrière recebe Oscar Honorário

O discurso mais acalorado da noite foi feito por Harry Belafonte, receptor do Prêmio Humanitário Jean Hersholt por seu trabalho em prol dos direitos civis e raciais. Introduzido por Chris Rock e Susan Sarandon, Belafonte citou o clássico “O Nascimento da Nação” (1915) como um filme com uma visão distorcida da história que refletia da divisão racial americana. O artista e ativista também convidou ao palco outro símbolo da luta por igualdade, Sidney Poitier.

Outras estatuetas do Oscar 2015 serão entregues no dia 7 de fevereiro (prêmios técnicos e científicos) e a cerimônia final televisionada acontece no dia 22 de fevereiro. Os indicados serão divulgados no dia 15 de janeiro.

Atualizado em 10 Nov 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira o novo (e lindo) pôster de "A Bela e a Fera"

Novo live-action da Disney estreia no dia 17 de março

Pixar lança vídeo mostrando que os seus filmes estão realmente conectados; vem ver!

Brinquedos de "Toy Story" em "Monstros S.A." e outras conexões!

Reese Witherspoon quer fazer "Legalmente Loira 3"

"As mulheres precisam desse tipo de positividade hoje em dia", disse a atriz ao E! News

10 Filmes da Sessão da Tarde para ver na Netflix

“Operação Cupido” e “Aventureiros do Bairro Proibido” estão entre os filmes nostálgicos em cartaz

“Estrelas Além do Tempo” revela as mulheres negras que mudaram a história da NASA

Longa inspirador e bem-humorado estreia no dia 2 de fevereiro nos cinemas

“A Cura”: diretor de “O Chamado” retorna ao terror com longa sinistro e hipnotizante

Filme chega aos cinemas no dia 16 de fevereiro