Guia da Semana

Então, quem foi?

Dizem que a culpa pela situação política do nosso país não é culpa dos políticos. Será?



Há algum tempo - alguns dias, na verdade - chegou aos meus olhos um e-mail corrente chamado ´a bofetada do ano´, ou algo que o valha. Na apresentação de Power Point, o autor demorou-se explicando todos os governos que tivemos e como reclamamos de todos eles, mas como somos nós quem os colocamos no poder, afirmando que a culpa é do povo brasileiro por eleger Clodovil e Maluf, que incansavelmente nos sabotam.

As duas frases mais marcantes que foram escritas em tal mensagem, seguem em citações: "(...) o problema não está nos deputados, senadores, presidentes, governador, prefeito, funcionário. O problema está naquele que reclama: você e eu, nós! O problema está no brasileiro"; depois de tal frase, segue-se uma infinidade de perguntas envolvendo a moral brasileira - o que esperar de um povo que ´dá um jeitinho para tudo´, valoriza o ´esperto ao sábio´, que ri quando faz um ´gato´ com a TV a cabo do vizinho, finge que está dormindo quando um idoso entra no ônibus, enfim e etc - e conclui com um efêmero "O problema do Brasil não são os políticos; são os brasileiros! Os políticos não se elegeram, fomos nós que votamos neles".

Quando se afirma tão categoricamente que o brasileiro é culpado pela miséria que o cerca, oferecendo meros exemplos de comportamento e questionamentos morais, sem um estudo aprofundado do que se diz, usa-se do recurso mais banal e errôneo que se pode utilizar nesses casos: a generalização; por meio desta, pega-se o comportamento de meia dúzia e o aplica a um grupo bem maior. Nesse caso, a um grupo de 189,6 milhões de pessoas.

É fácil apontar culpados e motivos, afirmar que a culpa da política não é dos políticos, mas dos eleitores; entretanto, não há necessidade alguma de inocentar os políticos - ´a César o que é de César´ -, a culpa é deles, sim; eleitos ou não, não agiram de acordo com a moral e devem ser repreendidos por tanto. Se sonegam impostos, se favorecem seus bolsos aos colégios e hospitais públicos, se não distribuem a renda de maneira igualitária e se não cumprem o que prometeram, merecem ser penalizados.

É prático olhar para a população com um olhar superior e dissecar seus defeitos, seus hábitos. É ainda mais prático acrescentar a tal análise algumas poucas situações cotidianas e fazer delas regras. Entretanto, defendo os brasileiros - não porque sou uma, mas porque acho que alguém precisa fazê-lo -, bato os pés e, enquanto alguns insistem em apontar para os eleitores, eu teimo em erguer o meu dedo indicador na direção do Planalto.

Prefiro acreditar piamente que a população brasileira é vítima; que escolhe errado, porque nunca a ensinaram a escolher corretamente, que se engana, porque nunca acertou, que se omite, porque nunca realmente participou. Prefiro acreditar que o povo brasileiro não se porta como se espera, porque não sabe o que se é esperado - é preciso lembrar que a história brasileira é marcada pela total ausência de participação popular política?

Por outro lado, acredito que tudo isso pode ser modificado; basta olhar para trás - e nem tanto assim -, lembrar do Diretas Já!, onde as eleições diretas para presidente eram reivindicadas, e dos movimentos estudantis que impulsionaram o impeachment do Collor. A educação e a conscientização guiaram os jovens brasileiros a pressionar os governos vigentes, requerendo que as suas exigências fossem ouvidas e acatadas e, surpreendentemente, conseguiram.

Tais acontecimentos apenas provam que os brasileiros são vítimas e não causadores do caos no qual se encontram mergulhados - sim, elegem mal, mas como podemos culpar eleitores das classes C e D de votarem no Lula, quando ele lhes fornece comida? -, a informação e formação política são duas perigosas armas que, inevitavelmente, voltam-se contra a população que não as contêm, prendendo-a num laço de ignorância e resignação social.

Então, reformulo a frase do autor desconhecido: "O problema do Brasil não são os brasileiros; são os políticos! Os brasileiros não pediram para não ter consciência política, foram os políticos que a tiraram deles".

Leia também:

? Ema, ema, ema...

? Uma em sessenta milhões

? Piada de mau gosto

? Amigo ou Estranho?

Quem é a colunista: Gisele Zwicker. Para ela, um fim de semana perfeito envolve um bom livro, um bom filme e uma ida ao teatro.

O que faz: Preparando-se para prestar o vestibular.

Pecado gastronômico: Filé de frango com arroz.

Melhor lugar do Brasil: São Paulo, Capital. Não há lugar melhor que o lar.

Fale com ela: gisele_zwicker@hotmail.com

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte