Guia da Semana

"Eu não sou mais do Infantil"

Saiba as diferenças do ensino fundamental de 9 anos

Foto:Getty Images


A implementação do ensino de nove anos, definida pelo MEC, tem gerado dúvida entre pais e alunos e polêmica entre os educadores. De forma prática, a mudança significa a inserção dos alunos na primeira série do Ensino Fundamental, aos seis anos de idade, somando um ano a mais (nove). Na realidade, esta proposta já consta na Lei de Diretrizes e Bases, aprovada no final de 1996, mas só em 2006 tornou-se obrigatória e o prazo para que as escolas se adaptem é 2010.

No Colégio Franciscano Pio XII, no qual ocupo o cargo de orientadora pedagógica do Ensino Fundamental, nós sempre acreditamos que o Ensino Infantil e o Ensino Fundamental são indissociáveis, pois ambos envolvem conhecimentos e afetos; valores e saberes; cuidado e atenção; seriedade e risco. Nos dois níveis, o objetivo é atuar com liberdade para assegurar a apropriação e a construção do conhecimento.

No ano de 2007, implantamos o Ensino Fundamental de nove anos no colégio e o processo foi tranqüilo tanto para a equipe pedagógica e educacional, quanto para os pais. As famílias foram previamente orientadas, por meio de artigos e reuniões com equipe. No início, houve um momento de ansiedade que foi minimizado a partir destes encontros , logo sendo substituída por tranqüilidade e confiança.

Porém, a mudança implicou algumas em alterações na dinâmica do colégio. Foi necessária uma atenção especial em relação à metodologia de ensino que seria aplicada a fim de não perder a característica lúdica que o Ensino Infantil carrega e que as crianças de seis anos requerem no desenvolvimento. A alteração exige que as instituições de ensino executem mudanças na parte formal do ensino e também na avaliação.

As professoras do Ensino Fundamental tiveram um papel relevante nessas mudanças, enriquecendo as discussões e decisões tomadas. Esse movimento exige um acompanhamento sistemático, com reuniões de supervisão semanal, orientação pedagógica e educacional, pois é no dia-a-dia das mudanças consumadas que podemos, por meio de uma observação cautelosa da reação dos alunos obter êxito.

Mantivemos as crianças muito próximas à Educação Infantil por entendermos que a faixa etária exige cuidados específicos, tais como: monitoria, atenção especial na hora do lanche, atividades de parque, higiene pessoal. etc. Utilizamos, inclusive, o mesmo espaço físico, que também é adaptado às crianças menores.

Fazendo uma análise pedagógica, podemos afirmar que o balanço foi positivo, pois notamos avanços, uma vez que a mudança favoreceu a inclusão de novas tipologias dos conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais no ensino.

Para os alunos, percebemos que, com a inclusão da pré-escola ao Ensino Fundamental eles se sentiram mais valorizados. A mudança de nomenclatura passou a ser um importante marco na vida deles. Hoje é comum ouvir em tom de felicidade e orgulho: "Eu não sou mais do infantil, eu já cresci... agora estou no primeiro ano".

Analisando por uma perspectiva macro, um dos méritos da mudança é que ela favoreceu as classes mais baixas, pois estes alunos terão maior tempo de escolaridade garantida pelo Estado. Isso porque as crianças das classes média e alta já costumam freqüentar a escola aos seis anos, enquanto no ensino gratuito o Ensino Infantil não tem tanta amplitude no país.

Vale apontar que a mudança não foi súbita. Na linha do tempo da legislação brasileira de educação, percebemos a preocupação com a Educação Infantil. Em 1988 a Constituição reconhece a Educação Infantil como direito das crianças de zero a seis anos de idade, delegando ao Estado o dever e à família a opção de ingresso. O Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei n° 80069, de 1991, afirma o direito das crianças e as protege. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 1996 reconhece a Educação Infantil como a primeira etapa da educação básica.

Para o Ensino Fundamental, temos: Lei n° 4024/1961 que estabeleceu o Ensino Fundamental de quatro anos de escolaridade obrigatória, seguida pela Lei n° 5.692/1971 que determinou a extensão da obrigatoriedade para oito anos. Finalmente, em 06 de fevereiro de 2006, a Lei n° 11274, institui o Ensino Fundamental de nove anos de duração com a inclusão das crianças de seis anos de idade.


Quem é a colunista: Deise de Almeida Santos Oliveira
O que faz: Orientadora Pedagógica do Colégio Pio XII
Pecado gastronômico: Pizza
Melhor lugar de São Paulo: Av. Paulista
Fale com ela: deise.santos@pioxiicolegio.com.br

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte