Guia da Semana

Cuidado com a letra feia

Se quase ninguém consegue entender o que o seu filho escreve, preste atenção, pois o caso pode ser disgrafia

Foto: Getty Images


Mesmo com o caderno de caligrafia, os esforços dos professores e, mais ainda, do aluno, há casos em que não se consegue melhorar a letra. Esse problema tem um nome: disgrafia. O transtorno é a dificuldade no ato da escrita, procedente de um distúrbio de integração visual-motora, que afeta a capacidade de escrever ou copiar letras, palavras e números.

"É um transtorno funcional que pode aparecer em pessoas de qualquer idade, mesmo com capacidade intelectual normal", explica a psicomotricista e coordenadora da EDAC - Equipe de Diagnóstico e Atendimento Clínico - , Raquel Caruso. As letras precisam ser mais do que garranchos para o fato ser um problema, pois além de ilegível, a grafia possui traços irregulares, pode haver omissão de letras e ligação inadequada entre elas - muito distantes ou grudadas.

Foto: Getty Images


Tipos do transtorno

As causas podem ser de ordem motora, emocional ou mista. A primeira atua na falta de coordenação motora, causada pela imaturidade do sistema nervoso central e periférico, que atrasa a aquisição de habilidades como escrever, desenhar, segurar talheres e até manter o equilíbrio.

Outro fator possui causa emocional. Muitas crianças são discriminadas nas escolas por professores e colegas de sala, assim como por seus pais, devido a sua letra feia. As letras muito pequenas significam timidez; já as pessoas que escrevem muito forte e marcam as páginas, estão descarregando alguma tensão. "A pressão emocional influencia muito no desenvolvimento da escrita. Já tive paciente que confessou fazer letra garranchada para a professora não ficar brava, caso ele errasse na grafia da palavra", revela Raquel.

Muitos disgráficos são decorrentes de causa mista, que une a disfunção motora com problemas emocionais. De acordo com a especialista, a alfabetização precoce das crianças pode auxiliar consideravelmente para elas terem dificuldades na escrita, pois elas deixam de amadurecer outras habilidades psico-motoras necessárias para a idade, desenvolvidas com brincadeiras e exercícios de esculturas em argila, por exemplo.

Foto: Getty Images


Passos a seguir

A disgrafia não é exclusividade de crianças. O transtorno pode aparecer também em adolescentes, assim como em adultos. "Recebo muitos adolescentes na clínica que vão em busca de melhora na escrita pensando no vestibular", fala a psicomotricista. Ela ainda explica que já teve pacientes, pais de crianças diagnosticadas disgráficas, que também tinham a letra ilegível e, por isso, resolveram procurar ajuda.

Para diagnosticá-la é necessário que a pessoa vá até uma clínica especializada e passe por uma série de testes e exames. Esse procedimento, assim como todo tratamento, é feito de acordo com cada caso e com os profissionais necessários. Psicólogos, psicopedagogo, psicomotricista e fonaudiólogos fazem parte da equipe de auxílio para o tratamento de disgrafia.

"Trabalhamos muito com terapia, prancha de equilíbrio e até em ações básicas na cozinha, como abrir lata e mexer em farinha com ovos", detalha Raquel. Ela afirma ser necessária uma preparação prévia no paciente, que atuaria nas causas do transtorno, para depois chegar na escrita.

O tratamento pode durar seis meses ou até anos, variando de acordo com cada caso e suas outras comorbidades. O importante é que o processo fornece resultados notórios aos pacientes. "É preciso procurar ajuda antes que a escrita incorreta seja sedimentada e saber que não buscamos letra bonita, mas sim, legível", finaliza.

 Disgrafia x dislexia

Não confunda as palavras, mesmo tendo sonoridades e escritas parecidas. Dislexia é o transtorno em que a pessoa possui dificuldade de ler, entender o que está escrito e assim, de aprender. "Às vezes o paciente pode apresentar as duas comorbidades, porém é mais provável que um dislexo seja disgráfico, do que o inverso", explica Raquel Caruso.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte