Guia da Semana

Se namorar estraga?

Com a moda de ficar sem compromisso, construir relacionamentos estáveis ficou cada vez mais difícil. Dependendo do caso, o melhor é seguir na pegada sem rótulo, do que a curtição do momento

Foto: SXC


Camilla Rotondo, 17 anos, estudante, tem um relacionamento estável com Vinicius Rocha, 26 anos. Não, eles não entram na lista dos poucos jovens que mantém um longo namoro. Os dois estão juntos em um relacionamento aberto há seis meses. Diferente de ficar, que implica em apenas um dia ou uma noite de troca de beijos e amassos com alguém e não ter a obrigação de ver a pessoa depois, Camilla e Vinicius têm um tipo de compromisso, mas que não exige fidelidade. "Somos um casal bem liberal, não vamos nos prender por causa de namoro", fala Camilla que sabe que o rolo/ficante/caso eventualmente fica com outras meninas quando sai com os amigos.

O romance dos dois já começou de uma forma que indicava que seria um relacionamento fora do normal. Vinicius era amigo da irmã de Camilla, e ela, bem novinha na época, achava que ele nunca a notaria. Depois de algum tempo sumido, ele reapareceu e os dois começaram a conversar e surgiu uma amizade. "Nossas conversas tinham uma segunda intenção; eu estava doida para ficar com ele, que também queria ficar comigo, mas não na mesma intensidade que eu estava afim", relata Camilla.

Foto: SXC


Depois de ficarem por uma, duas, três vezes, não pararam mais! Desde agosto eles permanecem juntos nesse rolo/ficada/enrosco, e por mais que estejam curtindo o momento e cada vez estejam mais juntos, a palavra namoro é proibida. "Quando a temida palavra namoro rola parece que vai virar uma guerra mundial", diverte-se. E não que isso a magoe, muito pelo contrário. Camilla está no time das adolescentes que preferem ficar ou ter assim, esse relacionamento aberto. "A nossa relação é bem legal, somos super sinceros um com o outro. Estamos muito bem nesse nosso 'rolo', que se chegar a virar namoro pode perder todo o encanto".

Algo parecido acontece com Caroline Reis, 17 anos. Ficando com um amigo há três meses, ela não quer saber de estragar a relação com um namoro. "Estamos curtindo esse  momento que estamos vivendo", conta ela que acha que o namoro só traria cobranças. "Hoje saímos cada um com seu amigo, sem ninguém achar ruim. Se começarmos a namorar isso pode mudar, ele pode me cobrar por sair mais com meus amigos do que com ele e eu a mesma coisa", diz Carol que prefere evitar brigas por motivos bobos.

Eu quero namorar!

Não existem estatísticas sobre ficadas que terminam em namoros ou namoros que terminam com rolos. Mas quem nunca ouviu histórias desse tipo? Leny Santos, 16 anos, tem uma história dessas. E com final feliz. Há dois meses e meio, a estudante ficava sério com o colega da escola, Marcelo Dias, 18 anos.

Foto: SXC


"Estávamos praticamente namorando", conclui Leny. Só que na hora de falar sobre firmar o compromisso, Marcelo desviava do assunto. "Não faria muita diferença assumir um namoro, já que a relação era quase essa, mas eu queria namorar!", assume a garota.

Com algumas conversas e uma ameaça de largar tudo, até a ficada legal que eles tinham, a garota conseguiu o tão esperado pedido de namoro. "Estamos namorando há quase um ano. Esse ano ele presta vestibular e eu faço meu último ano no colégio e não vamos mais passar tanto tempo juntos. Acho que saber que somos namorados me dá mais segurança", admite.

Nem tudo são flores

Estava tudo lindo. Eles são da mesma turma, têm os mesmos amigos, frequentam os mesmos lugares. Rafael Lopes, 17 anos, ficava com uma amiga e estava curtindo tanto o lance entre eles, que resolveu dar um passo à frente e pedir a menina em namoro. "Devia ter deixado como estava", diz Rafael.

Foto: Getty Images


Com o pedido de namoro, as coisas mudaram - e muito! "Eu não sei se não estava preparado para o namoro ou se ela pegou no pé mesmo", fala ele que acha que a garota marcou pesado. Rafael queria namorar, mas com o título de 'namorada', a menina começou a fazer cobranças e exigências. "Coisas que fazíamos antes de namorar, quando só ficávamos, não rolava mais; ela queria ficar só comigo e deixar os amigos de lado".

Essas mudanças acontecem e, na maioria, são elas que estragam algo que estava muito bom, antes de qualquer tipo de nome, seja namoro, relacionamento sério ou ficante fixo. "No final, namorando, ficando, o que importa é curtir a pessoa", conclui Rafael. Ele não sabe quando vai namorar de novo, nem se vai ficar só com uma menina ou vai cair na curtição. Ele só não quer estragar mais nada com nomes e rótulos.



*Alguns nomes foram alterados a pedido dos entrevistados

Atualizado em 1 Dez 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte