Guia da Semana

Na medida certa

Respeito à quantidade e horário de medicamentos é fundamental para eficácia do tratamento

Qual colher de chá equivale a exatos cinco mililitros? A dúvida passa na cabeça de mães e pais na hora de dar o remédio para os pequenos. Um estudo divulgado numa revista internacional da comunidade médica aponta que as medidas domésticas disfarçam as reais quantidades dos princípios-ativos num tratamento de saúde.

Fotos: Getty Images

Segundo pesquisas, as medidas domésticas enganam

A realidade não é distante da brasileira. No Centro de Assistência Toxicológico (Ceatox) do Hospital das Clinicas de São Paulo, dos 1.750 atendimentos mensais em média, 60% são de crianças. Erro na dosagem e fácil acesso a remédios guardados em casa são os principais motivos. Dados da Fundação Oswaldo Cruz de 2009 corroboram. A intoxicação infantil por remédios correspondeu a 36,1% dos casos nacionais.

As variações entre as medidas domésticas são grandes. Numa mesma "referência", podem ir de 2,3 mililitros (ml) a 7,3 ml, no caso da colher de chá, e de 6,7 ml a 13,4 ml nas colheres de sobremesa. Os diversos tipos de copo também podem causar comprometimento nas fórmulas caseiras para desidratação. A referência correta é de 200 ml.

O problema pode afetar a todos, mas causa males principalmente nas crianças. "Por ser um organismo em desenvolvimento, erros constantes e repetidos podem agravar doenças e levar a complicações maiores que a causa inicial do tratamento" argumenta Clóvis Francisco Constantino, médico e presidente da Sociedade de Pedriatria de São Paulo.

Problema antigo e persistente
As colheres, seringas e tampas dosadoras encartadas nos remédios deveriam evitar essas preocupações. No entanto, segundo Antony Wong, médico-chefe do Ceatox do HC, muitas das amostras grátis distribuídas em postos e consultórios não contêm os plásticos. "E quando vêm encartadas, é difícil identificar as dosagens", comenta.


Mães, pais e responsáveis devem se certificar da quantidade em mililitros antes de dar o remédio

De tão fina, a linha graduada quase some, impedindo a dose certa. Mas os medicamentos só vão agir corretamente se mantiverem quantidade constante no organismo por um tempo determinado. "Com um dosagem abaixo da necessária não se estará tratando a enfermidade corretamente. Já uma dosagem superior pode causar variados níveis de intoxicação, com diferentes sinais clínicos de acordo com o medicamento ingerido", comenta Constantino.

O erro na frequência das doses também prejudica a concentração do princípio-ativo no organismo. Se há atrasos, o nível caí. Quando adiantado, há sobredosagem. Nas infecções bacterianas, o erro nas doses dos antibiotícos pode não matar os microorganismos e desenvolver resistência às bactérias, exigindo remédios mais fortes para a cura.

As intoxicaçõe mais comuns acontecem com antiestaminicos, anti-inflamotórios hormonais e não-hormonais e analgésicos. Os problemas variam de acordo com a medicação. Confusões pela cor de embalagens também acontecem. "Já vi o uso de bronco-dilatadores no lugar de remédio para cólica, provocando o aumento das batidas cardíacas e podendo chegar a até uma parada cardíaca, um risco à vida da criança", relembra o doutor Wong.

Para não haver erros


Envolver a criança no acompanhamento do tratamento ajuda a reduzir erros

Atenção redobrada é o melhor remédio para evitar esses problemas. "A mãe e o pai precisam sair da consulta com o entendimento correto de como proceder seja qual forma a enfermidade, da mais simples a mais complexa. O médico precisa deixar claro o tratamento, verbalmente e por escrito na receita", reforça Constantino, da Sociedade Pediátrica.

Os especialistas reforçam ainda o uso de seringas graduadas de fácil visualização. Além de serem mais precisas, impedem sobras do medicamento. Ao utilizar os plásticos encartados nos remédios, não confunda a capacidade da colher ou tampa com o prescrito pelo médico. Confira a quantidade exata na receita.

Cápsulas e compridos para as crianças também devem ser evitados. É melhor pedir ao clínico outras formas para a medicação. Atenção triplicada na contagem das gotas em frascos e medidores.

Tudo isso exige atenção. Logo, na hora de dar o remédio à noite, certifique-se que está bem desperta para medicar o pequeno. Se a criança já tiver melhor entendimento, envolva-a no tratamento destacando a importância da atenção à saúde. É na dose que está a diferença entre o remédio e o veneno.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte