Guia da Semana

Viagem ao Centro da Terra

Derradeiro filme da New Line reascende a discussão: o que é cinema?

De Los Angeles


A discussão não é nova, mas volta com força por conta da aventura Viagem ao Centro da Terra. Afinal de contas, o que é cinema hoje em dia? Muito mais do que discutir a técnica utilizada em sua realização, deve-se analisar a influência que o formato exerce sobre elementos vitais como roteiro, interpretação e edição. Filmes em 3D são impressionantes? Sim, mas seu custo pode ser artisticamente muito alto. E o longa-metragem estrelado por Brendan Fraser paga caro por sujeitar o conteúdo às demandas de seu formato.

A proposta de uma releitura moderna para um dos clássicos de Júlio Verne soava arriscada desde o princípio. Adaptada à exaustão, Viagem ao Centro da Terra ganhou uma sigla que chamou a atenção do mercado: 3D. Seria o primeiro filme da New Line - ainda bem das pernas - no novo formato. Antes de sua estréia, porém, o público pode conferir o deslumbre visual e os personagens estrábicos de A Lenda de Beowulf, do inovador Robert Zemeckis (que vem testando novos formatos de animação há um bom tempo).

Mais vídeo game do que filme, Beowulf encontrou seu maior defensor nos donos de cinemas 3D, especialmente no Brasil, que registraram aumentos consideráveis em suas bilheterias por conta do filme. Sem entrar no mérito dos problemas que a animação causou tecnicamente, pode ser visto um grande número de cenas feitas propositalmente para utilizar o recurso do 3D. Espadas apontadas na direção do público, tomadas impossíveis para levar o espectador ao delírio e diversas outras coisas sendo lançadas de encontro à platéia. Não consigo deixar de pensar na primeira vez que me deparei com essa técnica: turnê Psycho Circus, do Kiss, em São Paulo. Era um exagero permitido para milhares de roqueiros com óculos de celofane. Soaria infantil não fosse a seriedade e o culto envolvidos no processo.

Depois Hannah Montana tomou o circuito de assalto e foi recorde por onde passou. Aqui, porém, a técnica foi usada de maneira inteligente pela Disney. Questão de objetivo: a tarefa era colocar o espectador na platéia do show de Miley Cyrus. E funcionou exemplarmente. O 3D funcionou em prol do espectador que foi convidado a vivenciar a experiência, sem exageros e apenas duas situações de "objetos lançados" em direção ao público. Os dois justificáveis, aliás.

Agora chega a vez de Viagem ao Centro da Terra. Ficou divertido? Sim, ficou. Mas cansa rapidamente, pois o roteiro se rendeu ao formato e cada cena contém algum elemento de interação com o público. Seja um ioiô que é arremessado contra a platéia diversas vezes seja o personagem principal urinando numa privada que, por acaso, é a tela. O filme é um festival de seqüências totalmente pensadas para 3D o que, invariavelmente, banaliza seu status de novidade.

O argumento da história é bom. Trevor Anderson (Brendan Fraser) é um geólogo cujo irmão desapareceu numa expedição. Atrapalhado e às vésperas de ter seu projeto cancelado, precisa tomar conta do sobrinho Sean (Josh Hutcherson). A chegada do garoto provoca uma mudança na vida do pesquisador, pois eles encontram uma cópia de Viagem ao Centro da Terra, de Júlio Verne, cheia de anotações que, eventualmente, vão levá-los à Islândia, onde conhecem a belíssima nativa Anita Briem, sua guia, que vai acompanhá-los na jornada de suas vidas. Entretanto, sintomática dos últimos filmes grandes da New Line, a falta de foco e uma sensação de pressa - assim como em A Bússola de Ouro - prejudicam o filme, que é rico em exageros. Brendan é carismático - mostrou isso na première do filme em Los Angeles -, mas passa mais tempo interagindo com a tela do que atuando. Para azar do galã, seu personagem foi o que mais sofreu com o roteiro, que o torna repetitivo, no intuito de ser engraçado.

Os efeitos visuais são realmente impressionantes. O passeio no trem da mina é eletrizante e o 3D mostra a que veio, assim como as criaturas e cenários do centro da Terra. Tudo belíssimo. E é justamente aí que o filme peca: individualmente, suas cenas são muito belas e enchem os olhos, todavia um filme precisa de coesão e de boas escolhas para manter seu ritmo. E, por pressa ou não, a New Line errou até mesmo em seu último suspiro. Não adianta ter várias coisas bonitas e boas juntas e simplesmente despejar, literalmente, na cara do espectador. Criar algo memorável e criativo com isso tudo é, até agora, uma das funções do cinema.

Mas, a questão permanece, o que é cinema? Até mesmo Hollywood está em dúvida. Eles sabem o que faz dinheiro, mas, conceitualmente, a nau está à deriva.

Leia as entrevistas anteriores do nosso correspondente:

  • Los Angeles Film Festival: Leia um balanço sobre o evento que agitou a cidade

  • Agente 86: Elenco do longa fala sobre a diversão no set de filmagem

  • Louis Leterrier: Diretor de O Incrível Hulk fala sobre adaptação do heróis para a telona


    Quem é o colunista: Fábio M. Barreto adora escrever, não dispensa uma noitada na frente do vídeo game e é apaixonado pela filha, Ariel. Entre suas esquisitices prediletas está o fanatismo por Guerra nas Estrelas e uma medalha de ouro como Campeão Paulista Universitário de Arco e Flecha.

    O que faz: Jornalista profissional há 12 anos, correspondente internacional em Los Angeles, crítico de cinema e vivendo o grande sonho de cobrir o mundo do entretenimento em Hollywood.

    Pecado gastronômico: Morango com Creme de Leite! Diretamente do Olimpo!

    Melhor lugar do Brasil: There´s no place like home. Onde quer que seja, nosso lar é sempre o melhor lugar.

  • Atualizado em 6 Set 2011.

    Compartilhe

    Comentários

    Outras notícias recomendadas

    "Velozes & Furiosos 8" ganha título, teaser e sinopse oficiais

    Trailer completo vai ser divulgado no próximo domingo!

    ITunes lança promoção com filmes de 2016 a preços especiais

    “Carol” e “A Assassina” estão entre os títulos disponíveis por até US$ 2,99

    Belas Artes faz Noitão apocalíptico para “exorcizar” 2016

    Maratona terá no cardápio clássicos como “Mad Max” e “Purple Rain”

    Taylor Swift e Zayn lançam trecho da trilha sonora de "50 Tons Mais Escuro"; vem escutar

    "I Don’t Wanna Live Forever" está disponível no iTunes e Apple Music

    Primeiro trailer de "Planeta dos Macacos: A Guerra" é divulgado; assista

    Terceiro longa da franquia estreia em julho de 2017

    15 presentes que todo fanático por Harry Potter gostaria de ganhar neste Natal

    Um mais incrível do que o outro <3