Guia da Semana

Norwegian Wood: canção dos Beatles embala drama japonês sobre amor e perda

Filme adapta romance de Haruki Murakami

“E quando eu acordei, eu estava só... O pássaro tinha voado”. A solidão que embala a balada Norwegian Wood, escrita por John Lennon e Paul McCartney em 1965, ainda arde como o inverno no drama homônimo que chega esta semana aos cinemas brasileiros, rebatizado didaticamente de “Como na Canção dos Beatles”.

O filme, dirigido pelo vietnamita Tran Anh Hung, não é tão novo: foi lançado em 2010 e chegou às prateleiras antes de finalmente ganhar uma chance na tela grande. Já o livro original data de 1987 e foi o primeiro grande sucesso do autor japonês Haruki Murakami.

Para um filme que leva o nome de uma canção, “Norwegian Wood” é bastante silencioso e a inspiração mal se justifica – exceto numa cena curtíssima em que uma personagem toca e canta os primeiros versos. No livro, é a música que traz ao narrador as lembranças daqueles trágicos tempos de juventude.

Trágicos e românticos, é verdade. De diversas formas, o que  o roteiro nos diz é que o amor pode levar uma pessoa à ruína. Tudo começa, afinal, com um suicídio: o de Kizuki, melhor amigo de Watanabe e namorado (de uma vida inteira) de Naoko.

A história é contada do ponto de vista de Watanabe (Ken'ichi Matsuyama) – um garoto que, como outros personagens masculinos de Murakami, age como uma marionete ingênua nas mãos de mulheres que, literalmente, lhe pedem por sexo.

Fantasias adolescentes à parte, o ponto alto da adaptação é justamente uma personagem feminina: Naoko, que ganha a preciosa interpretação de Rinko Kikuchi (conhecida no ocidente por “Círculo de Fogo” e “Babel”). A atriz, muda e enigmática na maior parte do filme, é responsável pela sequência mais expressiva, quando transforma um sorriso contido em lágrimas enjauladas que, pouco-a-pouco, vencem a barreira da indiferença até jorrarem num choro desesperado e sem cortes.

O ritmo de Hung, como nessa cena, é paciente. Silêncios e longas caminhadas expressam à sua maneira uma tristeza insistente, que, apesar de cansativa para o espectador, é a expressão fiel do sentimento de luto que aqueles personagens vivenciam.

Anos depois da morte de Kizuki, Watanabe e Naoko se reencontram e se envolvem numa paixão estranha e cheia de culpa. Ao mesmo tempo, ele conhece Midori (Kiko Mizuhara), uma garota cheia de energia, mas com cicatrizes igualmente profundas. Naoko parece aceitar Watanabe para esquecer Kizuki, e Watanabe faz o mesmo com Midori, mas nada disso fica claro – o amor nunca é tão simples.

Naoko se interna num sanatório nas montanhas de onde talvez nunca consiga sair, fazendo lembrar o romance de Thomas Mann, “A Montanha Mágica”. Lá, sua depressão se reveza com momentos de amor e outros de loucura, como se todos os seus sentimentos se voltassem, a todo tempo, para a perda.

“Norwegian Wood – Como na Canção dos Beatles” tem muito pouco de Beatles, muito de Murakami e algum estilo de Hung. Da canção original, sobrou a melancolia, o frio e o pássaro que voou.

 

Assista se você:

  • Quer ver um filme que mergulha no sofrimento humano
  • Gosta de filmes de passo lento e silencioso
  • Gostou do livro de Haruki Murakami

Não assista se você:

  • Fica deprimido facilmente
  • Passou por perdas familiares ou decepções amorosas recentemente
  • Não gosta de filmes muito lentos

Atualizado em 30 Jul 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Sesc Santana exibe óperas europeias na tela de cinema

“A Flauta Mágica” e “Aida” têm exibições em janeiro

10 Filmes sul-coreanos que você precisa conhecer

Filmes como “A Criada” e “Invasão Zumbi” são exemplos do crescimento do cinema comercial no país

Michael Fassbender fala sobre a adaptação de “Assassin’s Creed” para os cinemas

Filme estreia no Brasil no dia 12 de janeiro

Natalie Portman encarna a Sra. Kennedy no pesado e surpreendente “Jackie”

Filme reconta o assassinato do presidente americano sob o ponto de vista da primeira-dama

Andrew Garfield fala sobre selinho em Ryan Reynolds no Globo de Ouro - e repete a dose em apresentador!

Ao falar sobre o assunto, Garfield beijou Stephen Colbert

“Moonlight” chega aos cinemas brasileiros às vésperas do Oscar 2017

Filme narra a história de um garoto negro que se descobre gay numa comunidade preconceituosa e violenta