Guia da Semana

Sexy e poderosa

Angelina Jolie estrela o longa Salt, que tem um roteiro cheio de aventura e emoção



Espiãs sexy sempre fizeram parte do imaginário masculino e feminino com sua pose, poder, aventura e influência no mundo das investigações. No cinema, quando Angelina Jolie anunciou o lançamento de Salt, os fãs da atriz e do gênero aguardavam ansiosamente a versão feminina do papel que consagrou, de vez, o ator Matt Damon na trilogia Bourne (só para citar um espião mais recente do cinema).

Dirigido por Phillip Noyce e escrito por Kurt Wimmer, Salt não decepciona, pelo contrário. Traz uma Angelina Jolie sexy, segura e detonando no papel de Evelyn Salt, uma espiã com uma história para lá de curiosa. Como todo filme de ação, a luta entre bonzinhos e malvados ganha uma nova roupagem, misturando realidade e ficção. Nos bad boys da vez, estão os russos e os coreanos - como ameaças por causa das armas nucleares.

A questão de escrever sobre um filme como Salt é uma armadilha, afinal, com tantas reviravoltas e segredos revelados, o risco de spoilers persegue todos aqueles que se aventuram a analisar o filme. Mas tentarei com afinco.

Na Rússia, um homem criou um império para destruir os EUA em um plano conhecido como Dia X, em que pretende matar o presidente do país. Com internatos que treinavam crianças russas que aprendem inglês e se tornem "americanos legítimos", o russo infiltra seus compatriotas americanizados em diversos setores dos EUA. Isso inclui organizações como CIA, Pentágono e FBI. A história pode parecer descabida a princípio, mas o enredo funciona. Até certo ponto, claro.

Com um prólogo bem interessante, somos apresentados a Salt que, depois de ser capturada e fortemente agredida, é recuperada pelo seu amigo e colega de trabalho Ted Winter (Liev Schreiber, cada vez melhor). Casada com Mike (August Diehl), ela se sente ameaçada após a declaração de um capturado. E aí é que o filme começa.

Com cenas de ação que funcionam, Jolie dá uma de McGyver e consegue criar as mais descabidas armas e artimanhas. Nesse jogo de gato e rato, a CIA, representada por Ted e Peabody (Chiwetel Ejiofor), usa a tecnologia em função da segurança para ganhar ares que beiram a ficção científica, como detectores dos mais modernos e explosivos, e armas de última geração.

O filme que, teoricamente, ganharia créditos somente entre o público masculino, pode atrair as garotas, por mostrar uma mulher que mistura força, beleza e vulnerabilidade. Neste último quesito e na beleza, podemos acreditar. Porém, quando se trata das cenas de ação, risos podem escapar da boca de alguns espectadores. A cena da estrada, por exemplo, onde Salt pula de um caminhão para outro com a facilidade de dar inveja a Tarzan, é marcante.

Com uma mistura da trilogia Bourne e de O Fugitivo, o filme traz uma direção de arte eficiente, um clima de tensão que não perde ritmo e funciona como ótimo passatempo aos fãs do gênero. O interessante de Salt - claro, tirando os absurdos que o blockbuster oferece - é recriar a Guerra Fria da ameaça nuclear décadas depois, como se respondesse à pergunta: "E se a Guerra Fria se concretizasse com os ataques nucleares?". Mas como o assunto e as consequências são delicados demais, o longa fica entre os conflitos pessoais e patrióticos. Aliás, como filme norte-americano, já sabemos no que vai dar.

Leia  as colunas anteriores de Leonardo Freitas:

Confiança Hipócrita

Para todas as idades

De encher olhos e coração

Quem é o colunista: Um jornalista aficionado por cinema de A a Z.

O que faz: Dono do blog Dial M For Movies.

Pecado gastronômico: Lasanha.

Melhor lugar do Brasil: Qualquer lugar, desde que eu esteja com meus amigos.

Para Falar com ele: leonardo.g.freitas@gmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“It”: terror baseado em obra de Stephen King ganha trailer sinistro

Filme com ator de Stranger Things estreia em setembro nos cinemas

“A Vigilante do Amanhã – Ghost in the Shell”: tudo o que você precisa saber sobre o filme que estreia nesta quinta

Longa com Scarlett Johansson é um espetáculo visual e um remake fiel – mas as discussões filosóficas já não impressionam mais

Novo trailer de “Valerian e A Cidade dos Mil Planetas” mostra a exuberância de seu universo fantástico

Filme de Luc Besson chega aos cinemas no dia 10 de agosto

Infância de Pharrell Williams será retratada em musical de Hollywood

"Atlantis" terá produção da FOX e direção de Michael Mayer

12 Filmes, séries e mangás de ficção científica para conhecer depois de “A Vigilante do Amanhã”

Obras como “Matrix” e “Paprika” dialogam diretamente com os temas do filme com Scarlett Johansson

Novo trailer de "Homem-Aranha: De Volta ao Lar" mostra cena estrelada pelos Vingadores

Nova fase do herói nas telonas estreia no dia 6 de julho