Guia da Semana

Misturando a arte ao cinema, "Saint Laurent" mostra o lado mais rock'n'roll do estilista

Nova cinebiografia do estilista não poupa sequências pesadas em um retrato fiel na cena artística dos anos 60

Depois do filme sobre a vida de Yves Saint Laurent que estreou recentemente, uma segunda cinebiografia do estilista entra na mira dos cinéfilos - e amantes da moda, é claro. Saindo direto de Cannes, o longa de Bertrand Bonello, não autorizado por sinal, estreia em São Paulo ainda este ano e mostra um Saint Laurent muito mais icônico e rock'n'roll. Com 150 minutos de duração, a carreira e detalhes biográficos dão lugar a cenas recheadas de abuso de drogas e sexo, em uma ensaiada divisão para cada um desses aspectos.

Situado entre os anos de 1967 e 1976, o roteiro dedica-se ao auge da carreira do estilista. "Saint Laurent" ainda foca nos amantes do artista, como o empresário Pierre Bergé e o homme fatale Jacques de Bascher, vivido pelo galanteador Louis Garrel. A amizade com Andy Warhol não fica de lado, mostrando também o diálogo do filme com outros movimentos artísticos, e também sociais, da época. Violentas cenas de protestos pelas ruas de Paris são contrastadas com belíssimas modelos desfilando as criações de Laurent. Truffaut, Françoise Hardy e Velvet Underground são citados ao som de uma trilha sonora mais cool impossível. O papel do protagonista fica a cargo de um impecável Gaspard Ulliel, que até então atuou apenas em filmes europeus e em um ou dois best-sellers.

Homenagear ícones da história é prática comum nos cinemas - e no mundo da moda não é diferente. Da cinebiografia de Coco Chanel até o documentário da Vogue de Anna Wintour, diversos artistas já foram eternizados nas telonas. O diferencial é a forma com a qual eles são tratados. Diferente do primeiro filme que vimos sobre Saint Laurente, o longa de Bertrand Bonello parece ser mais sincero, não poupando as características mais cruas do estilista - as cenas de drogas são muito mais pesadas que (as poucas) sequências de sexo.

Aqui, julgamentos morais não são pauta - o que importa é a lealdade com a qual a personagem é apresentada. "Não faço comparações porque não vi o outro filme, me concentrei no meu projeto. Tomamos a liberdade de fazer o filme que quisemos. Para ser livres, precisamos trabalhar no nosso canto", disse Bonello em entrevista para o UOL.

Como era de se esperar, a direção de arte e figurino de "Saint Laurent" são encantadores e para nenhum fã de Xavir Dolan ou Lars Von Trier botar defeito. Vibrantes cenas em boates ou até os coloridos rascunhos e tecidos dão um tom de leveza e balanceiam as sequências mais pesadas do filme. Em "Saint Laurent", Bonello mostra não só a sua mão cheia como roteirista, como também o seu olhar afinadíssimo para as questões de imagem. Assistir ao seu filme é como visitar uma exposição na Palais Galliera ou encher os olhos com algum filme experimental de Warhol. Vale a pena conferir - e muito.

Atualizado em 13 Nov 2014.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Reese Witherspoon quer fazer "Legalmente Loira 3"

"As mulheres precisam desse tipo de positividade hoje em dia", disse a atriz ao E! News

10 Filmes da Sessão da Tarde para ver na Netflix

“Operação Cupido” e “Aventureiros do Bairro Proibido” estão entre os filmes nostálgicos em cartaz

“Estrelas Além do Tempo” revela as mulheres negras que mudaram a história da NASA

Longa inspirador e bem-humorado estreia no dia 2 de fevereiro nos cinemas

“A Cura”: diretor de “O Chamado” retorna ao terror com longa sinistro e hipnotizante

Filme chega aos cinemas no dia 16 de fevereiro

“O Poderoso Chefinho”: animação adorável sobre um bebê “adulto” estreia em março (e vai conquistar seu coração)

Filme explora a relação entre um menino de 7 anos e seu novo irmãozinho

Final do Super Bowl será transmitida ao vivo nos cinemas

Evento acontece no dia 5 de fevereiro e terá show de Lady Gaga no intervalo