Guia da Semana

“O Doador de Memórias” propõe futuro utópico em preto-e-branco

Adaptação de livro dos anos 90 chega aos cinemas no dia 11 de setembro

A ficção científica adolescente está em alta, ainda bem. Questionar a realidade, afinal, nunca é demais. “Jogos Vorazes” lançou a moda nos cinemas em 2012, seguido por “Ender’s Game” e “Divergente”, e um novo título chega às telas neste mês para  aquecer essa onda futurista.

O Doador de Memórias, dirigido por Phillip Noyce, não é mais uma adaptação de um romance verde, escrito às pressas por uma autora estreante para aproveitar o momento. Lois Lowry, a criadora, escreve livros infantis desde o final dos anos 70 e seu “Doador de Memórias”, de 1993, é o primeiro de uma quadrilogia que ficou popular tanto entre jovens adultos quanto entre professores que buscavam um desafio para pequenos leitores.

Isso não significa que seja uma história infantil, é claro: significa que as questões colocadas nos livros são universais e dizem respeito à formação do jovem, que passa por aquela fase crítica de escolhas e julgamentos para encontrar seu lugar no mundo (como em “Apanhador no Campo de Centeio”, “Harry Potter” e mesmo “Divergente”, que tem raízes óbvias na obra de Lowry).

Por ser uma ficção científica, “O Doador de Memórias” também aborda a formação (e a deformação) da sociedade por meio da ciência. No caso, estamos numa comunidade fechada e totalmente vigiada, onde todas as emoções foram banidas por meio de injeções diárias e as profissões dos jovens são determinadas pelos anciões, evitando ambições e disputas.

A criação de Lowry lembra um pouco o “Admirável Mundo Novo” de Aldous Huxley, mas os detalhes fazem dessa comunidade um espaço único e curioso, com regras próprias. Nesse lugar, não há cores para não haver diferenças. É proibido mentir e a linguagem deve ser sempre precisa – o que parece uma regra estranha, mas é um indício da forma linear como pensam aquelas pessoas. Os bebês são pesados e avaliados antes de serem aceitos na sociedade, e os mais velhos (exceto no caso dos que governam) são automaticamente excluídos.

O controle obsessivo vem de um passado traumático, de guerras que chegaram ao limite. Apagar toda a memória histórica e recriar a realidade foi a solução encontrada para evitar novos confrontos, mas há uma falha no sistema. Sem o conhecimento do passado, os anciões não podem tomar decisões para o futuro, por isso, de tempos em tempos uma pessoa é escolhida para receber as memórias da humanidade.

Jonas (Brenton Thwaites) é o novo receptor, e deverá aprender com o Doador (Jeff Bridges) tudo o que é necessário para guiar a civilização. Aprender não apenas pelos livros, mas por experiências e memórias reais transmitidas pelo toque – esse é um detalhe bastante mágico no universo até então científico de Lowry, mas faz sentido enquanto Jonas e o Doador são pessoas especiais, nascidas diferentes das outras. O problema é quando elementos fantásticos como esse se estendem a outras pessoas, tornando aquele universo um pouco menos provável e as soluções, mais fáceis.

Thwaites pode não ter a presença de uma Jennifer Lawrence, mas segura bem o papel de jovem em transformação. Suas reações são genuínas, seu terror e seu encantamento diante de todo aquele conhecimento acumulado são paupáveis. Seu sorriso é fresco e simpático. Bridges, por outro lado, parece limitado pelo papel, querendo desesperadamente se expressar e tomar atitudes, mas sendo obrigado a esperar. Mesmo assim, é um dos pontos fortes do longa.

Jonas é cercado por dois amigos de infância: Fiona (Odeya Rush), uma enfermeira, e Asher (Cameron Monaghan), um piloto. Rush não surpreende, ainda, mas certamente a veremos com frequência nos próximos anos, com seus olhos belos e expressivos. Monaghan acerta o tom, mesmo discreto, e gera alguma curiosidade sobre seu futuro e sobre como ele agiria se tivesse acesso às emoções.

Katie Holmes interpreta a mãe de Jonas, num papel um tanto tedioso, mas quem rouba a cena é Alexander Skarsgård, que vive o pai. A bondade em seu olhar é contrastada com a imprevisibilidade de suas ações, criando um personagem apenas levemente rebelde, que parece questionar o estado das coisas inconscientemente.

Meryl Streep é a inflexível chefe anciã, que centraliza decisões sobre a vida e a morte, num papel excessivamente caricato. Já Taylor Swift impulsiona a publicidade do filme, mas sua participação é bastante curta.

“O Doador de Memórias”, que chega aos cinemas no dia 11 de setembro, é uma adaptação inteligente de Noyce. Ao invés de tentar imitar minuciosamente o livro, o diretor prefere criar uma jornada de transformação tipicamente adolescente apoiada numa perturbadora ideia central: a de que poderia haver um futuro sem cores e sem música, em nome da igualdade.

Assista se você:

  • Gosta de ficção científica com foco em política
  • Gosta de romances de formação
  • Gosta de distopias e utopias

Não assista se você:

  • Não gosta de filmes voltados para adolescentes
  • Não gosta de ficções futuristas
  • Não gosta de adaptações de livros

Atualizado em 13 Set 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Infância de Pharrell Williams será retratada em musical de Hollywood

"Atlantis" terá produção da FOX e direção de Michael Mayer

12 Filmes, séries e mangás de ficção científica para conhecer depois de “A Vigilante do Amanhã”

Obras como “Matrix” e “Paprika” dialogam diretamente com os temas do filme com Scarlett Johansson

Novo trailer de "Homem-Aranha: De Volta ao Lar" mostra cena estrelada pelos Vingadores

Nova fase do herói nas telonas estreia no dia 6 de julho

Warner divulga primeiras fotos do novo "Tomb Raider" - confira!

Filme estreia em março de 2018

10 Suspenses psicológicos para quem gostou de “Fragmentado”

Conheça outros filmes surpreendentes sobre transtornos mentais e identidades múltiplas

“Logan” e “A Bela e A Fera” são os filmes mais vistos nos cinemas em 2017; confira os números

Veja o balanço completo das bilheterias mundiais em 2017