Guia da Semana

José e Pilar

O dia a dia do escritor português José Saramago e a convivência com sua esposa, a jornalista espanhola Maria del Pilar

Foto: Divulgação


Enquanto o escritor José Saramago (1922 - 2010) escrevia o livro A Memória do Elefante, que começou em 2006 e teve seu lançamento em 2008, o diretor e roteirista português Miguel Gonçalves Mendes (D. Nieves,  Floripes, A Batalha dos Três Reis) pôs em prática um de seus mais ambiciosos projetos: o documentário José e Pilar (José & Pilar, Portugal, Espanha, Brasil, 2010).

Retratando o relacionamento do escritor com sua esposa, a jornalista espanhola Maria Del Pilar Del Rio Sánchez, o projeto é, antes de mais nada, uma história de amor. Não tem a pretensão - nem o objetivo - de traçar um perfil da carreira e vida do vencedor do prêmio Nobel José Saramago ou coletar entrevistas de pessoas próximas ao escritor, mas sim esmiuçar de forma profunda e intimista o mundo que dividia com Pilar.

Acompanhando a rotina do casal em sua casa na ilha de Lanzarote, na Espanha, José e Pilar aproxima- se tanto do casal que nós, espectadores, temos a sensação palpável de fazer parte daquele universo. Do café da manhã, do almoço, da organização de Pilar acerca dos compromissos do marido e uma intimidade nunca vista em toda a vida de Saramago, conhecido por seu comportamento reservado.

Amado por muitos e odiado por tantos outros, Saramago nunca teve o reconhecimento merecido em sua própria terra. Seu ateísmo convicto o levou a criticar fortemente a religião em suas obras, fazendo com que grande parte de Portugal, país mais religioso da Europa, o visse com maus olhos. E nesta espécie de diário, José e Pilar mostra como aquele homem, aos 64 anos, conheceu o grande amor de sua vida, 28 anos mais jovem que ele e que lhe acompanhou até o final de sua jornada.

Com discussões sobre política, artes, amor, morte, natureza, mundo do etéreo, entre outros, Saramago e Pilar se expõem em uma afinidade que impressiona, mesmo quando as opiniões são completamente divergentes. E nesse caldeirão de pensamentos e ensinamentos, o supra-sumo do que é Saramago e Pilar parece estar ali, reiterando o ditado que "por trás de todo grande homem, há uma grande mulher".

Entre as homenagens, prêmios e outra enxurrada de compromissos - como a ida ao México em 2006 para participar da adaptação teatral de seu livro As Intermitências da Morte -, o público segue e (re)descobre o comportamento adoravelmente ranzinza de Saramago, com humor mordaz, que mistura infância e inteligência de forma cativante. Pilar, a mulher forte e prudente, tem em sua sensatez as opiniões que formam uma extensão do próprio Saramago, um homem sem papas na língua.

Inseparáveis em todos os incontáveis e exaustivos compromissos, Saramago se via como um homem predestinado a escrever, mesmo com a saúde debilitada. Já tinha outro livro em mente, que ia ao encontro da rotina incessante que lhe fazia viajar para diversos países, comparecendo a sessões de autógrafos e homenagens intermináveis.

Com momentos de extrema delicadeza - como a cerimônia de casamento para renovar os votos e o lançamento de Ensaio Sobre a Cegueira no cinema -, o documentário traz momentos mais dramáticos do escritor, como a saúde debilitada que o fez permanecer internado por um mês entre dezembro de 2007 e janeiro de 2008.

A direção segura e a trilha intimista dão a José e Pilar o respeito que os dois personagens merecem, de uma vida cúmplice que, mesmo tardia, gerou uma grande história de amor e sucesso. E, em relação à Pilar, "aquela que ainda não havia nascido e tanto tardou a chegar" (conforme diz em sua dedicatória na autobiografia Pequenas Memórias), Saramago só queria duas coisas: tempo e vida. E o filme lhe presta essa homenagem, mostrando que verdadeiras histórias de amor podem, sim, sair dos livros e acontecer na vida real.

Leia as colunas anteriores de Leonardo Freitas:

Reaprendendo
 a viver

O mundo era delas

Mundos isolados e conflitantes


Quem é o colunista: Um jornalista aficionado por cinema de A a Z.

O que faz: Dono do blog Dial M For Movies.

Pecado gastronômico: Lasanha.

Melhor lugar do Brasil: Qualquer lugar, desde que eu esteja com meus amigos.

Para Falar com ele: leonardo.g.freitas@gmail.com ou o siga no twitter (@leogfreitas)



 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Belas Artes faz Noitão apocalíptico para “exorcizar” 2016

Maratona terá no cardápio clássicos como “Mad Max” e “Purple Rain”

Taylor Swift e Zayn lançam trecho da trilha sonora de "50 Tons Mais Escuro"; vem escutar

"I Don’t Wanna Live Forever" está disponível no iTunes e Apple Music

Primeiro trailer de "Planeta dos Macacos: A Guerra" é divulgado; assista

Terceiro longa da franquia estreia em julho de 2017

Primeiro trailer de "Homem Aranha: De Volta ao Lar" é divulgado; assista

Filme chega aos cinemas brasileiros em julho de 2017

Série baseada em “Evil Dead”ganha maratona gratuita em SP

Cine Phenomena exibe primeira temporada de “Ash vs Evil Dead” em dezembro

10 Motivos para ver a animação “Sing – Quem Canta Seus Males Espanta”

Filme chega aos cinemas no dia 22 de dezembro