Guia da Semana

“Sin City - A Dama Fatal” tem visual impecável e tramas previsíveis

Sequência do filme de 2005 repete o look graphic novel, mas traz conflitos menos envolventes

Já faz nove anos que “Sin City” se impôs pela primeira vez nos cinemas como uma obra de arte. A mistura de graphic novel com filme em live action inspiraria outros tantos trabalhos, como “300” e “Spirit”, mas apenas a cidade do pecado tinha raízes estilísticas tão fincadas nos quadrinhos originais. Quase uma década depois, a chegada da primeira sequência levanta altas espectativas, mas prova o que muita gente já sabia: nem só de estilo é feito o cinema.

Sin City: A Dama Fatal” dá sequência aos eventos do longa anterior, com didatismo suficiente para entreter quem não o viu ou não se lembra das primeiras histórias. O prólogo é promissor, mostrando em passo lento e narração em off os pensamentos confusos de Marv (Mickey Rourke), em primeira pessoa como seria na HQ. Seu arco é violento e anuncia o banho de sangue que está por vir, mas, até então, o ritmo está certo e o clima noir prevalece.

A segunda sub-trama acompanha o ganancioso Johnny (Joseph Gordon-Levitt) numa jornada rumo à mesa de pôquer mais perigosa da cidade, a do senador Roark (Powers Boothe). Levitt é uma aquisição interessante ao elenco, incorporando o perfeito anti-herói: ao mesmo tempo irritante com seu complexo de dono-do-mundo e intrigante por sua determinação sem limites.

No terceiro ato, conhecemos finalmente a Dama Fatal. Ava Lord, interpretada por Eva Green, tem olhos intensamente verdes, boca vermelha e um casaco-vestido azul brilhante. Mas não se engane: são os seios que realmente simbolizam seu poder. Eles desfilam fartos com liberdade irrestrita, como se ela tivesse sido contratada exclusivamente para mostrá-los (o que não é de todo improvável, dado seu histórico com nus frontais).

Dwight (Josh Brolin, que entrou no lugar de Clive Owen) sabe que não pode confiar nessa mulher, assim como o público, que a conhece de outros papéis. Ele, contudo, não consegue dizer não. É seu escravo.

O desenvolvimento de Ava leva o filme para um caminho menos sombrio e mais trash; menos Frank Miller e mais Robert Rodriguez (ambos  diretores deste longa). Cenas de sexo são ridicularizadas, a violência atinge níveis grotescos, os diálogos descambam para a caricatura (será preciso dizer com todas as palavras que ela é manipuladora?).

A história da Dama soa tão artificial que uma sub-trama inteira é inserida sem qualquer consequência para os outros personagens, só para comprovar seu caráter. O desfecho, por sua vez, não traz nenhuma surpresa e soa novelesco.

A última protagonista é a única que de fato mostra uma evolução ao longo do filme: Nancy Callahan (Jessica Alba). Conhecemos a loirinha no primeiro longa e vimos seu crescimento, de criança indefesa a dançarina sensual. Conhecemos também seu protetor John Hartigan (Bruce Willis) e seu destino. Agora, Nancy nutre um rancor profundo pelo passado e um ódio pelo senador Roark, mas não tem coragem para matá-lo.

Apesar do roteiro pouco convincente e dos escorregões rodrigueanos, “Sin City – A Dama Fatal” repete o impacto visual do filme de 2005. O branco-e-preto chapado funciona ainda melhor em 3D e Miller consegue dosar bem as cenas mais gráficas, quebrando o realismo de tempos em tempos com silhuetas negativas, sombras e brilhos intensos.

Para quem procura alguns minutos de diversão com um toque diferente, o filme é a aposta certa. Se a espectativa é sentir a mesma tensão do primeiro longa, porém, esqueça. Faça uma visita à banca e procure pela HQ original.

Assista se você:

  • Gosta de filmes visualmente impactantes
  • Quer saber o que aconteceu com os personagens de Sin City (2005)
  • É fã de Eva Green

Não assista se você:

  • Espera um filme noir, com tramas complexas como no filme anterior
  • Não gosta de filmes violentos
  • Não gosta de HQs

Atualizado em 27 Set 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

10 Filmes da seleção de Cannes que você vai querer ver em 2017

Biografia de Godard e novos filmes de Michael Haneke e Roman Polanski são destaques no festival

Filmes exibidos em Cannes têm desconto no streaming no mês de maio

Now e ITunes fazem promoção cinéfila para acompanhar o festival

26 remakes ou reboots que você nem acredita que estão nos planos de Hollywood

"Os Pássaros", "A Mosca" e "Eu Sei O Que Vocês Fizeram No Verão Passado" estão entre os filmes que podem ganhar novas versões nos cinemas

“Corra!” – terror sobre preconceito racial é uma das melhores coisas que você verá nos cinemas neste ano

Filme de Jordan Peele estreia no dia 18 de maio nos cinemas

7 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em maio

"Corra!" e "Alien: Covenant" chegam aos cinemas neste mês

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril