Guia da Semana

Vilões ou mocinhos?

Imagem estigmatizada do crítico de cinema ronda a maior parte dos depoimentos de cineastas no documentário de Kleber Mendonça Filho



Qual a função da crítica cinematográfica? Até que ponto a crítica influencia na carreira de um filme ou de um diretor? Podem existir críticas instigantes em grandes veículos tendo em vista as limitações de público alvo, espaço e velocidade de produção que são impostas ao profissional? De que forma as ideias que o diretor quis transmitir em um filme ecoam no receptor? Estas perguntas ficam sem resposta ou são superficialmente abordadas no documentário Crítico, longa de estreia do cineasta e crítico recifense Kleber Mendonça Filho, que investiga a relação entre críticos e cineastas.

O filme, que abriu a 10ª edição da Retrospectiva do Cinema Brasileiro, promovida pelo CineSesc, privilegia depoimentos, bastante curiosos em sua maioria, sobre a maneira como cada cineasta lida com seus próprios medos e ressentimentos, ao invés de propor debates aprofundados sobre o tema.

É um desperdício, tendo em vista os importantes profissionais da área que o diretor entrevistou por quase dez anos, como Gus Van Sant, Tom Tykwer, Eduardo Coutinho, Carlos Reichenbach, Fernando Meirelles, Cláudio Assis, Walter Salles, Sérgio Bianchi, Carlos Saura e críticos da Cahiers du Cinéma, Positif, revista eletrônica Cinética, Variety, O Globo e O Estado de S. Paulo.

Alguns dos melhores depoimentos evidenciam a contribuição da crítica para o amadurecimento do cinema de forma geral. Carlos Reichenbach e Fernando Meirelles dizem que o bom analista do cinema ajuda o diretor a compreender melhor sua própria obra. Eduardo Coutinho conta que removeu uma cena de Edifício Master, em que havia sido inconscientemente preconceituoso, devido a um comentário de Neusa Barbosa, jornalista e crítica. Walter Salles evoca a nouvelle vague francesa para dizer que o bom cineasta é, antes de tudo, um excelente crítico.

Outro ponto alto do filme é o fato de retratar o modo de produção industrial a que os críticos são submetidos nos grandes veículos. Isso é evidenciado por meio de imagens de uma das edições do Festival de Cannes. Assim que uma sessão termina, os jornalistas literalmente saem correndo para a sala de imprensa para elaborar uma reflexão em apenas duas horas. Processo que se repete várias vezes por dia até o término do festival. Questiona-se, desta forma, como a velocidade própria do jornalismo pode limitar a construção de uma análise minimamente amadurecida de um filme.

O depoimento de Eduardo Valente enriquece esta reflexão. O crítico independente e cineasta afirma que o volume de filmes a serem vistos e a pressão de ter que tecer considerações sobre inúmeras produções faz com que o resultado final possa não ser tão satisfatório, ao passo que os blogueiros e cinéfilos, que escrevem movidos por paixão, podem por vezes oferecer análises mais interessantes.  

O filme perde densidade ao centrar-se em uma espécie de ressentimento e relação de amor e ódio entre críticos e cineastas. Muitos diretores se limitam a descrever sua reação intima de frustração e ego ferido ao ler uma crítica negativa. Andrucha Waddington afirma que o sentimento é semelhante ao de ouvir uma critica de um filho e Hector Babenco diz que se recusa a lê-las.

De forma a corroborar a mais ultrapassada acusação de que críticos são cineastas frustrados, Sérgio Bianchi afirma que alguns profissionais brasileiros de sua geração partiram para a análise por não terem conseguido viabilizar seus filmes.

O documentário apropria-se de uma frase de Oscar Wilde, de que a crítica seria um tipo de autobiografia, como um argumento infantil para desqualificá-la. Afinal, o trunfo de uma boa análise fílmica é justamente o de equacionar subjetividade, conhecimento histórico e técnico.

O bom crítico promove discussões, debates, oferece chaves de leitura para a compreensão de um filme, relaciona uma obra ao contexto no qual está inserida, traça paralelos entre diferentes produções, relativiza historicamente a importância de filmes e diretores, identifica marcas de autoria, temas ou recursos estéticos recorrentes na filmografia de um cineasta, além de ressaltar mudanças em sua obra.    

Pode passar despercebido, por isso é importante ressaltar que um crítico bem resolvido nutre enorme paixão ao cinema e profunda admiração aos cineastas, caso contrário não direcionaria sua carreira e grande parte de seu tempo à análise do audiovisual. A rixa entre críticos e cineastas, que sustenta grande parte do documentário, mostra-se reducionista uma vez que o crítico consciente é um aliado do diretor - e do desenvolvimento do cinema em última análise. Talvez, uma de suas maiores contribuições seja a de fazer um espectador em potencial sair de casa para ir ao cinema movido por um texto instigante.


Quem é a colunista: Jornalista e cinéfila Cyntia Calhado.

O que faz: Repórter do Guia da Semana.

Pecado gastronômico: Pizza, chocolate, açaí...

Melhor lugar do Brasil: Onde se tem paz.

Melhor filme que já assistiu até hoje: Como é impossível escolher um, fico com a obra dos diretores Pedro Almodóvar, Eric Rohmer, Walter Salles e Domingos de Oliveira.

Para falar com ela: cyntia.calhado@gmail.com ou acesse seu blog  ou site

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentador erra e dá Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil