Guia da Semana

O Lobo Atrás da Porta: suspense com S maiúsculo

Filme de estreia de Fernando Coimbra traz Leandra Leal e Milhem Cortaz

Expectativa é o paradoxo do cinema. Todos os anos, somos bombardeados com notícias, boatos, fotos, trailers, entrevistas, até chegarmos à sessão esperando nada menos que uma experiência inesquecível. Na maioria das vezes, damos de cara com um sorriso amarelo: um “O.k., foi legal. O que vamos jantar agora?”. Mas há raras ocasiões em que o filme supera a expectativa – e te atropela, te assalta, te amarra à poltrona como se tivesse algo de essencial a dizer.

O Lobo Atrás da Porta venceu o Festival do Rio em 2013 e teve um tour bastante elogiado em festivais pelo mundo: levou prêmios em Havana e San Sebastián e integrou as seleções oficiais de Zurique e Toronto. Foi exibido na Mostra Internacional de São Paulo e logo entrou para aquele time de filmes com “grande expectativa”. E grande desconfiança também.

Um suspense nacional? Será?

Aparentemente, o suspense está na moda: Quando eu Era Vivo e Entre Nós já caminharam por essas trilhas neste ano, nenhum com tanta segurança quanto O Lobo Atrás da Porta.

Fernando Coimbra estreia na direção de longas e escolhe o elenco certo para começar: Leandra Leal, Milhem Cortaz e Fabiula Nascimento formam o trio principal: Rosa, Bernardo e Sylvia. Sylvia vai buscar a filha na creche, quando descobre que outra pessoa levou a menina. Na delegacia, ela, o marido e a amante dele são interrogados (por Juliano Cazarré, sarcástico na medida) e descobrimos, aos poucos, suas versões da história.

A parte de “quem levou a menina” é revelada rapidamente, deixando no ar os “porquês” e um cada vez mais aflitivo “para onde”. Sabemos que Bernardo considerava “rotineiro” que um homem traísse sua mulher. Sabemos que Rosa tinha apenas 25 anos, mas já sabia tomar algumas atitudes sinistras para garantir seus interesses. Sabemos pouco sobre Sylvia.

Atrás da porta

O lobo de Coimbra está dentro de casa, afagando seus cabelos. Está no Rio de Janeiro, numa estação de trem onde dois desconhecidos flertam perigosamente. Está na facilidade de se sequestrar uma criança ou na truculência de um interrogatório policial. As situações postas na mesa recheiam noticiários dia sim, dia não. (Não por acaso, o filme é inspirado num caso real.)

A trama se desenvolve numa vingança lenta, alimentada pela violência no outro. Haverá inocentes? A abordagem, surpreendentemente, evita o melodrama, a violência física ou o sexo explícito: a câmera é sutil, a sombra é protagonista, o sorriso contido e o olhar atento substituem discursos inúteis. Vamos e voltamos no tempo para acompanhar os passos daquele triângulo amoroso, ganhando informações preciosas a cada novo depoimento.

O formato não é o de quebra-cabeças, tradicional no gênero investigativo, mas é linear, apostando na tensão crescente que se sustenta até o fim. Saímos, enfim, atordoados, tocados por aquelas vidas tão cheias de si, mesquinhas e humanas demais. Saímos perturbados e satisfeitos. 

Assista se você:

- Quer ver um bom suspense
- Quer ver uma atuação excepcional de Leandra Leal
- Sempre achou que essas tragédias noticiadas na TV dariam bons filmes

Não assista se você: 

- Quer ver um filme leve
- Não gosta de dramas muito realistas
- Não quer ver um filme onde a criança seja a vítima

Atualizado em 6 Jun 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip

Cinema nacional tem crescimento expressivo em 2016

Filmes brasileiros atraíram 30,4 milhões de espectadores no último ano

"La La Land" ganha vídeo em versão 8-Bit e você precisa assistir!

Com 14 indicações, musical é a grande apostar do Oscar 2017

Filmes com mulheres protagonistas em Hollywood bate recorde em 2016

Estudo mostra que 29% dos filmes com maiores bilheterias foram estrelados por mulheres