Guia da Semana

O polonês "Ida" questiona o papel da mulher e é forte concorrente ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro

O diretor Pawel Pawlikowski tece uma bela trama sobre auto-conhecimento e redenção

Aos poucos, os candidatos ao posto de Melhor Filme Estrangeiro do Oscar 2015 estão chegando ao Brasil. "Ida", o escolhido da Polônia, é o primeiro deles. Não é à toda que o filme é dos maiores cotados a receber a estatueta. Nomeado ao mesmo prêmio no Globo de Ouro, "Ida" vem chamando atenção e a passagem por grandes festivais internacionais é a maior prova. Além disso, é certo que o longa de Pawel Pawlikowski é um dos melhores que vimos ao longo do ano.

A jovem noviça Anna está pronta para prestar seus votos e se tornar freira, só que antes disso, vai visitar a única familiar restante: sua tia Wanda, uma mulher cínica e mundana, defensora do Partido Comunista, que revela segredos sobre o seu passado. Anna descobre que o seu verdadeiro nome é Ida, além de pertencer a uma família judia, capturada e morta pelos nazistas. Após a revelação, as duas resolvem partir em uma jornada de autoconhecimento, para descobrir o real desfecho da história da família e onde cada uma delas pertence na sociedade polonesa.

Filmado em p&b, "Ida" encaixa-se ao chamado cinema de arte, aquele que experimenta, além do conteúdo, formas que fogem do padrão. A edição cuidadosa e o ritmo lento lembram as produções do cineasta sueco Ingmar Bergman, um dos mais importantes da história do cinema. A beleza de "Ida" não está só na sua história, mas na construção do paradoxo da protagonista, que é conduzida à uma viagem dentro de si, confrontando diretamente as suas crenças.

O filme é dividido por etapas do auto-conhecimento da personagem. A primeira delas é o fato de ser judia, um forte embate em relação a sua posição católica. Aos poucos, Ida coloca em xeque tudo o que acreditava ser até então. Em uma das cenas mais belas do filme, a noviça retira seu capuz, soltando os cabelos, mostrando que antes de ser uma freira, ela é, afinal, uma mulher. Os confrontos continuam: com a tia e sua personalidade que representa exatamente o oposto de Ida e, depois, os desejos sexuais reprimidos, ao se apaixonar por um saxofonista. O quão diferente ela é tia? O quanto ela está disposta a abandonar para ser quem realmente é? 

Mais do que o processo de auto-conhecimento, inerente à qualquer pessoa, "Ida" toca na ferida do papel da mulher e todas as renúncias que ela fazer para se enquadrar no socialmente aceito. A beleza da fotografia é uma conversa direta com a delicadeza do roteiro, uma tarefa que poucos cineastas conseguem exercer. Em meio a tantas ótimas indicações, "Ida", talvez seja a grande pérola do cinema internacional. 

Atualizado em 3 Fev 2015.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Diretor de "Os Vingadores" comandará filme solo da Batgirl

Ainda não há previsão de estreia

Pixar divulga curta para apresentar personagem (fofo!) de sua nova animação

O cachorrinho Dante estará em "Viva - A Vida é uma Festa"

“It”: terror baseado em obra de Stephen King ganha trailer sinistro

Filme com ator de Stranger Things estreia em setembro nos cinemas

“A Vigilante do Amanhã – Ghost in the Shell”: tudo o que você precisa saber sobre o filme

Longa com Scarlett Johansson é um espetáculo visual e um remake fiel – mas as discussões filosóficas já não impressionam mais

Novo trailer de “Valerian e A Cidade dos Mil Planetas” mostra a exuberância de seu universo fantástico

Filme de Luc Besson chega aos cinemas no dia 10 de agosto

Infância de Pharrell Williams será retratada em musical de Hollywood

"Atlantis" terá produção da FOX e direção de Michael Mayer