Guia da Semana

Talento para exportação

Com o lançamento de Cinturão Vermelho, os internacionais Alice Braga e Rodrigo Santoro falam sobre suas carreiras fora do Brasil

Foto: Bruno Uehara
Rodrigo Santoro e Alice Braga durante a coletiva de imprensa do filme Cinturão Vermelho.

"A Alice Braga é o maior sucesso [lá fora], no sentido de uma atriz respeitada, no sentido de alguém que está vindo aí e que tem sido muito bem recebida". O que pode parecer um elogio exagerado é apenas a visão do colega Rodrigo Santoro, que acompanha entusiasmado a carreira de Alice pela imprensa estrangeira. O caminho que a atriz está seguindo, de certa forma, se assemelha com a do próprio há cinco anos, porém com ainda mais destaque. Enquanto ele aparecia no cinema hollywoodiano com uma ponta em As Panteras - Detonando, ela dividiu as telas com Will Smith em Eu Sou a Lenda.

Agora, os dois maiores atores brasileiros fora do país se juntam nos papéis dos irmãos Sondra e Bruno, em Cinturão Vermelho, de David Mamet. Mesmo com o parentesco, não há nenhuma cena em comum para os dois, mas apenas a presença deles no filme de alguém do peso de Mamet, já traz grande destaque para ambos e para o próprio Brasil. Em uma coletiva com a imprensa, para o lançamento do longa, Braga confessa que teve certo receio, pela fama do diretor de ser muito severo, mas logo percebeu que isto era um mito criado em cima do roteirista de Os Intocáveis, que segundo ela é muito generoso.

Com vontade de participar de algum filme de David, após ler seu livro True and False: Heresy and Common Sense for the Actor, Rodrigo logo procurou seu agente para tentar um teste em Cinturão Vermelho. Acabou conseguindo o papel, afinal seu nome estava sendo cotado por ter sido recomendado por Renato Magno, professor de Jiu-Jitsu de Mamet, que também havia dado o nome de Alice. Também brasileiro, o lutador foi consultor de lutas no filme, que tem como pano de fundo a arte marcial bastante popular aqui no Brasil.

Rodrigo Santoro em cena de Cinturão Vermelho.

No roteiro original, os personagens não tinham uma nacionalidade definida. Porém, com a presença de Alice e Rodrigo, acabaram se tornando brasileiros. Alice Braga revela que isto agradou bastante a Mamet, que daqui não gosta apenas do Jiu-Jitsu, que pratica há 6 anos. "Ele é apaixonado pelo Brasil, apaixonado pelo povo brasileiro". Mas não é apenas o americano que está se rendendo ao país. Em Cannes, a recepção também foi calorosa. Enquanto ela foi divulgar Ensaio Sobre a Cegueira, de Fernando Meirelles, com quem trabalhou em Cidade de Deus, Rodrigo estava no argentino Leonera e nos dois filmes de Steven Soderbergh sobre Che Guevara.

Mesmo sem representar seu país no festival, Santoro não cansa de repetir: "Eu fui para lá como um brasileiro". Para os dois, este é um bom momento para o cinema nacional lá fora. Ele acredita que, "cada vez mais o cinema brasileiro está conquistando respeito e credibilidade". Para Alice, a união dos cineastas em prol do país é importante para isto. "Acho que é importante a gente continuar apoiando o outro, fazer uma comunidade do cinema brasileiro", diz.

Porém, nenhum dos dois admite a possibilidade de esquecer uma carreira aqui. "Eu continuo trabalhando no Brasil, quero até voltar a fazer algo na televisão", diz Rodrigo que estreou Não Por Acaso, está aguardando a chegada de Os Desafinados, e prestes a filmar Heleno, de José Henrique Fonseca. Já Braga fez recentemente A Via Láctea, Ensaio Sobre a Cegueira e logo deve participar de Cabeça a Prêmio, dirigido por Marco Ricca. Ambos tentam encaixar em suas agendas um tempo para se dedicar ao teatro e à televisão por aqui, mas, com tantos compromissos, não acham tempo.

Alice Braga e Chiwetel Ejiofor em Cinturão Vermelho.

Esta boa fase, segundo eles, não é apenas pelo mérito pessoal. Eles acreditam que hoje o cinema estadunidense está muito mais aberto para os atores de fora. "Os produtores estão mais interessados em encontrar um ator que possa dar qualidade para aquele papel, independente da nacionalidade", diz Santoro, que chegou a viver um personagem escrito originalmente para um inglês na comédia The Post Grad Survival Guide. E, de acordo com Alice, não são apenas os produtores: "a imprensa estrangeira está muito aberta para ver gente de fora".

Assim, eles aproveitam a boa fase para fixar seus nomes nos cinemas mundiais. Atualmente, Rodrigo Santoro está terminando de filmar a comédia I Love You Phillip Morris, com Jim Carrey, e aguardando os filmes de Soderbergh, nos quais vive, na juventude, o atual presidente cubano Raul Castro. Já Alice Braga espera a estréia de Crossing Over, em que contracena com Harrison Ford e Sean Penn. Seja no Brasil ou fora dele, o desejo da atriz é o mesmo: "Quero trabalhar!".

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"

"Guardiões da Galáxia Vol. 2" tem o trailer mais assistido da história da Marvel

Continuação do longa de 2014 chega aos cinemas em abril de 2017

"Sully - O Herói do Rio Hudson" ganha nova data de estreia no Brasil

Filme em que Tom Hanks evita acidente aéreo teve lançamento adiado após tragédia com Chapecoense

Apresentador Jimmy Kimmel comandará o Oscar 2017

Notícia foi confirmada pela revista Variety

Assista à nova prévia de "Tamo Junto", comédia estrelada por Sophie Charlotte

Longa apresenta humor repleto de referências da cultura pop

Bertolucci revela que houve estupro em cena de "Último Tango em Paris" e revolta Hollywood

"Queria sua reação como garota, não como atriz", disse o diretor