Guia da Semana

Diga não ao bullying

A prática de agredir o outro, verbal ou fisicamente, é algo que você leva para o resto da vida

Foto: Getty Images


Conversando sobre bullying um dia desses lá em casa, meus pais, que foram professores, ficam indignados atualmente com a violência que existe na juventude. Na época dos meus pais, o termo bullying não existia, mas xingamentos e "zoações" na escola sempre aconteciam. Vou contar uma experiência que minha mãe teve quando adolescente. Uma vez, ela foi para o colégio com um sapatinho um pouco mais velhinho. Por descuido - ou azar mesmo - no meio do recreio, apareceu um buraquinho no sapato e o dedinho dela ficou aparecendo. Muitos coleguinhas que se diziam amigos começaram a rir e a apontar para ela, como se fosse uma criminosa ou sei lá o quê. Ela ficou de cabeça baixa enquanto os outros riam. Dona de uma personalidade calma e supermeiga, minha mãe resolveu não fazer nada, voltou para sala de aula e contou para a professora o ocorrido. No dia seguinte, aconteceu uma situação como esta, de gozação com uma outra coleguinha que estava com a franja torta. Minha mãe foi a única a defendê-la, e essa mesma professora mostrou que a prática dessas brincadeiras maldosas pode retornar para nós mesmos.


Olha só como o comportamento infantil e adolescente se repete e isso já faz mais de 40 anos - e infelizmente o bullying só tem crescido cada vez mais. Pais, educadores e diretores de escola se preocupam e criam campanhas contra essa prática, que pode prejudicar quem pratica e quem recebe. Mas você sabe o que é bullying? É uma situação que se caracteriza por agressões intencionais, verbais ou físicas, feitas de maneira repetitiva, por um ou mais alunos contra um ou mais colegas. A palavra vem de bully, que significa valentão, briguento. Não há uma denominação em português, mas é entendido como ameaça, intimidação e humilhação.

Sempre fui gordinha, principalmente depois dos dez anos. Sofria muito com a balança. Efeito sanfona, sabe? Engordava e emagrecia. Mas a sorte é que eu era muito ágil e da turminha popular da sala. Era tímida, mas, quando me enturmava, era engraçada e uma menina muito fofa, modéstia à parte, é claro! Mas, na hora da educação física... Aí era meu sofrimento. Eu amava jogar qualquer tipo de jogo, principalmente handebol, mas o professor tinha a brilhante ideia de colocar duas meninas para escolher os dois times. Eu, por ser gordinha e correr menos, sempre ficava entre as últimas. Não era um bullying definido, mas era meio omitido, sabe? Isso me magoava muito, pois eu jogava superbem e fazia vários gols. Minhas colegas de sala foram percebendo isso e, mesmo gordinha, passei a ser uma das primeiras a ser escolhidas na hora de montar o time.

Confesso que não sofri tanto com o bullying na infância e adolescência, pois eu era amiga de todos. Claro que aconteceram situações chatas, como alguns meninos bobos que cantavam musiquinhas ou que me chamavam de bujãozinho, mas eu não ligava e eles acabavam cansando. Contei tudo isso para você perceber que, na minha época, o bullying era light. E que, hoje, a coisa está big! O bullying não só existe dentro da escola, como também fora dela. Ataques violentos a metros da escola, turminhas se reúnem para bater em gordinhos, emos e tantos outros tipos de adolescentes. Para mim, quem faz isso não tem personalidade. Não entendo a mente dessa garotada que pratica essa humilhação contra seus colegas. Com as redes sociais, nasceu o cyberbullying, mensagens difamatórias e ameaçadoras que circulam por e-mails, sites, blogs e celulares. O anonimato aumenta e a crueldade também, pois não há o cara-a-cara.

Se você está lendo esse texto, pense bastante antes de iniciar um bullying, pois quem recebe não fica feliz e se lembrará disso a vida inteira. A adolescência passa tão rápido... Vamos rir juntos, ir ao shopping, jogar vídeo game ou uma bola. Falar de alguém, violentar fisicamente ou verbalmente não está com nada. Cada um é do jeito que é. Aceite! Quer uma dica? Reúna sua turminha e veja os filmes Garotas Malvadas e As Melhores Coisas do Mundo. Com certeza vocês irão pensar duas vezes antes de iniciar qualquer bullying. E lembre-se: Se você rir de alguém hoje, amanhã rirão de você! Paz e amor sempre!

 

Leia  as colunas anteriores de Joyce Müller:

Fazer intercâmbio: eis a questão

De volta às aulas

Deprê pós-formatura

Quem é a colunista: Joyce Müller. Ama São Paulo. Uma jornalista por formação. Uma escritora por amor. Por esporte escreve crônicas. Gosta de tudo um pouco e adora misturar. Blogueira. Ama o mundo teen, coisas fofas e cuties.

O que faz: Sou Jornalista na área de beleza, saúde, cultura, decoração, teen e o que mais me permitirem falar.

Pecado Gastronômico: Doces ! Quindim e Brigadeiro de panela.

Melhor lugar do mundo: Minha casa e meu jardim. Sou uma Alice no meu país das maravilhas!

Fale com ela: joycinha.muller@hotmail.com, a siga também no twitter (@joymuller) ou acesse seu blog.


 

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte