Guia da Semana

Por Tutatis, Asterix fez de novo!

Asterix nos Jogos Olímpicos estréia com o mesmo bom-humor dos filmes anteriores e é feito sob medida para fãs do personagem

De Los Angeles


Todo o estilo que cativou os fãs das histórias em quadrinhos estreladas por Asterix e Obelix continua presente no terceiro longa-metragem da dupla: Asterix nos Jogos Olímpicos. Desta vez, os gauleses seguem para a Grécia e misturam comédia, romance e, claro, muita ação, afinal de contas, onde há romanos e Obelix, há safanões à vontade! Para completar, uma série de participações especiais conta Alan Delon, Zidane e, até mesmo, Michael Schumacher.

Porém é justamente no elenco que o filme encontra seu maior desafio. O competente Christian Clavier deixou o papel de Asterix e quem assumiu a responsabilidade foi Clovis Cornillac, recentemente visto no Top Gun francês Cavaleiros do Ar. A naturalidade com que Clavier construiu o personagem (traço marcante em seus melhores trabalhos como Napoleão e Os Miseráveis) se perde no esforço de Cornillac em parecer engraçado. Não prejudica o filme, mas quebra um pouco o encanto dos anteriores. Seria o mesmo que trocar o obeso e hilário Gerard Depardieu.

Apaixonix se apaixona pela apaixonante e apaixonada princesa da Grécia e vai até lá pedir a mão da beldade em casamento, mas descobre que Brutus - a criatura mais desprezível, patética e incompetente do Império Romano - também deseja se casar com a princesa, claro, usando seu tempo extra, já que seu principal objetivo é tentar matar o pai, Julius Cesar. Para o papel do ícone romano nada melhor que um ícone do cinema. Alan Delon cativa e consegue inserir ótimas doses de comédia em seu imperador narcisista - Ave, Eu! - e desconfiado.

Para realizar o sonho de Apaixonix, os gauleses precisam vencer os Jogos Olímpicos, afinal a princesa se casará com o vencedor. Apaixonix não tem o espírito guerreiro de Asterix e Obelix, mas precisa lutar por seu amor. Do outro lado, porém, estão os esquemas, falcatruas e subornos de Brutus. É uma trapalhada atrás da outra, enquanto os jogos vão acontecendo. Tudo, claro, reflete o atual momento do esporte, com direito a exame antidoping capaz de detectar os efeitos da poção mágica dos gauleses.

A história de amor vai se desenvolvendo nos bastidores e sobra até mesmo para Ideiafix, que se apaixona pela cadelinha real. No meio de tudo isso, a inocência de Obelix vai sendo testada enquanto ele tenta - em vão, na maioria das vezes - se mostrar um sujeito delicado e não agredir as pessoas, afinal, ser mais forte não significa que você possa dar safanões em qualquer um.

Assim como nos quadrinhos de Uderzo, Asterix e Obelix usam e abusam dos improvisos para resolver seus problemas - esportivos e sentimentais -, o que confere ao filme um bom ritmo e gargalhadas ininterruptas para seus fãs, sem, porém, resultar numa obra de nicho. Depardieu, novamente impecável como o viciado em javalis, consegue manter o clima mesmo sem mencionar nenhuma vez o "desejo de tomar a poção". Aliás, decisão acertada do roteiro, que preferiu não arriscar a cair na mesmice e ampliar os horizontes de seus personagens.

Para fechar com chave de ouro, uma corrida de bigas. Entre os países disputando a competição está a Germânia. Quando o "veículo" alemão é apresentado, começa o show. Um vermelho chamativo e linhas aerodinâmicas são apresentadas por uma pequena mão que vai deslizando por seu "bebê". É Jean Todd, líder da escuderia Ferrari! Precisa dizer quem é o piloto? Michael Schumacher, que dá um show de bola na pista e com direito a pit stop!

Asterix nos Jogos Olímpicos é uma bela e simpática resposta à preocupação de Hollywood - e dos fãs - com as adaptações de quadrinhos e sua fidelidade, a resposta de que o trabalho pode ser feito com qualidade e sem grandes melindres vem da Europa. Talvez o fato de Asterix e Obelix terem um tipo diferente de aficionado, aquele que não está nem aí para o formato da pena do capacete do Asterix - contanto que seja branca! - ou para o que Obelix diz ou deixa de dizer. O importante é se divertir, entrar no clima e ver os romanos voando depois das bofetadas. Por Tutatis!


Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.

Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentadores erram e dão Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil