Guia da Semana

“Vic+Flo Viram um Urso” instiga espectador e coloca o cinema canadense no holofote

Vencedor do prêmio Alfred Bauer no Festival de Berlim, novo longa de Denis Côté conquista pelo mistério e irreverência do enredo

Um filme é como um pedaço de vida que ganha verdadeiras feições de um ser humano durante o tempo em que a fita dura na tela. Alguns são como amigos em uma mesa se bar: despretenciosos e divertidos. Outros são como uma sessão de terapia: convidam o espectador a desbravar os mais antagônicos sentimentos da existência. Os melhores, entretanto, são aqueles que enganam: desprovidos de pistas, colocam-nos em um terreno vazio, sem nenhuma expectativa; têm o poder de envolver aos poucos em um árduo desafio de conquistar até o momento em que os créditos anunciam o final. Poucos deles conseguem, mas quando o fazem, acertam em cheio. 

Foi essa a sensação que Vic+Flo Viram um Urso deixou. O filme, que chega ao Brasil na próxima quinta, 19 de junho, não passou despercebido por festivais mundo afora. Foi aliás, o vencedor do Alfred Bauer na edição de 2013 do Festival de Berlim. O prêmio é parte das gratificações do Urso de Prata, estátua que contempla e abre porta para os novos talentos do cinema. E não para por aí: Toronto, Istambul, Melbourne e o BAFICI, em Buenos Aires, foram apenas algumas das paradas em que o filme fez pelo mundo dos festivais. Por aqui, chega tímido, apenas no circuito alternativo. Não se deixa enganar. Vic+Flo é uma verdadeira pérola que, como toda a joia, é acessível a poucos. Consegue, entretanto, encantar àqueles que têm a sorte de a possuir. 

Vamos ao enredo: Em uma afastada cabana nas floretas canadenses, Victoria quer levar uma vida tranquila após deixar a prisão. Na casa do tio, já doente e inválido, ela convive com a namorada Florence, com quem dividiu as celas e os anos de intimidade na prisão. Desta vez, Vic quer fazer a coisa certa e ficar em paz. Entretanto, o sombrio passado de Flo passa a assombrar a vida das duas e uma iminente ameaça começa a dar lugar. A floresta já não é mais um lugar seguro e, quando menos esperam, estão lutando pela coisa mais preciosa que lhes restou: as suas vidas. 

O sexto longa de Denis Côte, um dos mais talentosos cineastas canadenses de sua geração, conquista pelo mistério do enredo. As coisas caminham lentas, sem indícios de onde vão terminar. Quando o enredo toma forma, nos deparamos com uma instigante história, digna de um thriller comercial. O curioso título é explicado e o final é de cair o queixo. Como em "Bestiaire", de 2012, e "Curling", de 2010, Côté coloca não só o seu trabalho, como o cinema de seu país, mais uma vez, nos mais exigentes holofotes da crítica internacional. 

ASSISTA SE VOCÊ:

  • Gosta de filmes com ritmo lento 
  • Não se importa com finais chocantes e abertos 
  • Aprecia o cinema alternativo de festivais 

NÃO ASSISTA SE VOCÊ:

  • Procura o filme excitante do começo ao fim 
  • Prefere enredos que explicam suas reviravoltas 
  • Não é fã dos filmes provenientes de festivais 

Atualizado em 18 Jun 2014.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Reese Witherspoon quer fazer "Legalmente Loira 3"

"As mulheres precisam desse tipo de positividade hoje em dia", disse a atriz ao E! News

10 Filmes da Sessão da Tarde para ver na Netflix

“Operação Cupido” e “Aventureiros do Bairro Proibido” estão entre os filmes nostálgicos em cartaz

“Estrelas Além do Tempo” revela as mulheres negras que mudaram a história da NASA

Longa inspirador e bem-humorado estreia no dia 2 de fevereiro nos cinemas

“A Cura”: diretor de “O Chamado” retorna ao terror com longa sinistro e hipnotizante

Filme chega aos cinemas no dia 16 de fevereiro

“O Poderoso Chefinho”: animação adorável sobre um bebê “adulto” estreia em março (e vai conquistar seu coração)

Filme explora a relação entre um menino de 7 anos e seu novo irmãozinho

Final do Super Bowl será transmitida ao vivo nos cinemas

Evento acontece no dia 5 de fevereiro e terá show de Lady Gaga no intervalo