Guia da Semana

Jessica Chastain e James McAvoy protagonizam o drama “Dois Lados do Amor”

Versão que chega ao Brasil é um resumo de dois filmes que mostram diferentes pontos de vista de um relacionamento em crise

Estreia no dia 12 de março o drama “Dois Lados do Amor”, ou melhor, “O desaparecimento de Eleanor Rigby”, se quisermos manter o charme do título original. O filme de Ned Benson – estreante em longas-metragens e surpreendentemente habilidoso tanto na direção quanto no roteiro – tem provocado curiosidade desde o Festival de Cannes em 2014, quando concorreu ao prêmio “Un Certain Regard”.

O filme foi lançado em três versões diferentes: “Ele”, “Ela” e “Eles”, sendo que a última intercala os dois pontos de vista e será a única lançada no Brasil. Isso não significa que o público vá perder algum detalhe da trama, mas, sem a divisão prevista pelo diretor, parte do sentido da obra se perde completamente.

“Ele” é Conor (James McAvoy), “ela” é Eleanor Rigby (Jessica Chastain) – exatamente como na música dos Beatles, que narra a tragédia de uma mulher solitária, de sonhos partidos. Pois é assim que se sente Eleanor, partida ao meio e sem saída, querendo ser invisível como sua xará. Conor também sofre, mas suas reações são diferentes e isso a entristece ainda mais.

 

Levamos algum tempo para compreender o que aconteceu àqueles dois, mas entendemos que não foi o sentimento que sumiu. Foram as circunstâncias que os obrigaram a tomar caminhos diferentes (mesmo que nenhum deles saiba muito bem para onde está indo).

O filme discute temas delicados como a maternidade e as complicadas relações entre pais e filhos, mas o faz sem forçar julgamentos, estimulando a reflexão. Chastain e McAvoy são um espetáculo à parte, carregando cada lado da história com intensidade e carisma. Benson não desperdiça seu elenco, formado também por Viola Davis, Isabelle Huppert e William Hurt, e entrega a todos eles falas que ecoam até depois da sessão. 

Sem a divisão original, que exploraria a trajetória de cada um dos amantes sem revelar imediatamente o pensamento do outro, o que resta é um filme um pouco mais convencional, mas ainda assim capaz de partir o coração do espectador de mil formas diferentes. Ao mesmo tempo, o  longa consegue equilibrar a tragédia com pequenas doses de doçura e esperança – tornando o percurso simplesmente irresistível. Leve um lencinho.

Atualizado em 6 Mar 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Título do novo "Star Wars" é revelado: "The Last Jedi"

Oitavo episódio da saga chega aos cinemas em dezembro

"Batman vs. Superman" lidera indicações ao Framboesa de Ouro 2017; veja lista completa

Ao contrário do Oscar, premiação elege os piores filmes do ano

J.K. Rowling desmente boato sobre filme de "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada"

"Não há verdade nos rumores sobre a trilogia", disse a escritora no Twitter

Após vídeo de supostos maus-tratos, pré-estreia de "Quatro Vidas de Um Cachorro" é cancelada

Universal Pictures divulgou comunicado oficial informando o cancelamento

Animação francesa “A Bailarina” é opção para as férias

Filme mostra uma menina que sonha em ser bailarina, mas, para isso, terá que aprender lições importantes de vida

Rede Cinesystem inaugura seu primeiro cinema em São Paulo

Com nove salas e projeção a laser, cinema promete ser o mais moderno da cidade