Guia da Semana

“Sob a Pele”: Scarlett Johansson protagoniza terror experimental

Filme de Jonathan Glazer explora nudez, realismo e trilha sonora penetrante

Dizem que trabalhar em filmes de super-heróis pode ser uma maldição, mas há quem saiba usar a situação a seu favor. Scarlett Johansson, a atual Viúva Negra da Marvel, vem aproveitando a fama (conquistada desde Moça com Brinco de Pérola, é verdade, mas potencializada nos últimos anos pelas franquias Vingadores e Capitão América) para alavancar produções autorais, que dificilmente chegariam aos olhos do grande público.

Em Sob a Pele, thriller de Jonathan Glazer, Scarlett tira a roupa, abre mão da voz rouca e sensual (sua personagem quase não fala) e limita-se a observar as reações à sua beleza. Ela é uma alienígena, sem nome, e sua missão é sequestrar homens humanos para que sua carne (e tudo o mais que existe sob a pele) seja sugada, para fins que não chegamos a conhecer pelo filme.

A personagem começa como um predador calculista, mas descobre aos poucos o sentimento de compaixão – disparado pelo choro de uma criança. Disposta a entender esse estranho universo humano, ela se aventura e se arrisca. Ingênua.

A história vem do livro de mesmo nome de Michel Faber, mas há mais distâncias do que aproximações entre as duas versões. No original, os humanos são entregues aos alienígenas e engordados até chegarem ao “ponto”, para que sua carne seja consumida. Sentiu uma pontada de João e Maria? É pior: a crítica de Faber ataca diretamente a indústria alimentícia, enfocando a crueldade com os animais e os jogos políticos. Tudo isso, é claro, no “outro planeta”, afinal, basta mudar o ponto de vista para a questão se tornar muito mais chocante.

O filme de Glazer deixa de lado a política e o ativismo para se concentrar num terror minimalista e nos conflitos psicológicos da protagonista – que não os pronuncia, apenas exibe no olhar curioso. O diretor experimenta com a linguagem: mexe com fundos brancos e pretos, avermelha a luz, faz boiarem os corpos das vítimas e suas peles flácidas, cega o espectador com neblina espessa. Tudo é gelado. Estamos na Escócia.

Parte do longa foi filmado como um documentário, às câmeras escondidas. A atriz dirigia um furgão, sob os olhos de oito pequenas lentes, levando a equipe de filmagem na parte de trás. Andava, parava, abria o vidro e puxava conversa com um homem qualquer. A espontaneidade era registrada.

A trilha sonora, metálica e pulsante, cortada por um eventual violino arranhado, é a culpada pela tensão e pela sensação constante de estranhamento. É desconfortável, alienígena, sedutora como Scarlett.

A sequência inicial é desconcertantemente experimental: vemos círculos, que lembram planetas, que lembram globos oculares, que lembram máquinas. Mais de uma vez, encaramos linhas horizontais vermelho-sangue. Mas não é preciso explicar nada: Sob a Pele questiona mais do que responde, provocando o espectador a construir parte da história. Quem é ela? Para quem trabalha? Como chegou ali? Assista de novo. Experimente um pouco mais.

Assista se você:

  • Procura um filme com uma linguagem diferente
  • Quer ver um filme arrepiante, mas que também faz pensar
  • Gosta de ficção científica com uma pegada realista

Não assista se você:

  • Não gosta de filmes europeus, mais lentos que os americanos
  • Procura um filme de terror com muito sangue e sustos
  •  Espera ver um filme fiel ao livro

Atualizado em 16 Mai 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

“Paixão Obsessiva”: suspense trash com Katherine Heigl estreia nesta quinta

Heigl interpreta uma ex-mulher determinada a eliminar a atual

“Paterson” - Adam Driver é um poeta do cotidiano em novo filme de Jim Jarmusch

Filme conta a história de um motorista de ônibus que escreve poemas nas horas vagas

Cinemark exibe “...E O Vento Levou” na próxima terça-feira

“2001: Uma Odisseia no Espaço” e “O Mágico de Oz” serão os próximos clássicos na programação

Serviço permite ir ao cinema todos os dias por mensalidade fixa

Assinaturas do Primepass variam de R$ 39,90 a R$ 139,90