Guia da Semana

Um cineasta contra a lei

Marcelo Galvão, de Quarta B e Bellini e o Demônio, tenta construir sua carreira de cineasta sem depender totalmente dos incentivos governamentais

Rodrigo Tavares e Marcelo Galvão nos sets de A Rinha.

Enquanto a maioria dos cineastas brasileiros busca apoio do governo para produzir seus filmes, sem se preocupar com o resultado da bilheteria, o paulistano Marcelo Galvão tenta fazer o caminho contrário. Finalizando A Rinha, seu quarto longa, e já de olho no próximo, ele falou ao Guia da Semana sobre sua carreira, de pouco mais de três anos, e de como prefere criar uma estrutura industrial de cinema a depender das leis de incentivo. Com projetos polêmicos, ele vai marcando seu nome no cinema nacional.

Inicialmente, Galvão era redator de publicidade, mas logo desistiu da carreira. "Eu vi que 90% do meu trabalho estava sendo jogado no lixo", explica. Seu novo plano era ser cineasta, para isso vendeu seu carro e foi para Nova Iorque estudar. Para se sustentar, ganhava a vida como lutador de Jiu-Jitsu. Ao final do curso, com apenas um curta no currículo, Marcelo volta ao Brasil para começar a nova vida. Após trabalhar novamente em publicidade, desta vez como diretor, decidiu fazer o primeiro longa-metragem pago do próprio bolso.

Foi então que surgiu Quarta B (foto), que narra uma reunião escolar em torno da maconha. "Para entrar no cinema eu tinha que fazer meu portfólio. Não tinha como eu já fazer um filme grande, porque ninguém me conhecia", revela. A idéia era fazer algo barato, com uma só locação. Porém, muita coisa deu errado. Antes do início das filmagens, os produtores, o diretor de fotografia e a diretora de arte, esposa de Marcelo, desistiram. Com o filme pronto e vencendo o prêmio de público da Mostra de Cinema de São Paulo, o empreendedor decidiu colocar suas experiências no documentário Lado B: Como Fazer um Longa Sem Grana no Brasil.

O sucesso inicial do primeiro filme rendeu o convite para ser roteirista e diretor de Bellini e o Demônio, com Fábio Assunção. A grande produção ajudou a dar projeção ao seu nome, mas o resultado não foi o que ele esperava. "Eu montei o filme do meu jeito, em uma linha mais David Lynch, Cronemberg, uma coisa viceral, orgânica, e o produtor descaracterizou isso, deixou o filme superficial, com coisas que não tem a ver", revela Marcelo, que lamenta o mau uso de sua ampla pesquisa no ocultista Aleister Crowley para a produção. Agora, ele garante que pensará duas vezes antes de aceitar ser um diretor contratado novamente.

Desta forma, decidiu retomar um projeto que havia começado ainda quando divulgava Quarta B, o road movie Colegas, em que três jovens com Síndrome de Down roubam um carro para realizar seus sonhos. Porém, o tema, que conhece bem por ter um tio sindrômico, afastou os possíveis patrocinadores. Com R$ 3 milhões aprovados para captação há 3 anos, ele não consegue financiamento para o filme, que escreveu no avião para inscrever no edital de baixo orçamento. Foi então que surgiu a idéia: "fazer um filme barato como o Quarta B, mas que me dê dinheiro para fazer o outro projeto, que é o Colegas. Então eu criei o A Rinha" (foto).

O filme, de R$ 250 mil pagos pela GataCine, de Marcelo e Rodrigo Tavares, e produzido com a ajuda de 12 alunos do curso realizado pela produtora, tem um projeto bem ousado. "Eu associei tudo o que pode ser interessante comercialmente para poder gerar dinheiro mesmo". Assim, o filme mostra um grupo de playboys que apostam alto em lutas de jovens pobres, em festas regadas a álcool e sexo. Tudo falado em inglês, para vender para o mercado internacional. Para isso, na seleção, que contou com mais de 800 atores, era imprescindível a fluência, além do apoio de um coach nas filmagens.

Quase todos os que trabalharam na produção, como os atores Leonardo Miggiorin, Maitê Piragibe e Paola de Oliveira (foto), não receberam nada, apenas a possibilidade de uma projeção, já que o filme tem até uma apresentação marcada no Festival de Cannes para compradores de todo o mundo. Apenas quem recebeu foram os lutadores, já que as brigas são todas reais. "Não agüento esses filmes de luta em que o cara toma murro na cara e continua de pé", diz Galvão. O diretor acredita que o filme possa financiar o próximo, já que é "sério, real e totalmente fora do que a gente está fazendo, que é mostrar favela, pobreza, ele mostra o contrário, a podridão da burguesia".

E é assim, de filme em filme, que Marcelo Galvão pretende construir a carreira. O cineasta, que quer lançar suas obras no Brasil e fora dele, acredita que essa gradação possa até ajudar os filmes anteriores, e até pensa em relançar Quarta B nos cinemas. Quanto às leis, acha que o Estado deveria financiar o ingresso, que anda muito caro, e não a produção, deixando de beneficiar filmes que não atraem público. "Eu prefiro fazer filmes que me dêem dinheiro e que com o dinheiro eu possa fazer outros filmes, de modo que eu crie uma indústria, sem precisar ficar dependendo do governo, de aprovação, do dinheiro dos outros".

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

"Velozes & Furiosos 8" ganha título, teaser e sinopse oficiais

Trailer completo vai ser divulgado no próximo domingo!

ITunes lança promoção com filmes de 2016 a preços especiais

“Carol” e “A Assassina” estão entre os títulos disponíveis por até US$ 2,99

Belas Artes faz Noitão apocalíptico para “exorcizar” 2016

Maratona terá no cardápio clássicos como “Mad Max” e “Purple Rain”

Taylor Swift e Zayn lançam trecho da trilha sonora de "50 Tons Mais Escuro"; vem escutar

"I Don’t Wanna Live Forever" está disponível no iTunes e Apple Music

Primeiro trailer de "Planeta dos Macacos: A Guerra" é divulgado; assista

Terceiro longa da franquia estreia em julho de 2017

15 presentes que todo fanático por Harry Potter gostaria de ganhar neste Natal

Um mais incrível do que o outro <3