Guia da Semana

“O Congresso Futurista” mistura animação e atores em crítica a Hollywood

Novo filme do diretor de “Valsa com Bashir” questiona limites entre realidade e ficção

Em 2008, Ari Folman transportou suas experiências de vida e de guerra para a animação “Valsa com Bashir” e ganhou seu lugar de respeito entre os diretores mais originais que já tocaram as telas do Ocidente. Agora, chega aos cinemas seu novo trabalho: uma viagem alucinógena pelo futuro do entretenimento batizada de “O Congresso Futurista”.

O filme é inspirado no livro “O Congresso Futurológico” (1971), de Stanislaw Lem, mas traz uma interpretação mais fincada em dilemas do cinema, abordando a indústria das celebridades e os avanços do CGI, apontando para uma distopia onde a consciência e os sentidos são artificiais.

A protagonista é Robin Wright – ela mesma, a atriz de “A Princesa Prometida”, “Forrest Gump” e “Os Homens que Não Amavam as Mulheres”. Aos 44 anos, Robin (que na verdade gravou o filme com 47) vive um momento de decadência na carreira e enfrenta a ira de seu agente (Harvey Keitel) e do dono do estúdio (Danny Huston).

Eles criticam suas “péssimas escolhas” e lhe propõem um último e desesperado contrato: a atriz será escaneada, substituída por uma versão digital de si mesma, eternamente jovem, que fará todos os filmes e entrevistas em seu lugar pelos próximos 20 anos. A ideia é só a primeira de uma série de atitudes abusivas do estúdio sobre seus atores, num filme que não hesita em apontar o dedo a Hollywood.

Robin aceita o acordo porque precisa cuidar de seu filho doente - Aaron tem a síndrome de Usher, que o deixa progressivamente cego e surdo e, consequentemente, fechado em seu próprio universo. Sua doença, ironicamente, se mostrará pouco diferente daquela vendida pelo cinema ou pela televisão em suas fantasias escapistas.

O título do filme se refere a um congresso que acontece 20 anos depois, do qual Robin é uma convidada ilustre agora que seu “avatar” é a estrela dos filmes mais bem-sucedidos do estúdio. Nesse ponto, o contraste entre o rosto envelhecido da atriz e a aparência jovial da personagem já a distanciaram permanentemente do público, que não mais a reconhece.

O congresso acontece num ambiente “restrito à animação”, onde cada visitante ganha uma ampola alucinógena para alterar sua percepção de mundo (e consequentemente a nossa). Folman bebe de “The Wall” (filme de Alan Parker), inspira-se na Walt Disney clássica e nos animes japoneses. Tenta tocar o subconsciente como um quadro surrealista e acaba prendendo sua protagonista ali, num pesadelo midiático sem fim. Seu despertar oferece uma reflexão preciosa sobre os limites do entretenimento.

É interessante, contudo, pensar que essa confusão entre realidade e ficção já existia muito antes das ampolas. Admirar um personagem no lugar de um ser humano, querer “ser” o ídolo e abdicar da própria identidade, trocar a arte pelo lucro, a vida pela ficção – essas coisas não soam tão futuristas quanto faz parecer o filme. Mas é essa atualidade, afinal, que faz uma boa ficção científica, não é mesmo?

Assista se você:

- Gosta de ficção científica

- Gosta de animações adultas

- Quer ver um ponto de vista diferente sobre a indústria cultural

Não assista se você:

- Não quer ver um filme difícil

- Procura uma animação leve e divertida

- Não gostou de “Valsa com Bashir”

Atualizado em 28 Mar 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017

Cahiers du Cinéma elege os melhores filmes de 2016

O brasileiro "Aquarius" aparece em quarto lugar na lista