Guia da Semana

The Bling Ring explora tensão real em Hollywood

Filme de Sofia Coppola faz soar natural a invasão de privacidade num mundo regido por reality shows e falsas intimidades

Sofia Coppola ouviu seus instintos e acertou, de novo. Filha de um diretor cultuado (Francis Ford Coppola) e rara mulher entre os cineastas americanos, ela cresceu acostumada aos holofotes e mostrou conhecimento de causa no seu novo The Bling Ring – A Gangue de Hollywood, que estreia no dia 16 de agosto. Ao invés de defender a classe, contudo, a jovem diretora faz uma crítica ácida à cultura de celebridades que mantém viva uma Hollywood narcisista e alienada em si mesma.

+ Veja outros filmes baseados em assaltos reais
+ Compare os personagens reais aos atores de The Bling Ring
+ Confira os horários para assistir a The Bling Ring 

Numa tradução livre, “bling ring” significaria “anel de brilhantes” ou “liga da ostentação”. Nada mais justo: Rebecca, Marc, Nicki, Chloe e Sam (nomes fictícios usados no filme) roubaram casas de celebridades enquanto elas viajavam, simplesmente para usar suas roupas, perfumes, bolsas e jóias. Não que não pudessem comprar seus próprios mimos: todos eram filhos bem-alimentados da classe A.

As razões que teriam levado os jovens a cometerem os crimes poderiam ser discutidas à exaustão, mas Sofia dá pistas da sua opinião em todo o longa – selecionando e enfatizando com destreza os detalhes entregues pela autora do artigo original na Vanity Fair (Nancy Jo Sales).

Nicki (Emma Watson, livrando-se enfim do fantasma da bruxinha Hermione) é a deusa em seu lar: fracamente educada pela mãe, vaidosa o suficiente para monopolizar uma entrevista ou desfilar em direção ao tribunal e vazia o suficiente para reproduzir frases sem sentido unindo expressões como “karma”, “caridade” e “pessoa melhor”. Marc é a ex-vítima de bullying que vê numa garota bonita a chance de dar a volta por cima, sentir-se aceito e ganhar mais de 800 amigos no facebook. Já Rebecca, a líder da gangue, é a “aprendiz de Lindsay Lohan”, a fã que se refugia no universo das celebridades para não encarar uma família disfuncional e, acima de tudo, para sentir-se bonita.

Mais do que denunciar o abandono dessa juventude americana, Sofia propõe uma reflexão ao sistema de culto, comparando a todo momento assaltantes e assaltados, como frutos de uma mesma realidade. Além disso, a transparência das casas lembra a das lentes apontadas a personagens semi-reais em reality shows e tapetes vermelhos.

A privacidade perde o sentido num mundo em que atores e socialites vivem da exposição – repare no plano aberto que observa a casa envidraçada e suas luzes acesas, uma a uma, enquanto sirenes apitam à distância. Estar do lado de fora é quase como estar dentro, o que assusta.

 

Assista se você:

Não assista se você:

 

Atualizado em 13 Ago 2013.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Remake de "Rei Arthur" ganha novo trailer ao som de Led Zeppelin

Com direção de Guy Ritchie, longa chega aos cinema de maio

Emma Watson aparece cantando em novo vídeo de "A Bela e a Fera"

Atriz interpreta a canção "Belle", uma das primeiras do filme

Novos comerciais de "A Bela e a Fera" mostram cenas inéditas do filme

Live-action chega ao Brasil no dia 16 de março

Waiting for B. - documentário revela a rotina dos fãs que acamparam para ver show da Beyoncé

Filme integra a programação da Sessão Vitrine e estreia no dia 2 de março

15 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em março de 2017

“A Bela e A Fera”, “Logan” e “Vigilante do Amanhã” estão entre as estreias do mês

"Mulher-Maravilha" ganha coleção de colecionáveis pela Funko

Lançamento vem para entrar no clima do novo filme da heroína