Guia da Semana

“O Passado” mergulha em drama familiar cheio de segredos

Novo filme do diretor de “A Separação” repete dilemas éticos do anterior, mas não alcança o mesmo efeito

Em 2012, um iraniano surpreendeu ao vencer o Oscar de melhor filme estrangeiro e conquistar um relativo sucesso de bilheteria no Brasil. “A Separação”, de Asghar Farhadi, era um drama sobre dilemas éticos que não oferecia respostas e deixava o espectador atordoado, repensando suas próprias ações. Farhadi agora apresenta seu novo longa, “O Passado”, que chega aos cinemas no dia 24 de abril depois de passar pelo Festival Varilux. O filme, favorecido pela visibilidade do anterior, vem também mais carregado, como se amaldiçoado por sua sombra.

“O Passado” foi produzido na França e traz a charmosa Bérénice Bejo (de “O Artista”) no papel principal. Ela é Marie-Anne, mãe de duas meninas que mora com o namorado e seu filho de 5 anos. O ex-marido (que não é pai das crianças) vem de Teerã a Paris para assinar o divórcio.

O passado do título vai se revelando aos poucos, e logo percebemos que não é um só – mas o de cada personagem, numa rede que se entrelaça e se choca. A tensão emocional é traduzida em chuva: Marie e Ahmad (o ex, interpretado por Ali Mosaffa) estão frequentemente ensopados, e parecem não se importar. A tempestade é inevitável, como são as consequências de antigos atos.

Como a água, também os sons do ambiente têm significado especial: misturam-se à trilha musical criando pontos de tensão entre uma cena e outra (algo que lembra o brasileiro “O Som ao Redor”). O medo e a mágoa são crescentes, mas também constantes, como se a vida nunca estivesse totalmente livre de preocupações (nesse ponto, “O Passado” se aproxima muito de “A Separação”).

Bérénice entrega uma interpretação radicalmente oposta àquela que a consagrou em 2011. Aqui, ela é egoísta, do tipo que foge dos problemas. Chega a ser bruta com os filhos e o enteado.  Já Mosaffa é seu equilíbrio: sereno, racional, generoso o suficiente para dedicar um filme todo a resolver os problemas de outros.

Quem também se faz perceber é o pequenino Elyes Aguis, que vive Fouad (filho do namorado de Marie). Birrento como a mais endiabrada das crianças, ele protagoniza algumas das cenas mais sinceras do drama, mas também se controla e trava um diálogo pesado com o pai numa estação de metrô.

“O Passado” é um filme forte, cheio de sentidos muito pessoais, mas prejudicado pela expectativa. As imagens são limpas, dispostas em quadros perfeitos como na emocionante cena final. A trama, contudo, nos prende apenas enquanto assistimos àquelas vidas, atormentadas por problemas menos universais do que no filme de 2012. Depois, a experiência se esvai como a chuva que molhava Marie e Ahmad.

 

Assista se você:

- Gostou de A Separação
- Gosta de filmes europeus, mais centrados em dramas familiares
- Quer ver um filme mais “cabeça”

Não assista se você:

- Não gostou de A Separação
- Não gosta de filmes muito sérios
- Procura um filme leve ou romântico

 

Atualizado em 9 Mai 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

J.K. Rowling desmente boato sobre filme de "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada"

"Não há verdade nos rumores sobre a trilogia", disse a escritora no Twitter

Após vídeo de supostos maus-tratos, pré-estreia de "Quatro Vidas de Um Cachorro" é cancelada

Universal Pictures divulgou comunicado oficial informando o cancelamento

Animação francesa “A Bailarina” é opção para as férias

Filme mostra uma menina que sonha em ser bailarina, mas, para isso, terá que aprender lições importantes de vida

Rede Cinesystem inaugura seu primeiro cinema em São Paulo

Com nove salas e projeção a laser, cinema promete ser o mais moderno da cidade

Rita Repulsa, Zordon e Alpha 5 estão no novo trailer dos "Power Rangers"; assista

Remake da série dos anos 90 estreia em março

“xXx: Reativado” – terceiro filme da franquia estrelada por Vin Diesel estreia nesta quinta

Longa traz Nina Dobrev no elenco e tem participação de Neymar Jr.