Guia da Semana

"O Hobbit - A Desolação de Smaug" é aventura mais comercial da série até agora

Segundo filme da trilogia se afasta da obra original, mas garante diversão para fãs e leigos

Nem parece, mas já se passou um ano desde que “O Hobbit – Uma Jornada Inesperada” chegou aos cinemas, revelando uma tecnologia revolucionária (os 48 qps, com os quais toda a trilogia foi feita) e reaquecendo os corações dos fãs desamparados da trilogia “O Senhor dos Anéis”. Agora, “A Desolação de Smaug” estreia sem o alarde tecnológico, mas com a promessa de materializar na tela um dos personagens mais icônicos da série literária: o dragão Smaug.

+ Confira os horários para assistir ao filme
+ Saiba quais são as melhores salas para assistir ao filme
+ Assista ao trailer de "O Hobbit - A Desolação de Smaug"
+ Veja as estreias da semana nos cinemas 

Benedict Cumberbatch – o Khan de “Star Trek – Além da Escuridão” ou o Sherlock da TV – foi encarregado de dar voz à criatura mitológica e a um segundo vilão, o Necromancer. Entre tantos efeitos sonoros, é preciso se esforçar um pouco para reconhecer o timbre naturalmente grave e imponente do ator, mas o que realmente impressiona (e agrada) é a forma lenta e inabalável com que ele conduz seu diálogos. É com palavras, aliás, que ele e Bilbo (Martin Freeman, novamente genial) se confrontarão no ponto mais alto do filme.

A história parte de onde terminou o primeiro episódio: Bilbo, Gandalf e os 12 anões estão se refugiando de Orcs e lobos no início de sua jornada rumo à Montanha de Erebor, onde o dragão guarda o tesouro do antigo reino dos anões. O objetivo do grupo é roubar de Smaug uma joia específica que devolverá a Thórin o direito de reinar ali.

Na jornada, os fãs encontrarão algumas figuras conhecidas do livro ou dos outros filmes, como o transmorfo Beorn (uma espécie de lobisomen), o mago marrom Radagast, o humano Bard e até o bom e velho elfo Legolas – figura que não aparece no livro original, mas apenas na trilogia “O Senhor dos Anéis”.

Outros personagens são fruto da imaginação da equipe de roteiro e podem incomodar aos mais puristas: a criação mais gritante é a da elfa Tauriel (Evangeline Lilly). Inspirada, possivelmente, na história de Lúthien (elfa que se apaixona por um humano em Silmarillion), ela tem a função de equilibrar a narrativa com uma sub-trama levemente romântica e levemente heroica, além de ser uma “escada” para a aparição de Legolas.

A sensação, contudo, é de que faltou mergulhar mais fundo no contexto desses dois elfos para justificar suas ações e tornar sua passagem realmente necessária na história.  

O que falta a Tauriel, no fundo, falta a todo o filme: densidade psicológica. Enquanto a saga “O Senhor dos Anéis” exalava a dilemas morais e conflitos internos, a hiper-extendida adaptação em três filmes para o livro “O Hobbit” tenta se apoiar apenas na aventura. Sobram espadas, flechas, orcs e aranhas gigantes; faltam silêncios, ambiguidades e diálogos como o de Bilbo com o dragão.

Como era de se esperar, “O Hobbit – A Desolação de Smaug” não decepciona nos gráficos. As paisagens da Nova Zelândia continuam estonteantes, assim como os detalhes de cenário e figurino, que mergulham o espectador naquele universo que já conhecemos tão bem. Sem a exibição em 48 fps (a filmagem foi feita com a tecnologia, mas a maioria das salas ainda oferece a exibição comum), a experiência se mantém mágica, sem o realismo exagerado do filme anterior. 

Os fãs da franquia formarão novamente suas filas quilométricas nos shoppings para conferir o novo longa, isso é certo. E não sem razão: entrar no universo de Tolkien-Jackson é sempre um prazer - há algo de transcendental na experiência. Mas não há como evitar uma ponta de decepção, mesmo para os seguidores mais fiéis: falta alguma coisa... Falta um pouco mais de Tolkien, um pouco menos de Peter Jackson.

Assista se você:

- É fã da franquia "O Senhor dos Anéis" e "O Hobbit"

- Procura uma aventura empolgante para assistir nas férias

- Quer levar os filhos ao cinema

Não assista se você:

- É um fã mais purista dos livros de Tolkien

- Não gosta de filmes muito longos (este tem 2h41) 

- Não se interessa por histórias de fantasia

Atualizado em 12 Fev 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

15 Filmes que dão uma aula sobre preconceito racial

Títulos como “Moonlight” e “Estrelas Além do Tempo” têm colocado o tema no centro das atenções

Marvel Studios divulga pôsteres incríveis de "Guardiões Galáxia Vol 2"

Filme estreia nos EUA em 27 de abril

10 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em abril

"Joaquim" e "Guardiões da Galáxia Vol. 2" estão entre os destaques do mês

Pennywise está assustador em nova foto de "It: Uma Obra-Prima do Medo"

Adaptação do livro de Stephen King estreia em setembro

Aquaman rouba a cena em novo teaser de "Liga da Justiça"; assista

Filme estreia no dia 16 de novembro

Ryan Gosling explica risada durante gafe no Oscar 2017

Apresentadores entregaram o prêmio ao filme errado