Guia da Semana

Neurônio demais, humor de menos

Queime Depois de Ler recebeu muitos elogios da crítica, mas será que merece tudo isso ou é mais um daqueles casos de filmes que ninguém tem coragem de assumir que não gostou?

Los Angeles


O talento dos irmãos Ethan e Joel Coen é inegável. Filmes como Fargo, O Grande Lebowski e o ´oscarizado´ Onde os Fracos Não Têm Vez demonstram a capacidade da dupla, que agora escracha com o gênero de filmes de espionagem e a imbecilidade das pessoas em Queime Depois de Ler. Sob a égide do humor negro e de não se levar a sério, o longa-metragem trilha um caminho perigoso entre os extremos da comédia, que pode passar de hilária a desconexa com grande facilidade, especialmente quando se trata de uma obra que vai atrair diversos públicos graças a seu elenco para lá de estelar, com Brad Pitt, George Clooney, Frances McDormand, John Malkovich e Tilda Swinton.

A história é maluca, tão maluca que soa um pouco com os surrealismos de Charlie Kaufman. Um analista da CIA (Malkovich) é demitido e resolve escrever um livro, mas nem imagina que a esposa (Tilda Swinton) tem um amante (George Clooney). Decidida a pedir o divórcio, pois acha que o marido vai passar a viver a suas custas, ela rouba todos os dados do computador dele. Entretanto, por acidente, uma cópia do material vai parar nas mãos de dois imbecis: Brad Pitt e Frances McDormand; ele é um daqueles professores acéfalos de academia de ginástica, ela trabalha no mesmo lugar, mas colocou na cabeça que precisa de quatro cirurgias plásticas para se "reinventar" fisicamente.

O grande barato foi misturar esse monte de gente num rolo de proporções homéricas no qual ninguém sabe de nada e todo mundo tem a ver com todo mundo. No meio disso tudo, está a chefia da CIA, mais perdida que cego em tiroteio. É uma sátira a quem se leva a sério, seja no meio da espionagem seja no meio cinematográfico. Entretanto, tudo é feito com tamanha "normalidade" que a comédia custa a acontecer. Três personagens têm real potencial cômico - Pitt, Clooney e J.K.Simmons, como o chefe da CIA - e até cumprem sua função, mas não o suficiente para justificar tamanha carga de diversão atribuída a esse longa-metragem.

Por mais que soe como heresia, a motivação por trás da trama é semelhante à do besteirol assumido Tenacious D - Uma Dupla Infernal, de Jack Black. Os músicos querem apenas pagar o aluguel e para isso peitam o diabo em pessoa. O mesmo acontece em Queime Antes de Ler, com a personagem de Frances disposta até mesmo a vender "informações secretas" para os russos, tudo para conseguir pagar por suas operações plásticas. É a quintessência da imbecilidade moderna.

Não há como negar, porém, que o resultado seja cáustico ao extremo e carregado de crítica social, incluindo boas sacadas sobre os sites de namoro, a falta de noção do sujeito moderno e também das instituições que "comandam" a sociedade. Tudo ali é extremo e não há meio termo. Se um personagem se considera inteligente, ele acha que é o melhor do mundo; quando é imbecil, o faz com louvor.

Tecnicamente é impecável, com grande trabalho de elenco e de enquadramentos, sempre bem feitos pelos Coen. É justamente a excelência técnica que prejudica Queime Depois de Ler, pois tudo é normal demais. O desenvolvimento dos personagens é próximo demais da vida real, faltando a eles o viés fantástico ou surreal capaz de destacar sua trama o suficiente para ser inesquecível. É um filme burocrático e pretensioso demais, a não ser para aqueles dispostos a encontrar genialidade onde ela não existe e comédia onde não há graça.


Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.


Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"

"Guardiões da Galáxia Vol. 2" tem o trailer mais assistido da história da Marvel

Continuação do longa de 2014 chega aos cinemas em abril de 2017

"Sully - O Herói do Rio Hudson" ganha nova data de estreia no Brasil

Filme em que Tom Hanks evita acidente aéreo teve lançamento adiado após tragédia com Chapecoense

Apresentador Jimmy Kimmel comandará o Oscar 2017

Notícia foi confirmada pela revista Variety

Assista à nova prévia de "Tamo Junto", comédia estrelada por Sophie Charlotte

Longa apresenta humor repleto de referências da cultura pop

Bertolucci revela que houve estupro em cena de "Último Tango em Paris" e revolta Hollywood

"Queria sua reação como garota, não como atriz", disse o diretor