Guia da Semana

Novas aventuras em Nárnia

De Los Angeles


Amadurecimento, guerra e despedida. Esses três temas são os conceitos básicos por trás de As Crônicas de Nárnia: Príncipe Caspian, a segunda parte da série adaptada da obra de C.S. Lewis. Não há muita alegria no retorno dos irmãos Pevensie ao mundo de Nárnia, onde, desta vez, eles se deparam com o reinado de uma civilização violenta e militarizada de homens que destruíram seu antigo reino. Receita de bolo pronta para garantir boas cenas e ação, apresentar novos personagens e, claro, inserir um pouco de romance na, até agora, infantil transposição dos livros para o cinema.

Os irmãos Pevensie ainda não se decidiram se aceitam o fato de precisar viver eternamente em Londres, desta vez, sem bombardeios nazistas, ou se continuam a sonhar com um eventual retorno a Nárnia, onde podem voltar a ser reis e rainhas. Peter é o que mais sofre uma vez que não desceu do seu pedestal de Rei Supremo de Nárnia e, por isso, encontra dificuldades a se comportar como um mero adolescente. Apenas a pequena Lucy não sente muitos problemas, pois ela "sabe" que voltarão ao reino de Aslan.

O roteiro de Andrew Adamson e Christopher Markus foi inteligente ao mostrar a Inglaterra como um lugar tedioso, pois não há nada de marasmo em Nárnia. O nascimento do herdeiro do lorde protetor do reino Telmarino decreta a morte de Caspian, herdeiro legítimo ao trono. Ele escapa, mas demora até que o público possa se enamorar pelo personagem. Foi seu povo que invadiu Nárnia, destruiu o castelo de Caer Paravel e matou a maioria dos narnianos, por considerar que eram criaturas demoníacas.

Seguindo a tradição de Lewis, tudo é muito bem definido na história. Todos os elementos estão lá, a dualidade entre Bem e Mal, o duro amadurecimento provocado pela traição e perda e, claro, a importância da fé. Os Telmarinos são soturnos, usam máscaras que transformam todo o exército numa única entidade, sem emoções e imbatível. O povo de Nárnia preza por sua diversidade visual, com centauros, faunos, anões e duas novidades: árvores lutando e uma raça de ratinhos espadachins.

Esses ratos, aliás, garantem as melhores cenas de humor do filme. Reepicheep é o líder do grupo e seu sarcasmo se iguala a sua habilidade com a lâmina. Ele é figura constante no livro, mas acabou perdendo um pouco de espaço no filme, porém, compensa pelas boas risadas e por ser um dos melhores guerreiros nas batalhas. Curiosamente, o personagem foi vivido por Warwick Davies (Willow, Guerra nas Estrelas) em uma versão feita pela BBC para a TV e que foi lançada no Brasil pela Focus. O veterano retorna ao tema, porém, no papel de Nikabrik, o anão que trai os narnianos. O anão que rouba a cena, no entanto, é Trumpkin, vivido por Peter Dinklage, o novo guia dos Pevensie nessas terras violentas. Bom nas cenas de luta e perfeito nas piadas, ele garante ótimos momentos dramáticos.

A grande batalha campal vista no final de O Leão, a Feitceira e o Guarda-Roupa foi apenas um ensaio para as novas pelejas em Príncipe Caspian. Um duelo memorável entre Peter e o Miraz, o rei Telmarino, concentra boa parte da ação, contudo os planos não funcionam corretamente e toda a força dos inimigos é jogada contra os bravos narnianos, garantindo assim a grandiosidade da produção e cenas de tirar o fôlego.

Entretanto estamos falando de C.S. Lewis e nada se resolve sem fé. É aí que a pequena Lucy entra em cena, pois ela é a única que crê no ressurgimento do poderoso Aslan. Novamente com a voz de Liam Neeson, o leão surge em auxílio a seu povo, depois de séculos no esquecimento, e graças à pureza de Lucy.

E seu surgimento não salva apenas aos narnianos, mas também garante um final inesquecível para o público, que embarcou num filme muito melhor do que seu antecessor, torce pelos personagens principais, fica triste quando tem que ficar e, claro, sai do cinema satisfeito e com a certeza de que assistiu a um bom filme.

  • Confira a matéria especial sobre a experiência de assistir ao filme em um cinema exclusivo da Disney, em Los Angeles!


    Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

    O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

    Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

    Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.

  • Atualizado em 6 Set 2011.

    Compartilhe

    Comentários

    Outras notícias recomendadas

    Apresentador erra e dá Oscar para o filme errado; confira os vencedores

    “Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

    17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

    De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

    Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

    Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

    Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

    Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

    13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

    Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

    Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil