Guia da Semana

"Viva a Liberdade": comédia italiana questiona o papel da política num país em crise

Senador conservador foge do cargo e é substituído por um filósofo considerado louco

Poucas nações entendem tanto de política quanto os italianos. Depois de Nanni Moretti profetizar a renúncia do Papa Bento XVI com a comédia “Habemus Papam” em 2011 (um filme mais sobre a instituição do que sobre a religião em si), Roberto Andò traz ao público uma reflexão sobre o quê (ações ou discursos) se espera da política numa nação em plena crise econômica.

Toni Servillo faz valer o ingresso, interpretando dois papéis quase opostos em “Viva a Liberdade”. Um é Enrico Oliveri, um senador inseguro, muito criticado pelo partido e pelos eleitores por não assumir uma postura firme de “oposição” e aliar-se ao governo. O outro é Giovanni Ernani, irmão gêmeo de Enrico cujo verdadeiro nome não é revelado (esse é seu pseudônimo de escritor), deixando no ar aquela dúvida que sempre se levanta em filmes com personagens duplos. Giovanni é filósofo, muito persuasivo com palavras e poético nos gestos, mas tem sérios problemas psiquiátricos.

Quando a situação chega ao limite, Enrico faz as malas (ou melhor, uma maleta) e foge para Paris, tocando a campainha de uma velha amiga (Valeria Bruni Tedeschi). Enquanto isso, na Itália, seu assessor de imprensa (Valerio Mastandrea) e sua esposa (Michela Cescon) se descabelam para justificar sua ausência. E se ele não voltar?

A solução parece óbvia: Giovanni. O irmão gêmeo assume o papel de Enrico como se fosse uma brincadeira, mas logo ganha a simpatia dos repórteres, com suas frases polêmicas, e dos eleitores, com seus discursos inflados.

Enquanto as manchetes perseguem Giovanni, de um lado, o passado ronda Enrico do outro. Livre das obrigações do dia-a-dia, ele descobre-se mais parecido com o irmão do que imaginava e relembra o prazer de ser irresponsável. Por que ele voltaria?

Se Enrico trabalhava com seriedade e valorizava parcerias, mas fracassava em popularidade, Giovanni chama a atenção pela irreverência e pelas palavras enigmáticas, respondendo a todas as questões com novas perguntas, como um bom filósofo. O povo sente-se motivado pelo tom apaixonado de seus discursos, mesmo que eles jamais apontem para ações concretas.

É curioso que, em certo momento, um personagem compare a política ao cinema, justificando que ambos envolvem farsa e genialidade. Os dois elementos se encontram na figura de Giovanni, que age como um ator sem saber o que faz, mas causa impacto por sua genialidade, que não difere muito da loucura, ou de uma sinceridade sem filtros.

Como sugere o título, talvez a "doença" represente a única forma possível de liberdade, sem a prisão do bom senso e das palavras calculadas. Uma liberdade de pensamento, não de ação. Irônico e conveniente.

Assista se você:

- Gosta de comédias italianas
- Gosta de filmes sobre política
- Quer ver uma boa atuação

Não assista se você:

- Não gosta de filmes europeus
- Não gosta de comédias italianas
- Procura uma comédia mais despretensiosa

Atualizado em 13 Jul 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"

"Guardiões da Galáxia Vol. 2" tem o trailer mais assistido da história da Marvel

Continuação do longa de 2014 chega aos cinemas em abril de 2017

"Sully - O Herói do Rio Hudson" ganha nova data de estreia no Brasil

Filme em que Tom Hanks evita acidente aéreo teve lançamento adiado após tragédia com Chapecoense

Apresentador Jimmy Kimmel comandará o Oscar 2017

Notícia foi confirmada pela revista Variety

Assista à nova prévia de "Tamo Junto", comédia estrelada por Sophie Charlotte

Longa apresenta humor repleto de referências da cultura pop

Bertolucci revela que houve estupro em cena de "Último Tango em Paris" e revolta Hollywood

"Queria sua reação como garota, não como atriz", disse o diretor