Guia da Semana

Mato Sem Cachorro: uma comédia romântica à brasileira

Longa de estreia de Pedro Amorim aposta em roteiro leve para a família, mas exagera nos palavrões

A nova comédia brasileira Mato Sem Cachorro parece coisa de veterano. Com Bruno Gagliasso, Leandra Leal e o cãozinho Duffy nos papéis principais, o filme de estreia de Pedro Amorim – de apenas 35 anos - tem roteiro esperto, fotografia limpa e ótimas sacadas, mas sofre de um mal: excesso de improviso.

+ Confira salas e horários para ver Mato Sem Cachorro nos cinemas
+ Veja as estreias da semana nos cinemas 
+ Saiba quais são as estreias imperdíveis de outubro nos cinemas

O problema não é surpresa quando dois comediantes de stand-up estão escalados no elenco, sendo um deles o coadjuvante principal. Rafinha Bastos vive o veterinário desbocado e Danilo Gentili é o pervertido Leléo, primo de Deco (Gagliasso) que vive com ele. Ou seja, os dois interpretam suas próprias personas da TV, com nomes alternativos.

A liberdade que o diretor deu à equipe transparece nos diálogos, povoados por palavrões e piadas sujas em doses cavalares. A estratégia, que já pegou nos Estados Unidos com comédias como Ligeiramente Grávidos, de Judd Apatow, teria funcionado bem se o tema do longa não fosse, afinal, uma leve e simpática história de amor. O casal protagonista, aliás, se sai muito bem na tarefa.

Bruno Gagliasso e Leandra Leal em cena de Mato Sem Cachorro

Leal vive Zoé, uma mulher agitada que trabalha numa rádio e sonha em emplacar um programa sobre novas bandas. Já Gagliasso é Deco, um jovem desocupado que passa suas tardes criando vídeos com mash-ups (mistura de gêneros musicais) para a internet. Os dois se conhecem graças a Guto, cachorro da raça English Sheppard que sofre de uma doença rara que o faz desmaiar nas situações mais inesperadas.

Mais interessante do que o relacionamento conturbado da dupla é a coleção de referências com que Amorim tempera o longa: de Sidney Magal a Elke Maravilha, de  John Lennon a Joan Jett & The Blackhearts. O resultado disso tudo é uma mistura curiosa do americano com o nacional, do pop com o brega, que acerta em cheio no lado musical.

O mash-up também se vê na forma do filme, que tem “cara” de romance americano anos-noventa, mas tem sotaque carioca. Tem atores brazucas e cachorro estrangeiro, tudo junto e misturado, como uma autêntica comédia romântica à brasileira.

A mistura, porém, é também o maior inimigo de Mato Sem Cachorro: o filme seria a pedida certa para um domingo de sol se tivesse definido melhor seu estilo - esta é uma comédia adolescente descolada ou uma história romântica "fofinha"? O público, afinal, sabe bem o que quer e pode acabar torcendo o nariz.

Assista se você

- Gosta de comédias românticas

- Gosta de filmes com animais

- Gosta de comédia stand-up

Não assista se você

- Quer levar seus filhos pequenos ao cinema

- Não gosta de cultura pop ou brega 

- Não gosta de comédia em geral

Atualizado em 3 Out 2013.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Diretor de “Fragmentado” revela que o filme será parte de uma trilogia; confira a entrevista completa

M. Night Shyamalan veio ao Brasil divulgar o suspense que estreia no dia 23 de março

Robert Downey Jr. será "Doutor Dolittle" em novo filme do personagem

"The Voyage of Doctor Dolittle" ainda não tem data de estreia

Novo “Power Rangers” equilibra nostalgia e modernidade e foca no público adolescente

Filme aposta no desenvolvimento dos personagens e trabalha a diversidade

"A Bela e a Fera" é a maior estreia do ano - e a sétima da história dos EUA!

Filme estreou na última quinta-feira soma faturamento de US$ 350 mi ao redor do mundo

“T2 Trainspotting” – como o original, sequência também é um espelho do seu tempo

Longa se passa 20 anos depois do clássico e traz de volta o mesmo elenco

"Viva - a Vida é uma Festa", nova animação da Pixar, ganha primeiro trailer

Com dublagem de Gael García Bernal, filme estreia em janeiro de 2018