Guia da Semana

Doenças de adulto em criança

A combinação entre má alimentação e pouca atividade física atrapalha um desenvolvimento saudável e causa problemas graves de saúde na infância

Foto: Morguefile


Ao mesmo tempo em que a ciência, acompanhada da mídia, conscientizou o mundo nesses últimos 20 anos sobre a importância de cuidar da saúde, da alimentação e de como viver qualitativamente melhor, crianças menores de 13 são hoje, as maiores vítimas de doenças provocadas pelos péssimos hábitos da vida moderna. Colesterol, obesidade, diabetes, hipertensão, cardiopatia e LER (lesão por esforço repetitivo) - comum em adultos, condenam agora a vida de muitos pequenos.

A mistura entre videogame, computador, fast-food (excesso do consumo de comidas gordurosas na cantina da escola e até em casa), sedentarismo, falta de supervisão e limite impostos pelos pais são as principais causas dessas doenças.

O pediatra e homeopata Moisés Chencinski explica que existe um aumento na incidência dessas doenças por conta da intoxicação precoce a que as crianças são submetidas hoje (antigamente, os adultos é quem reclamavam de terem de comer fora, e não terem tempo de praticar esportes, por exemplo). Isso tem acontecido principalmente em centros urbanos, "As crianças hoje são estressadas, pegam muito trânsito para se locomover de um lado para o outro, ficam mais longe dos pais, porque eles trabalham muito e quase não têm tempo de acompanhar passo a passo da rotina delas; são obrigadas a prestar vestibulinho em algumas escolas para entrar no pré-primário; recebem dinheiro dos pais e comem o que quiserem na rua (e crianças não sabem o mal que ingerir guloseima todo dia pode fazer); chegam em casa e se isolam na frente do computador... O resultado de tudo isso é a falta de brincar na rua, de praticar atividades físicas, depressão, solidão e compensação na comida, por conseqüências, doenças como a obesidade e o colesterol.

Foto: Morguefile
Uma pesquisa realizada recentemente em São Paulo, por especialistas da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e da Universidade São Marcos, com apoio do ILSI (International Life Sciences Institute), apontou que de 8.020 estudantes entre 10 a 15 anos, 16% estão na faixa de sobrepeso e 10% têm diagnóstico de obesidade. O dado mais alarmante, no entanto, é que 81% dos alunos de escolas particulares e 65% dos alunos de escolas públicas são sedentários, ou seja, realizam menos de dez minutos de atividade física por dia, quando o mínimo de tempo de exercícios físicos diários recomendado pela Organização Mundial da Saúde -OMS- é de meia hora.

Moisés explica que a prevenção dessas doenças começa no aleitamento materno, e que a mãe deve deixar para introduzir alimentos industrializados o mais tarde possível. A partir daí, freqüentar o pediatra periodicamente para controlar o peso, a pressão, fazer os exames necessários, se exercitar e ter o acompanhamento de um nutricionista, que faz um trabalho individualizado, capaz de reeducar a alimentação e os hábitos da criança é fundamental durante a infância. Principalmente se, existir algum fator genético (casos de doenças na família) ou alteração no comportamento deles referentes a aumento do apetite, preguiça, tristeza ou qualquer outra anomalia. "Às vezes acho que tenho fama de chato porque pego muito no pé dos meus pacientes em relação a alimentação e exercícios físicos: tem criança que come para viver e outras que vivem para comer, este segundo é um hábito equivocado e os pais têm de entender que são os responsáveis por ensinar o que se deve comer desde muito pequenininhos.

De olho na balança
Foto: Morguefile


De acordo com a endocrinologista e nutróloga Ellen Simone Paiva, até pouco tempo atrás, o diabetes tipo II (considerado uma doença crônica) era diagnosticado apenas em adultos, e de uns tempos pra cá, passou a ser um problema grave que muitas crianças e adolescentes do mundo inteiro passaram a enfrentar. Segundo Ellen, os péssimos costumes que as crianças têm hoje são as causas de todas essas doenças, principalmente da diabetes. Ela alerta que a família deve procurar um especialista e se unir para combater ou prevenir o problema.

A doutora dá Dicas de Alimentação:
  • Comer alimentos variados em todas as refeições e ao longo do dia;
  • Dividir o consumo de carboidratos em todas as refeições do dia, sabendo reconhecê-los no arroz, batata, mandioca, macarrão, pães, cereais e leguminosas (lentilha, soja, feijão e grão de bico);
  • Utilizar proteínas de fontes variadas como peixes, carne magra, frango, ovos e leguminosas (proteínas vegetais);
  • Comer frutas e vegetais de maneira variada todos os dias - idealmente 5 porções por dia;
  • Reduzir o consumo do açúcar simples, especialmente em refrigerantes, doces, bolos e leite condensado,
  • Reduzir o consumo de gordura, especialmente de gordura animal e alimentos gordurosos, cozinhando com menos gordura, retirando a gordura das carnes antes do preparo, reduzindo embutidos, bolos, biscoitos e utilizando laticínios desnatados;
  • Utilizar óleos vegetais ricos em gordura insaturada como óleo de oliva, soja, canola, girassol e milho;
  • Reduzir o consumo de sal;
  • Reduzir os lanches e as idas aos fast foods, que são densamente calóricos e ricos em gorduras, sal e açúcar. Substitua estes alimentos por alternativas com pouco açúcar, tais como cereais, nozes e frutas.


  • Especialistas têm feito constantemente estudos com crianças e adolescentes relacionados a essas doenças. Um deles, também divulgado recentemente pela Ong Pró-Criança Cardíaca, do Rio de Janeiro, apontou que de 600 crianças e adolescentes com idade de 6 a 18 anos de todas as classes socioeconômicas , 41,6% das crianças tinham colesterol total alto. Além disso, 11,16% apresentaram triglicérides (distúrbio caracterizado pelo aumento das taxas sangüíneas de triglicérides, que pode formar placas de gordura que se acumulam nas paredes das artérias, dificultando a circulação), 10,16% colesterol ruim e 5% índice de glicose acima normal. No entanto, é comprovado cientificamente que a alimentação e costumes adequados são a prevenção contra qualquer uma dessas enfermidades.

    Fontes:

    *Dr. Moisés Chencinski -Pediatra e Homeopata - www.doutormoises.com.br
    Ellen Simone Paiva - Endocrinologista e nutróloga- www.citen.com.br

    Atualizado em 6 Set 2011.

    Compartilhe

    Comentários

    Outras notícias recomendadas

    Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

    Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

    Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

    Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

    Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

    Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

    Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

    Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

    4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

    Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

    Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

    Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte