Guia da Semana

Que Estranho Chamar-Se Federico mistura realidade e ficção em homenagem a Fellini

Retrospectiva do grande maestro do cinema italiano estreia nesta quinta

Cada vez mais, os documentários afastam-se de seu formato tradicional e apostam em novas narrativas para contar as suas histórias. É o caso de Que Estranho Chamar-se Federico: Scola Conta Fellini, que estreia nesta quinta, 5 de junho. Como o título sugere, trata-se de uma homenagem ao maestro do cinema italiano, contada pelo seu grande amigo e também cineasta, Ettore Scola. Aqui, os corriqueiros depoimentos são deixados de lado, dando espaço para a ficção confundir-se com a realidade. Ambientes, ocasiões e personagens são recriados e levam o espectador ao fantástico mundo do diretor -  desde seus primeiros passos como desenhista, os primeiros filmes, os tantos Oscars e, finalmente, a sua morte.

Essa fronteira entre sonho e realidade é o que conduz o filme, que não chega a ser uma biografia completa. Longe disso. Que Estranho chamar-se Federico é um inventário de memórias, fotos e filmagens que refazem momentos específicos da vida do diretor. Não há, por exemplo, dados de sua infância ou que aprofundem em vida pessoal. O longa inicia com um jovem Fellini, recém-chegado a Roma, batendo à porta do Marc’Aurelio, jornal onde começou sua carreira como cartunista e onde também conhecera Scola. A partir daí, como um imenso abismo de narrativas e possibilidades, reúnem-se histórias, nem sempre conectadas, da relação entre os dois. 

Que Estranho Chamar-se Federico

O dia a dia da redação, os cafés pelas ruas da capital e as conversas despretensiosas compõem a retrospectiva que não nos mostra um Fellini idealizado, e sim como o jovem cheio de ideias que um dia foi, até a nostalgia da velhice. A sinceridade da narrativa, aliás, não teme em colocar em cena a fama de mentiroso do diretor. O maior expoente do Neorrealismo Italiano é também apresentado como o maior “Pinóquio” do mesmo. É aí que o documentário de Scola aproxima-se com a maior característica de Fellini: sonho e realidade caminham juntos e não há problema algum em relação a isso. 

Que Estranho Chamar-se Federico

Que Estranho Chamar-se Federico estreou no Festival de Veneza do ano passado, como parte das homenagens ao 20º ano sem o diretor. As imagens do funeral de Fellini, em 1993, encerram o filme, mostrando o seu valor (não só) para a cultura italiana. O título de maestro não veio à toa; filmes como “A Doce Vida”, “8 e 1/2" e “Roma” fazem não só parte de um importante lugar na história do cinema mundial, como também na vida das pessoas que com eles foram tocadas  - verdadeiras fábulas da realidade de qualquer um.

Assista se você:

- Conhece ou aprecia o trabalho de Fellini
- Procura uma nova experiência em documentário
- Quer adentrar em momentos específicos da vida do diretor

Não assista se você:

- Tem pouca intimidade com os filmes de Fellini
- Prefere documentários tradicionais
- Espera uma grande biografia do diretor

Atualizado em 3 Jun 2014.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas